Segredos de carta enterrada por prisioneiro em Auschwitz são finalmente revelados

jechstra / Flickr

A entrada do antigo campo de concentração de Auschwitz, na Polônia

Uma carta escrita em 1944 por um judeu de origem grega, prisioneiro no campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, foi agora reconstruída por cientistas.

Todos os dias, Marcel Nadjari e outros prisioneiros eram obrigados a trabalhar em “Sonderkommando”, uma das unidades de trabalho do campo de concentração nazista de Auschwitz-Birkenau, na Polônia.

Em 1944, o judeu de origem grega decidiu escrever uma carta, que guardou dentro de uma termos, envolta em uma bolsa de couro e enterrada perto do Crematório III, antes do campo ter sido libertado no início de 1945.

Segundo o jornal alemão Deutsche Welle (DW), uma equipe de pesquisadores conseguiu reconstruir o documento, descoberto em 1980 em elevado estado de degradação, que mostra o sofrimento vivido. “Sofremos aquilo que nenhum humano pode imaginar”, escreveu.

“Debaixo de um jardim, há dois quartos subterrâneos no porão: um serve para despir os prisioneiros, o outro é uma câmara da morte. As pessoas entram nuas e quando o espaço tem cerca de 3 mil pessoas, é fechado e são liberados gases”, pode ler-se nas declarações contidas na carta.

O grego descreve como os prisioneiros eram colocados “como sardinhas” e como os alemães usavam chicotes para aproximarem as pessoas antes de fechar as portas.

“Depois de meia-hora, nós abríamos as portas e nosso trabalho começava”. Nadjari, juntamente com outros prisioneiros, tinha que levar os corpos para os fornos dos crematórios, onde “um ser humano ficava reduzido a 640 gramas de cinzas”.

A carta foi publicada este mês, pela primeira vez em alemão, em uma revista através do Instituto da História Contemporânea (IfZ). É um dos nove documentos encontrados enterrados em Auschwitz, explicou o historiador russo Pavel Polian ao DW. Os textos, escritos por cinco prisioneiros, “são alguns dos documentos mais importantes do Holocausto”.

(dr) A. Nikitjaev / P. Polian

Carta escrita por Marcel Nadjari, prisioneiro em Auschwitz

Reconstrução do texto

De acordo com o DW, o historiador estudou os textos durante dez anos e publicou as descobertas no livro “Scrolls from the Ashes” (na versão em inglês).

No total, cerca de 100 dos quase 2 mil presos de Auschwitz encarregados de descartar os milhares de cadáveres sobreviveram ao campo de concentração. Dos cinco que escreveram e enterraram as mensagens, Nadjari foi o único sobrevivente.

Um estudante que fazia escavações em uma floresta junto às ruínas do crematório descobriu as cartas. Assim como as mensagens de outros colegas, escritas em Yiddish, apenas 10% a 15% do texto era legível.

Em 2013, um jovem pesquisador russo passou um ano trabalhando nos documentos, recorrendo a técnicas de análise de imagem multiespectral que permitiram tornar os contornos das letras novamente visíveis.

“Agora, podemos ler entre 85% e 90%”, disse Polian, acrescentando que já estão sendo feitas versões em inglês e em grego que devem ficar prontas em novembro.

(dr) Staatliches Museum Auschwitz

Bilhetes só de ida desde Tessalônica para Auschwitz

Sobreviver ao inimaginável

Nascido em 1917, Marcel Nadjari era um comerciante que vivia em Tessalônica e que foi deportado para Auschwitz em abril de 1944. “Se lerem aquilo que fizemos, vão se perguntar como conseguimos enterrar nossos amigos judeus. Isso foi o que eu pensei no início e penso muitas vezes”, escreveu.

Depois da guerra, Nadjari voltou para a Grécia e, em 1951, juntamente com a esposa e o filho, migrou para os EUA, onde trabalhou como alfaiate. Morreu no ano de 1971, em Nova York, com 54 anos de idade.

Segundo o DW, parece que o grego nunca revelou a ninguém as notas que tinha enterrado no campo de concentração. Dos cinco prisioneiros que deixaram cartas, foi o único que falou abertamente sobre vingança, afirma Polian. “Não estou triste por morrer, mas porque nunca serei capaz de me vingar como queria“, declarou no texto.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Inacreditável: homem de 101 sobrevive à gripe de 1918, guerra mundial e coronavírus

É quase inacreditável, mas aconteceu: um italiano de 101 anos sobreviveu a não uma, mas duas pandemias globais: a gripe espanhola de 1918 e o surto de COVID-19. Conhecido apenas como “Senhor P”, o homem foi …

IA usa imagens de satélites para localizar bombas não detonadas da Guerra do Vietnã

Muitas bombas lançadas durante a Guerra do Vietnã nunca explodiram e representam um sério perigo para a população local. Cientistas desenvolveram uma nova ferramenta alimentada por IA que facilitaria a detecção e desmantelamento desses explosivos. Um …

Crianças exibem pinturas de arco-íris nas janelas para alegrar colegas no Reino Unido

O Reino Unido deixou o negacionismo de lado para encarar a quarentena devido ao Coronavírus com seriedade desde esta segunda-feira, 23. Com as escolas fechadas, crianças desenham arco-íris e os exibem nas janelas para alegrar …

Covid-19: Austrália testa vacina contra tuberculose para imunizar profissionais da saúde

Uma equipe de cientistas australianos anunciou nesta sexta-feira (27) que decidiu testar em larga escala uma vacina usada durante décadas contra a tuberculose, a BCG, para comprovar se é capaz de imunizar profissionais da área …

'Pula no esgoto e nada acontece': Brasil tem mais de 300 mil internações por ano por doenças causadas por falta de saneamento

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) contrariam a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que o brasileiro seria resistente a infecções, já que "pula no esgoto e nada acontece". Em 2016, houve 166,8 …

Camada de ozônio está se recuperando e mudança de fluxos de vento

A recuperação da camada de ozônio acima da Antártica continua lenta e constante. Um sintoma claro desta recuperação é a mudança na circulação atmosférica registrada por pesquisadores da Universidade de Colorado Boulder e publicada na …

Esta geleira da Antártica inquieta pesquisadores

Com seu recuo de 5 km em somente 22 anos, a geleira de Denman, na parte leste da Antártica, inquieta os pesquisadores, que consideram os graves riscos associados ao seu potencial desaparecimento completo. A ravina Denman, …

Jornalista da Globo chora ao pedir que idosos fiquem em casa por coronavírus

Em tempos de pandemia da Covid-19 pelo mundo – e afetando o Brasil, é claro – mesmo o jornalista mais profissional e experiente pode acabar se rendendo as emoções, como aconteceu com Jessica Senra, apresentadora …

Mãe conta como adolescente francesa de 16 anos morreu de quadro fulminante da Covid-19

A angústia dos franceses aumenta com a morte de uma adolescente de 16 anos, Julie, vítima do novo coronavírus. Ela morreu na terça-feira (24) no Hospital Necker de Paris, especializado em doenças infantis, 24 horas …

Ex-ministros da Saúde repudiam postura de Bolsonaro em pandemia

Ex-ministros da Saúde dos governos petistas criticaram nesta quinta-feira (26/03) o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro diante da pandemia do novo coronavírus. Em carta, eles defenderam as restrições impostas por governos estaduais e ressaltaram a …