Japão é condenado pela Coreia do Sul por escravidão sexual na 2ª Guerra Mundial

Jeon Heon-Kyun / EPA

Um tribunal sul-coreano decidiu, nesta sexta-feira (8), que Tóquio deverá indenizar as famílias e as vítimas de escravidão sexual nos prostíbulos do exército imperial durante a Segunda Guerra Mundial.

O governo japonês deverá pagar a cada uma das 12 vítimas 100 milhões de wons (cerca de € 75.000), informou a agência de notícias sul-coreana Yonhap. Este é o primeiro caso civil apresentado ao tribunal sul-coreano contra Tóquio pelas chamadas de “mulheres de conforto” ou de “consolo” e que eram, na verdade, escravas sexuais das tropas japonesas. Apenas cinco delas estão vivas.

Na sentença, o tribunal afirma que o Japão imperial era responsável pelo sistema. A estimativa é de que 200.000 mulheres tenham sido forçadas a atuar nos bordéis. O caso e seu reconhecimento como crime de guerra pelo Japão gera tensões entre o país e os sul-coreanos.

Tóquio condenou a sentença e convocou o embaixador sul-coreano. Seul “deveria abandonar esta ação na Justiça”, disse à imprensa o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga. “A questão das mulheres de consolo já foi resolvida, completa e definitivamente”, insistiu. “Nosso país nunca aceitará essa sentença”, frisou.

Japão e Coreia do Sul são oficialmente aliados diante da ameaça nuclear norte-coreana, mas Tóquio nega sua responsabilidade nos abusos cometidos durante o conflito, não reconhecendo sua legitimidade do tribunal.

O governo japonês considera que um Estado não pode ser julgado por um tribunal estrangeiro. A decisão provocou a reação do secretário-geral do gabinete japonês, que qualificou o veredito de “inaceitável”. Ele pediu à Seul uma resposta apropriada. Na semana que vem, deve ocorrer um julgamento similar, que envolverá outras 20 mulheres.

Relações tensas

As relações entre os dois vizinhos são tensas, porém, devido a antigas disputas herdadas do período em que a península coreana era uma colônia japonesa (1910-1945). E se complicaram ainda mais desde a chegada ao poder do presidente sul-coreano de centro esquerda Moon Jae-in, um advogado comprometido com os temas dos direitos humanos.

Tóquio sempre se recusou a comparecer a estes julgamentos, por considerar que essa disputa terminou com o tratado de 1965. O pacto implicou no pagamento de indenizações que contribuíram para o desenvolvimento da Coreia do Sul. Esse acordo também estipulava que todas as queixas entre os Estados e seus nacionais ficavam, a partir de então, “completa e definitivamente resolvidas”.

O tribunal de Seul determinou que o pacto não põe fim ao direito das mulheres de reivindicarem indenizações ao Japão. “Estou profundamente comovido com a decisão de hoje”, disse à imprensa Kim Kang-won, um dos advogados das demandantes.

“É o primeiro veredito desse tipo para as vítimas que sofreram por causa das tropas japonesas”, afirma. Ele lembra que, em 1965, a trágica questão das “mulheres de consolo” não foi discutida. Foi preciso esperar até os anos 1990 para que este doloroso tema emergisse na Coreia do Sul, graças ao auge dos movimentos feministas.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Estudo de terapia com MDMA é tão poderoso que 67% dos voluntários foram curados de trauma

Um teste clínico em humanos inovador alcançou resultados extremamente estatisticamente significativos e uma excelente taxa de segurança, demonstrando que a terapia psicodélica assistida por MDMA pode ser um tratamento eficaz para transtorno de estresse pós-traumático …

Bolsonaro diz que pessoas que cumprem isolamento são "idiotas"

Presidente critica apelos para que brasileiros restrinjam os contatos sociais em meio à pandemia, que já provocou 435 mil mortes no país. "Tem alguns idiotas que até hoje ficam em casa", diz. O Presidente Jair Bolsonaro …

EUA vão fornecer 20 milhões de vacinas contra Covid-19 para outros países

Os Estados Unidos fornecerão 20 milhões de doses adicionais de vacinas contra a Covid-19 para outros países até o final de junho, elevando o total destinado ao exterior para 80 milhões de doses. O …

Demi Lovato vai comandar programa de TV investigativo sobre OVNIs

A atriz e cantora Demi Lovato está prestes a se aventurar em um desafio de outro mundo. A artista anunciou na última semana a sua participação em uma série limitada para a plataforma de streaming …

CPI da Covid: como 'isolamento vertical' pode virar arma contra Bolsonaro

Uma das linhas de investigação da CPI da Covid apura se o governo federal adotou a estratégia da imunidade de rebanho, ou seja, a obtenção da imunidade coletiva por meio da infecção da população, no …

Astrônomos continuam encontrando inexplicáveis anéis circulares misteriosos no céu

Nos últimos anos, astrônomos avistaram vários objetos de rádio gigantescos e quase perfeitamente circulares no universo distante. Embora ninguém tenha uma explicação para essas entidades misteriosas ainda, uma equipe adicionou recentemente outra ao seu catálogo, …

Conflito tem seu dia mais sangrento em Gaza

Bombardeios israelenses deixam pelo menos 42 palestinos mortos e elevam total de vítimas a 188. Netanyahu diz que ataques continuarão. Sem um cessar-fogo à vista, o atual conflito entre Israel e Hamas teve neste domingo (16/05) …

Apple é acusada de enganar usuários através de aplicativos fraudulentos na App Store

A Apple segue batendo recordes financeiros. No entanto, escândalos um atrás do outro aumentam a preocupação em torno da App Store. Após chamar a atenção internacional com as recentes revelações sobre a existência de cassinos ocultos …

Chile escolhe representantes para elaborar nova Constituição

O domingo foi o último dia de votação no Chile para a escolha dos redatores da nova Constituição do país. Os 155 representantes eleitos terão a tarefa de mudar o texto herdado da ditadura. …

China consegue pousar veículo não tripulado em Marte

A China conseguiu neste sábado pousar um veículo autônomo não tripulado em Marte. A fase final da operação Tianwen-1 aconteceu sem falhas, informou a TV estatal chinesa, que transmitiu um programa especial chamado Alo …