“Grande Finlândia” na URSS: crimes “Sem Tempo de Prescrição” revelados em novos documentos

Ilia Timin / Sputnik

A ofensiva finlandesa em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, resultou em um regime de ocupação brutal, com inúmeras violações da dignidade humana nos campos de concentração criados na Carélia, então União Soviética.

Na Rússia foram liberados muitos documentos da Grande Guerra pela Pátria (parte da Segunda Guerra Mundial, compreendida entre 22 de junho de 1941 e 9 de maio de 1945, e limitada às hostilidades entre a União Soviética e a Alemanha nazista e seus aliados), no âmbito do projeto “Sem Tempo de Prescrição”, que trazem à luz a um capítulo menos conhecido da guerra, a ocupação por aliados dos nazistas, os finlandeses, da região de Carélia, no noroeste russo e da então União Soviética, conquistada em 1941.

“Até crianças de sete ou oito anos são colocadas em solitária porque, famintas e esfarrapadas, andam pela cidade e pedem pão […] Quando três prisioneiros tentaram fugir […] foram espancados até a morte […]”, relataram prisioneiros de um campo de concentração na região em 1942, segundo os documentos a que Sputnik teve acesso.

Os finlandeses impunham fome e condições de vida insuportáveis nos campos através de trabalho duro e constantes abusos, algo ainda lembrado por ex-prisioneiros dos campos finlandeses, que ainda estão vivos.

A peculiaridade do regime de ocupação finlandês dita uma abordagem única para a exposição de seus crimes de guerra, que é possível realizar com base em depoimentos em massa e detalhados de testemunhas e documentos que, entretanto, foram desclassificados.

Uma em cada quatro pessoas na Carélia durante os anos da Grande Guerra pela Pátria passou por campos de concentração finlandeses.

Ao contrário dos invasores alemães, os finlandeses não faziam fuzilamentos em massa, então seus crimes permaneceram à sombra das atrocidades do nazismo alemão por muitos anos, segundo os historiadores.

Os prisioneiros eram considerados “escravos sem quaisquer direitos”, como se referiu o marechal Carl Gustav Mannerheim aos russos, carelianos, tártaros e outros residentes locais. Milhares de pessoas morreram devido a trabalhos forçados e fome.

“Ao contrário dos finlandeses, carelianos e vepes [povo fínico da região], todo homem russo foi ordenado a usar uma bandagem vermelha na manga esquerda. Ele e pessoas de outras nacionalidades, tártaros, georgianos e outros, recebem metade da comida”, diz uma citação dos arquivos desclassificados.

Os finlandeses construíram 14 campos de concentração (seis deles em Petrozavodsk) na República Socialista Soviética Carelo-Finlandesa capturada durante 1941-1944.

Em abril de 1942, eles continham cerca de 24 mil pessoas, cerca de 30% da população. Eram principalmente eslavos, dos quais mais de 90% eram russos, bielorrussos e ucranianos. Segundo estimativas dos historiadores, cerca de 50.000 pessoas passaram pelos campos de concentração.

 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …