Líder de Hong Kong abandona discurso no Parlamento após protestos

Jerome Favre / EPA

Parlamentares pró-democracia forçam Carrie Lam a interromper pronunciamento anual. Sem conseguir completar fala, chefe do Executivo faz discurso sobre futuro político da região administrativa especial da China em vídeo.

A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, foi forçada nesta quarta-feira (16/10) a interromper seu discurso sobre políticas futuras para a região administrativa especial que fazia no Conselho Legislativo, em meio a protestos de parlamentares. Após uma segunda tentativa interrompida por legisladores, a governante acabou fazendo seu pronunciamento anual em vídeo.

O discurso de Lam foi anunciado como uma tentativa de conquistar apoio e restaurar a confiança em seu governo, após mais de quatro meses de intensos protestos pró-democracia.

Quando a governante começou a falar, parlamentares entoaram canções em defesa da democracia, abriram cartazes de protestos e acenaram com as mãos pintadas de vermelho simbolizando sangue. Legisladores pediram a renúncia da governante.

Após a primeira onda de protestos, Lam interrompeu o discurso e deixou o plenário, mas voltou minutos depois para tentar dar continuidade a fala. Novamente, ela não conseguiu fazer o pronunciamento. Cerca de 75 minutos depois de deixar o Conselho Administrativo, a governante enviou o vídeo com a mensagem.

O fracasso de Lam perante os parlamentares marcou um novo revés para o governo, que há meses é alvo de protestos. As manifestações começaram em junho em oposição a um projeto de lei, já derrubado, que permitiria a extradição de suspeitos de crimes para a China continental.

Originados pela proposta, os protestos evoluíram, entretanto, para uma campanha a favor da democracia, que tem resultado em violentos confrontos entre manifestantes e a polícia.

No pronunciamento, Lam afirmou que o território enfrenta uma “grave crise” e alertou que “a violência contínua e a disseminação do ódio irão corroer os valores de Hong Kong”.

A governante anunciou ainda medidas para reduzir o déficit habitacional. A insatisfação com o alto preço dos imóveis é um dos motores dos protestos, principalmente entre os jovens.

“Estamos determinados a criar oportunidades de compra de imóveis para pessoas de diferentes grupos de renda”, destacou Lam, que novamente rejeitou renunciar ao seu cargo. Ela anunciou ainda a estatização de 700 hectares de propriedades privadas.

Lam descartou, porém, fazer mais concessões aos manifestantes, que pedem a libertação dos manifestantes detidos, um inquérito independente sobre a violência policial, a retração da palavra “motim” para descrever as manifestações, bem como o direito dos cidadãos de Hong Kong de escolher democraticamente seus líderes.

“Fazer concessões simplesmente por causa da escalada da violência só vai piorar a situação. Por outro lado, devemos considerar todos os meios para acabar com a violência”, disse.

O discurso ocorreu poucas horas depois de a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos ter aprovado projetos de lei que preveem sanções contra Pequim, caso a China não respeite as liberdades civis em Hong Kong. As propostas ainda precisam ser analisadas pelo Senado americano.

Pequim prometeu retaliação se as medidas entrarem em vigor e expressou “profunda indignação” com a possível interferência americana. “Hong Kong pertence à China, e os assuntos do território são assuntos internos da China “, declarou o porta-voz da diplomacia chinesa, Geng Shuang, citado pela agência de notícias estatal Xinhua.

A atual onda de protestos é a maior realizada contra o governo chinês desde que Hong Kong foi devolvida pelo Reino Unido para a China, em 1997. O processo de retorno foi firmado num acordo, em 1984, no qual os chineses se comprometeram a implementar o chamado modelo “um país, dois sistemas”, que previa a manutenção dos sistemas econômico e social vigentes e um elevado grau de autonomia (exceto em questões de defesa e relações externas) para o território, por ao menos 50 anos.

Desde então, Hong Kong tem o status de região administrativa especial da China, com uma legislação própria que garante, por exemplo, as liberdades de expressão e de reunião e que permite que o território continue sendo um importante centro financeiro e comercial.

Apesar da autonomia, os chineses têm a palavra final em Hong Kong, e a oposição reclama principalmente de uma excessiva interferência chinesa, afirmando que a China não está cumprindo à risca o que acertou com os britânicos.

// DW

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Fumar aumenta o risco de depressão e esquizofrenia?

De acordo com um novo estudo da Universidade de Bristol (Reino Unido), fumar pode aumentar o seu risco de desenvolver depressão ou esquizofrenia. Os pesquisadores queriam estudar a relação conhecida entre tabagismo e doenças mentais. Muitas …

Prisões não vão abrir as portas após decisão do STF, dizem especialistas

Segundo especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o momento da execução da pena não vai fazer com que as "portas dos presídios sejam abertas para criminosos perigosos". Na quinta-feira …

EUA acusam China de exportar drones autônomos letais para o Oriente Médio

O exército hi-tech de autômatos letais, antes uma visão do futuro, já é uma realidade e está em pleno curso, inclusive com comércio dessa nova tecnologia em andamento. Isso é o que diz o secretário de …

Um simples exame de sangue já pode prever câncer de mama 5 anos antes de se manifestar

O câncer de mama é o segundo mais comum no mundo, e também o que mais mata mulheres. No entanto, o grande paradoxo é que, enquanto a doença é a responsável por uma das principais …

Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

Após convocar novas eleições, líder esquerdista cede à pressão das Forças Armadas e da polícia, entregando o cargo "para que meus irmãos não sejam ameaçados". Vice e outras autoridades também se demitem. O presidente da Bolívia, …

Pesquisadores descobrem a primeira nova cepa de HIV em quase duas décadas

Um estudo dos Laboratórios Abbott e da Universidade do Missouri (EUA) detectou a primeira nova cepa de HIV em 19 anos, desde que as diretrizes para classificação de subtipos foram estabelecidas em 2000. A cepa faz …

Google, Facebook e Microsoft propõem que Pentágono controle inteligência artificial

Microsoft, Google e Facebook estão pedindo para que Washington assuma controle sobre o desenvolvimento da inteligência artificial. Dois gigantes do Vale do Silício do GAFAM, Google e Facebook, juntos com a Microsoft, exortam, através de seu …

Georg Elser, o lobo solitário que quase matou Hitler

Em 8 de novembro de 1939, um carpinteiro alemão por pouco não mudou o rumo da história. Mas ditador nazista escapou do atentado preparado por ele em Munique. Passaram-se décadas até Elser ser reconhecido. Consta que …

Pela primeira vez, Brasil apoia embargo dos EUA a Cuba na ONU

Pelo 28º ano consecutivo, o embargo dos EUA imposto a Cuba há quase seis décadas foi condenado nesta quinta-feira (7) por uma esmagadora maioria na Assembleia Geral da ONU, onde a resolução cubana obteve 187 …

Inteligência artificial resolveria problema de Isaac Newton do século XVII

Um algoritmo astronômico descoberto por pesquisadores no Reino Unido resolveu um dos problemas que ninguém conseguiu solucionar desde Newton. A inteligência artificial (IA) poderia permitir que cientistas britânicos encontrassem uma solução em menos de um segundo …