Furacões com nomes femininos matam três vezes mais – porque ninguém os leva a sério

NASA Goddard Space Flight Center

O furacão Irene visto pela Expedição 28 da Estação Espacial Internacional

O furacão Irene visto pela Expedição 28 da Estação Espacial Internacional

Segundo um estudo conduzido por investigadores norte-americanos, as pessoas não levam os perigos dos furacões tão a sério se eles têm um nome feminino.

Um novo estudo, realizado por pesquisadores da Universidade de Illinois e da Universidade Estadual do Arizona e publicado na prestigiada revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, as pessoas não levam a sério os furacões com nomes femininos.

E as consequências disso são mortais.

O dobro, quase ou o triplo

Os cientistas concluíram que, nos Estados Unidos, tempestades com nomes femininos historicamente matam mais porque as pessoas não as consideram tão arriscadas, nem tomam as mesmas precauções que tomariam com tempestades nomeadamente masculinas.

Eles examinaram seis décadas de taxa de mortalidade de furacões de acordo com gênero, abrangendo de 1950 a 2012.

Dos 47 furacões mais prejudiciais, os com nome feminino produziram uma média de 45 óbitos em comparação com 23 de furacões de nomes masculinos. O estudo excluiu os furacões Katrina e Audrey, tempestades muito graves que desviariam o modelo.

A diferença nas taxas de mortalidade entre os gêneros é ainda mais pronunciada quando os pesquisadores comparam nomes fortemente masculinos com fortemente femininos. “O nosso modelo sugere que mudar o nome de um furacão grave de Charley para Eloise pode quase triplicar seu número de mortos”, escreveram os autores do estudo.

Sexismo implícito

Segundo Sharon Shavitt, professora de marketing na Universidade de Illinois, os resultados mostram um “sexismo implícito – ou seja, tomamos decisões sobre tempestades com base no gênero de seu nome sem sequer saber disso.

Para confirmar a hipótese de que o gênero dos nomes das tempestades de fato impacta os julgamentos das pessoas sobre elas, os pesquisadores criaram 6 experimentos que apresentaram uma série de perguntas a 346 pessoas.

O sexismo apareceu de novo.

Em um dos experimentos, os entrevistados previram que furacões masculinos seriam mais intensos. Em outro, o sexo do furacão afetou a forma como os entrevistados disseram que se preparariam para ele.

“As pessoas que imaginaram um furacão ‘feminino’ não estavam tão dispostas a procurar abrigo”, explicou Shavitt. “Os estereótipos subjacentes a esses julgamentos são sutis e não necessariamente hostis em relação às mulheres – podem envolver a visão das mulheres como mais carinhosas e menos agressivas do que os homens”.

Nos Estados Unidos, furacões são nomeados desde 1950. Originalmente, apenas nomes femininos eram usados; nomes masculinos foram introduzidos em 1979.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …