Há 6 furacões à solta pelo planeta, um deles com ventos de quase 300 km/h

(h) NASA / EPA

Quase como do dia para a noite, seis fenômenos ciclônicos aparecerem no hemisfério norte. Só no Atlântico existem três e no Pacífico há um supertufão com ventos de quase 300 quilômetros por hora.

No auge da temporada anual dos furacões, já são seis os furacões e tempestades que atacam os trópicos. Apesar de o furacão Florence ser o centro das atenções no Atlântico, o supertufão Mangkhut é, neste momento, o ciclone mais intenso do mundo, com ventos que atingem os 274 quilômetros por hora.

Além destes dois fenômenos, existem ainda outros quatro furacões que fazem os cientistas se questionarem sobre o porquê deste aumento de atividade. Há evidências substanciais que marcam as mudanças climáticas como sendo um dos culpados.

Ironicamente, é necessário ventos calmos para produzir um furacão e a existência de ventos fortes impede o crescimento e desenvolvimento deles. Como a quantidade de cisalhamento – um tipo de tensão tangencial gerado por forças aplicadas em sentidos opostos – atingiu seu mínimo sazonal, as tempestades cresceram exponencialmente.

Um dos fatores que também tem influência na criação destas tempestades, é a instabilidade do ar. Esta instabilidade funciona como catalisador dos furacões – é a lenha em uma fogueira. Na semana passada, estes valores atingiam valores abaixo da média até que tudo mudou e, sem razão aparente, os valores foram subindo.

O furacão Florence, que chegou a ser de categoria 4 na escala de Saffir-Simpson, foi o primeiro furacão com uma categoria tão alta observado tão a nordeste. Neste momento, encontra-se em direção aos Estados Unidos.

Contudo, esse furacão não é único a agitar o Atlântico. A oeste de Cabo Verde, o furacão Helena produz ventos de cerca de 144 quilômetros por hora. Marcado como um furacão de categoria 1 e apesar de as imagens de satélite serem assustadoras, parece provável que o furacão permaneça em oceano aberto e se extingue, propiciando apenas a queda de chuvas fortes na Europa.

E não, os ventos no Atlântico não param por aqui. Isaac, uma tempestade com ventos na ordem dos 96 quilômetros por hora, está no Caribe e irá atacar as ilhas Antilhas Menores antes de passar no sul de Cuba e de Porto Rico.

Uma onda adicional de baixa pressão, a várias centenas de quilômetros a sudoeste dos Açores, também poderá desenvolver características tropicais ou subtropicais nos próximos dias, contudo, não parece ser uma ameaça.

Do outro lado, no Pacífico, o supertufão Mangkhut produz ventos de 274 quilômetros por hora e ondas gigantes a cerca de 322 quilômetros a oeste da costa Guam. Espera-se que o supertufão atinja o norte das Filipinas com a força equivalente a um furacão de categoria 5.

Mas na zona asiática, o supertufão também não está sozinho. A tempestade tropical Barijat irá passar no sul de Hong Kong. A cidade onde vivem 7 milhões de pessoas também terá um encontro com o Mangkhut que, a essa altura, já terá uma classificação de categoria 1, de baixo nível.

O arquipélago do Havaí, conhecido pelo bom tempo, também terá sua luta com as ameaças no Pacífico. Olivia, a tempestade tropical, atinge o Havaí com chuvas intensas e inundações que chegam aos 38 centímetros.

Há cerca de duas semanas, com a ajuda do furacão Lane, o Havaí estabeleceu um recorde na precipitação com 132,1 centímetros de chuva registrados. Mais uma vez debaixo de fortes chuvas, é esperado que as mudanças climáticas possam favorecer a criação de tempestades no paraíso tropical.

Combinando as seis tempestades que atingem os vários pontos do globo, verifica-se um aumento substancial na intensidade, periodicidade e quantidade de tempestades.

A Energia Ciclônica Acumulada (ECA) é a métrica utilizada para combinar a duração e a intensidade destes fenômenos e, em todo o hemisfério norte, a métrica avalia este ano como estando 159% acima do normal.

A grande contribuição para o resultado vem do Pacifico Leste, que marca 245% acima da média, seguido do Pacífico Oeste, com 124% acima dos valores normais. Os oceanos Indico e Atlântico também estão acima da média, mas apenas ligeiramente.

Contudo, o aparecimento destes fenômenos no meio de setembro não é uma surpresa. No cronograma da atividade histórica, esta época do ano não é estranha à ocorrência destes fenômenos naturais.

O Pacífico Oeste tem o pico registrado entre julho e outubro e o Pacífico Leste entre agosto e setembro. Já o Atlântico tem a época mais curta e o pico acontece na primeira metade do mês de setembro.

Contudo, a intensidade das tempestades é bastante elevada em todas as bacias. O meteorologista Phil Klotzbach, estudioso de furacões da Universidade do Colorado, criou um site que registra as atividades. No site, a conclusão é que todas as bacias oceânicas apresentam atividades entre o normal e o acima de normal para o ano de 2018.

Cientistas por todo o mundo afirmam que as mudanças climáticas não influenciarão o número de tempestades criadas, mas que, a grande alteração nestes fenômenos será o aumento das intensidades, algo que já tem sido registrado.

Ciberia // Agência Brasil

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Depois dos morangos, agulhas chegam às maçãs e bananas na Austrália

As autoridades australianas investigam mais de 100 casos por todo o país. Agora, além dos morangos, as agulhas também já chegaram a frutas como maçãs, bananas e mangas. A Austrália investiga uma série de casos misteriosos …

Proibição de doações empresariais não blindam política de interesses privados, afirma cientista político

Apesar da proibição do financiamento empresarial de campanhas, que vigora no país desde 2015 por força de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), a classe empresarial continua engajada em diferentes candidaturas. Se, por um lado, …

Brasileiros são finalistas em Campeonato Mundial de Cubo Mágico

Criado nos anos 80, o cubo mágico é um dos brinquedos mais simples e fascinantes que existem. Quem nunca passou horas, dias, semanas ou até meses tentando acertar as cores de todas as faces ou …

Filhote de lobo da Idade do Gelo é encontrado preservado em mina de ouro

Enquanto procuravam por ouro nos solos gelados do território de Yukon, no Canadá, um grupo de mineiros descobriu um tesouro ainda mais raro: os corpos extremamente preservados de um filhote de lobo e de um …

Menino se despede do pai, e a foto já vale milhões (e muito mais em solidariedade)

A foto publicada no Twitter foi compartilhada milhares de vezes, gerando uma onda de solidariedade que já angariou mais de 7 milhões de rúpias. A maior parte do dinheiro servirá para ajudar a pagar as …

Programadores detectam falha de software que poderia ter destruído a Bitcoin

Programadores da Bitcoin descobriram uma vulnerabilidade de software que poderia permitir a inserção de um bloqueio na rede. O bloqueio seria capaz de derrubar todo o sistema mundial da moeda virtual. Frequentemente considerado como a grande …

Trump aconselha a Espanha a construir um muro no deserto do Saara

Donald Trump sugeriu ao governo espanhol uma medida para controlar os fluxos migratórios do Mediterrâneo. O presidente dos Estados Unidos quer que a Espanha construa um muro no deserto do Saara, na África. Depois de …

Dados do Ministério do Trabalho revelam: vagas de emprego despencaram após reforma trabalhista

“A reforma trabalhista vai gerar 6 milhões de empregos”, prometeu Henrique Meirelles (MDB), ex-ministro da Fazenda do governo de Michel Temer, em defesa das alterações na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovadas pelo Congresso …

Aquecimento global: inundações do Rio Amazonas quadruplicaram nos últimos 30 anos

As inundações se tornaram mais frequentes e graves no rio Amazonas nos últimos 30 anos, de acordo com um estudo realizado por cientistas chilenos e britânicos, que apontam o aquecimento global como uma das causas …

Altar maia revela disputa pelo poder ao estilo de “Game of Thrones”

Uma equipe internacional de arqueólogos encontrou um altar de calcário esculpido no sítio arqueológico de La Corona, localizado no norte da Guatemala, há 1500 anos. A peça, chamada Altar 5, foi descoberta no ano passado, mas …