Japão é condenado pela Coreia do Sul por escravidão sexual na 2ª Guerra Mundial

Jeon Heon-Kyun / EPA

Um tribunal sul-coreano decidiu, nesta sexta-feira (8), que Tóquio deverá indenizar as famílias e as vítimas de escravidão sexual nos prostíbulos do exército imperial durante a Segunda Guerra Mundial.

O governo japonês deverá pagar a cada uma das 12 vítimas 100 milhões de wons (cerca de € 75.000), informou a agência de notícias sul-coreana Yonhap. Este é o primeiro caso civil apresentado ao tribunal sul-coreano contra Tóquio pelas chamadas de “mulheres de conforto” ou de “consolo” e que eram, na verdade, escravas sexuais das tropas japonesas. Apenas cinco delas estão vivas.

Na sentença, o tribunal afirma que o Japão imperial era responsável pelo sistema. A estimativa é de que 200.000 mulheres tenham sido forçadas a atuar nos bordéis. O caso e seu reconhecimento como crime de guerra pelo Japão gera tensões entre o país e os sul-coreanos.

Tóquio condenou a sentença e convocou o embaixador sul-coreano. Seul “deveria abandonar esta ação na Justiça”, disse à imprensa o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga. “A questão das mulheres de consolo já foi resolvida, completa e definitivamente”, insistiu. “Nosso país nunca aceitará essa sentença”, frisou.

Japão e Coreia do Sul são oficialmente aliados diante da ameaça nuclear norte-coreana, mas Tóquio nega sua responsabilidade nos abusos cometidos durante o conflito, não reconhecendo sua legitimidade do tribunal.

O governo japonês considera que um Estado não pode ser julgado por um tribunal estrangeiro. A decisão provocou a reação do secretário-geral do gabinete japonês, que qualificou o veredito de “inaceitável”. Ele pediu à Seul uma resposta apropriada. Na semana que vem, deve ocorrer um julgamento similar, que envolverá outras 20 mulheres.

Relações tensas

As relações entre os dois vizinhos são tensas, porém, devido a antigas disputas herdadas do período em que a península coreana era uma colônia japonesa (1910-1945). E se complicaram ainda mais desde a chegada ao poder do presidente sul-coreano de centro esquerda Moon Jae-in, um advogado comprometido com os temas dos direitos humanos.

Tóquio sempre se recusou a comparecer a estes julgamentos, por considerar que essa disputa terminou com o tratado de 1965. O pacto implicou no pagamento de indenizações que contribuíram para o desenvolvimento da Coreia do Sul. Esse acordo também estipulava que todas as queixas entre os Estados e seus nacionais ficavam, a partir de então, “completa e definitivamente resolvidas”.

O tribunal de Seul determinou que o pacto não põe fim ao direito das mulheres de reivindicarem indenizações ao Japão. “Estou profundamente comovido com a decisão de hoje”, disse à imprensa Kim Kang-won, um dos advogados das demandantes.

“É o primeiro veredito desse tipo para as vítimas que sofreram por causa das tropas japonesas”, afirma. Ele lembra que, em 1965, a trágica questão das “mulheres de consolo” não foi discutida. Foi preciso esperar até os anos 1990 para que este doloroso tema emergisse na Coreia do Sul, graças ao auge dos movimentos feministas.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

CIA teria considerado assassinar Assange durante presidência de Trump, aponta relatório

Jornalistas, analistas políticos e organizações de imprensa ficaram chocados neste domingo (26) após lançamento de uma reportagem que acusa membros da administração do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, de haver planejado assassinato do fundador do …

Cresce a desconfiança nas instituições no Brasil, segundo Datafolha

A confiança dos brasileiro nas instituições públicas sofreu uma queda generalizada desde julho de 2019, com a maior piora ocorrendo na avaliação da Presidência da República, segundo pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (25/09). Também houve aumento …

Alemanha: social-democratas saem à frente nas eleições, mas disputa é acirrada

Os social-democratas alemães saíram na frente neste domingo (26) nas eleições parlamentares que marcam o fim da era Merkel, de acordo com as estimativas iniciais, mas os conservadores da chanceler alemã ainda pretendem disputar …

Revelada consequência grave da COVID-19 mais frequente do que se acreditava

Novo estudo revelou que os pacientes com COVID-19 que foram internados em unidades de terapia intensiva (UTI) têm mais possibilidade de desenvolver deficiências cognitivas contínuas. O estudo de quase 150 pacientes internados no início da pandemia …

Fundo de Bill Gates investe US$ 50 milhões em robôs agricultores que poupam água

A startup norte-americana Iron Ox recebeu um aporte de US$ 53 milhões (R$ 280,5 milhões) para melhorar sua tecnologia de robôs usados na agricultura e que consomem 90% menos água que plantações tradicionais. O dinheiro veio …

Bolsonaro pede à população que tome banho frio e evite elevador

O presidente Jair Bolsonaro pediu nesta quinta-feira (23/09) à população que tome banho frio e evite usar o elevador para economizar energia elétrica. "Aqui são três andares. Quando tem que descer, mesmo que o elevador esteja …

A incrível descoberta que indica presença humana nas Américas muito antes do que se pensava

Novas descobertas científicas apontam que humanos chegaram às Américas pelo menos 7 mil anos antes do que se estimava anteriormente. As pesquisas em torno do momento em que o continente americano passou a ser povoado a …

Mianmar: Justiça americana ordena quebra de sigilo do Facebook para investigar ameaças contra rohingyas

Um juiz americano ordenou ao Facebook que divulgue os arquivos de contas ligadas de membros do exército birmanês e de milícias budistas que perseguiram a minoria Rohingya em Mianmar. A decisão, que encontra resistência …

Eduardo Bolsonaro está com covid-19

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, está com covid-19. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (24/09) por vários sites brasileiros de notícias. O próprio Eduardo teria confirmado seu diagnóstico ao portal …

Covid: o que alta em internação de idosos revela sobre efetividade da vacina e 3ª dose

As últimas estatísticas de casos, internações e mortes por covid-19 no Brasil trazem uma conclusão importante: as vacinas funcionam e protegem contra as formas graves da doença, mas algumas pessoas mais vulneráveis realmente precisam tomar …