Furacões com nomes femininos matam três vezes mais – porque ninguém os leva a sério

NASA Goddard Space Flight Center

O furacão Irene visto pela Expedição 28 da Estação Espacial Internacional

O furacão Irene visto pela Expedição 28 da Estação Espacial Internacional

Segundo um estudo conduzido por investigadores norte-americanos, as pessoas não levam os perigos dos furacões tão a sério se eles têm um nome feminino.

Um novo estudo, realizado por pesquisadores da Universidade de Illinois e da Universidade Estadual do Arizona e publicado na prestigiada revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, as pessoas não levam a sério os furacões com nomes femininos.

E as consequências disso são mortais.

O dobro, quase ou o triplo

Os cientistas concluíram que, nos Estados Unidos, tempestades com nomes femininos historicamente matam mais porque as pessoas não as consideram tão arriscadas, nem tomam as mesmas precauções que tomariam com tempestades nomeadamente masculinas.

Eles examinaram seis décadas de taxa de mortalidade de furacões de acordo com gênero, abrangendo de 1950 a 2012.

Dos 47 furacões mais prejudiciais, os com nome feminino produziram uma média de 45 óbitos em comparação com 23 de furacões de nomes masculinos. O estudo excluiu os furacões Katrina e Audrey, tempestades muito graves que desviariam o modelo.

A diferença nas taxas de mortalidade entre os gêneros é ainda mais pronunciada quando os pesquisadores comparam nomes fortemente masculinos com fortemente femininos. “O nosso modelo sugere que mudar o nome de um furacão grave de Charley para Eloise pode quase triplicar seu número de mortos”, escreveram os autores do estudo.

Sexismo implícito

Segundo Sharon Shavitt, professora de marketing na Universidade de Illinois, os resultados mostram um “sexismo implícito – ou seja, tomamos decisões sobre tempestades com base no gênero de seu nome sem sequer saber disso.

Para confirmar a hipótese de que o gênero dos nomes das tempestades de fato impacta os julgamentos das pessoas sobre elas, os pesquisadores criaram 6 experimentos que apresentaram uma série de perguntas a 346 pessoas.

O sexismo apareceu de novo.

Em um dos experimentos, os entrevistados previram que furacões masculinos seriam mais intensos. Em outro, o sexo do furacão afetou a forma como os entrevistados disseram que se preparariam para ele.

“As pessoas que imaginaram um furacão ‘feminino’ não estavam tão dispostas a procurar abrigo”, explicou Shavitt. “Os estereótipos subjacentes a esses julgamentos são sutis e não necessariamente hostis em relação às mulheres – podem envolver a visão das mulheres como mais carinhosas e menos agressivas do que os homens”.

Nos Estados Unidos, furacões são nomeados desde 1950. Originalmente, apenas nomes femininos eram usados; nomes masculinos foram introduzidos em 1979.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Coronavírus: Reino Unido proíbe entrada de viajantes vindos da América do Sul e de Portugal por variante encontrada no Brasil

Chegadas ao Reino Unido da América do Sul e Portugal serão proibidas a partir de sexta-feira (15/01) devido a preocupações com a variante brasileira do coronavírus. O secretário de transportes, Grant Shapps, disse que a mudança …

Vacinação nacional contra a COVID-19 começa no dia 20, às 10h

Ao que tudo indica o Brasil já tem uma data oficial para o início da vacinação, em massa, contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Nesta quinta-feira (14), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou que a …

"Futuro assustador de extinção em massa" nos espera, elite dos cientistas alerta

O planeta enfrenta um “futuro assustador de extinção em massa, declínio da saúde e distúrbios climáticos” que ameaçam a sobrevivência humana por causa da ignorância e da inação, de acordo com um grupo internacional de …

Oferta de perfuração do Ártico tem fracasso histórico por falta de interessados

O recente leilão que oferecia arrendamentos de perfuração de petróleo no Ártico foi um fracasso. Esperava-se que a chamada atraísse muitos interessados em explorar a área no Alasca, mas a realidade foi outra. A notícia é …

Palácio mais antigo da China de 5.300 anos é descoberto perto de antiga capital

Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem cerca de 5.300 anos, sendo possivelmente a …

Variante da Covid-19 no Brasil faz Reino Unido banir viajantes da América Latina e Portugal

O governo britânico proibiu, nesta quinta-feira, as chegadas de todos os países da América do Sul e do Panamá, além de Portugal, em resposta à nova variante da Covid-19, descoberta no Brasil. A decisão …

CEO do Twitter defende banimento de Trump da rede social

Jack Dorsey diz que medida resulta do “fracasso” da plataforma em mediar diálogo saudável e admite que pode abrir “precedente perigoso”. Proibição veio após presidente dos EUA insuflar apoiadores que invadiram Capitólio. O CEO da rede …

O zumbido de fundo do universo pode ter sido ouvido pela primeira vez

Baseado no que sabemos sobre ondas gravitacionais, o Universo deve estar cheio delas. Cada par de buracos negros ou estrelas de nêutrons e colisão, cada supernova com núcleo em colapso — até mesmo o próprio …

Monocultura da soja destruiu mais de 30% do cerrado brasileiro entre 2004 e 2017, alerta WWF

Os 24 principais focos de desmatamento no mundo provocaram a perda de uma superfície equivalente ao tamanho do Paraguai em menos de uma década, aponta um relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na …

Coreia do Sul eleva capacidades de combate para conter ameaça norte-coreana

A Coreia do Sul planeja elevar suas capacidades militares para conter as ameaças de mísseis de curto alcance dos norte-coreanos, declarou o Ministério da Defesa sul-coreano. A declaração ocorreu após os norte-coreanos prometerem elevar o arsenal …