Parlamento da China aprova lei que pode significar fim da autonomia de Hong Kong

studiokanu / Flickr

Protestos em Hong Kong

O Parlamento chinês adotou nesta quinta-feira, praticamente por unanimidade, a polêmica lei sobre segurança nacional em Hong Kong. Segundo críticos, a medida acabará com a autonomia da ex-colônia britânica, cenário de grandes manifestações pró-democracia em 2019.

Como era esperado, 2.878 dos três mil deputados da Assembleia Nacional Popular (ANP) chinesa aprovaram a medida que reativou os protestos em Hong Kong e provocou o início de um processo de sanções por parte dos Estados Unidos. Houve um voto contrário, além de seis abstenções.

O anúncio do resultado da votação foi celebrado com aplausos pelos legisladores. A decisão concede mandato ao Comitê Permanente da ANP para redigir um projeto de lei que será incorporado à Constituição de Hong Kong, evitando assim a independência do Conselho Legislativo local.

Esta lei deverá “impedir, deter e reprimir qualquer ação que ameace de maneira grave a segurança nacional, como o separatismo, a subversão, a preparação ou a execução de atividades terroristas, assim como as atividades de forças estrangeiras que constituem uma interferência nos assuntos de Hong Kong”, afirma o projeto apresentado à ANP.

Ele também prevê autorização para que os organismos vinculados ao governo central estabeleçam em Hong Kong escritórios com autoridade em termos de segurança nacional.

Oposição reage: “É o fim de Hong Kong”

Para os opositores ao regime de Pequim, o texto estabelece o fim do princípio “um país, dois sistemas”, que direcionava até então as relações entre a China e o território desde 1997, quando deixou de ser uma colônia britânica.

Segundo críticos à influência do governo, a medida também abre o caminho para um retrocesso sem precedentes das liberdades nesta metrópole financeira de sete milhões de habitantes. “É o fim de Hong Kong”, afirmou Claudia Mo, deputada pró-democracia no Conselho Legislativo do território. “A partir de agora, Hong Kong será uma cidade chinesa como as outras”, reiterou.

No campo pró-Pequim, o deputado Martin Liao saudou o voto. “Essa decisão não atacará os direitos e liberdades da população de Hong Kong. Ao contrário, ela nos ajudará a longo prazo a combater a violência e o caos”, considerou.

EUA revoga status especial de Hong Kong

Os Estados Unidos declararam formalmente na quarta-feira (27) que Hong Kong não usufrui mais da autonomia prometida pela China, abrindo caminho para a remoção dos privilégios comerciais do centro financeiro em resposta a uma controversa lei de segurança que Pequim impõe à antiga colônia britânica.

Algumas horas antes de o Congresso Nacional do Povo votar a nova lei de segurança, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse que a China está violando obrigações negociadas em 1997 para recuperar o controle de Hong Kong, até então comandado pelo Reino Unido.

“Certifico hoje no Congresso que Hong Kong não terá o tratamento recebido sob a lei dos Estados Unidos da mesma maneira que era aplicada antes de julho de 1997”, afirmou Pompeo em comunicado. Depois, no Twitter, o secretário de Estado reiterou: “Hoje relatei ao Congresso que Hong Kong não é mais autônomo, devido aos recentes acontecimentos. Os Estados Unidos estão do lado do povo de Hong Kong“.

As declarações motivaram militantes pró-democracia que saíram às ruas do território na quarta-feira (27). No total, 360 pessoas foram presas, duas vezes mais que no domingo (24). As imagens das operações policiais são exibidas pela mídia de Hong Kong, junto a declarações das autoridades que afirmam que os protestos são “ilegais” e que os manifestantes carregavam “armas letais”.

Para os dirigentes chineses, a lei sobre a segurança nacional é “uma questão interna“. Pequim ameaça os Estados Unidos de retaliação, caso o governo Trump aplique sanções.

O ministério chinês das Relações Exteriores reagiu nesta quinta-feira sobre a decisão de Washington de revogar os privilégios comerciais do centro financeiro. Em comunicado, o escritório da pasta em Hong Kong afirmou que a decisão do governo americano é “a mais bárbara, a mais irracional e a mais vergonhosa”.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

COVID-19: produção de vacina pode causar morte de meio milhão de tubarões, alertam especialistas

Óleo natural feito a partir do fígado dos tubarões é um componente-chave entre os ingredientes utilizados por vários candidatos a vacina contra a COVID-19. A Shark Allies, uma organização de defesa aos tubarões, da Califórnia, EUA, …

Quem é Amy Barrett, a indicada de Trump para Suprema Corte?

Se aprovada pelo Senado, atual juíza federal e católica devota poderá influenciar a vida pública dos EUA por décadas e mover de vez a composição da Corte para uma orientação conservadora. Se no Brasil o presidente …

Uber ganha 18 meses de licença para atuar em Londres

Após uma longa batalha jurídica, a Uber ganhou uma licença para restabelecer suas operações em Londres pelos próximos 18 meses. Em novembro de 2019, a empresa havia sido impedida de atuar na capital inglesa, depois que …

Testes de DNA da moda não identificam indígenas brasileiros

Testes de DNA estão na moda. Se você pensou em exames para comprovar paternidade ou algo nesse sentido: não é disso que estamos falando (embora pudéssemos). A nova tendência — entre aqueles que têm condições para …

EUA e Brasil querem barrar governo Maduro na Organização Pan-Americana da Saúde

Os Estados Unidos, o Brasil e outros 11 países rejeitaram nesta segunda-feira (28) a legitimidade do governo de Nicolás Maduro na Venezuela para participar do Conselho Diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). A …

Água líquida em Marte: descobertas mais reservas no polo sul do Planeta Vermelho

Em 2018, pesquisadores italianos anunciaram que haviam encontrado evidências da existência de água líquida em Marte, abaixo da calota polar sul. Agora, a equipe voltou em mais uma série de informações que não apenas sustentam essa …

Cientistas russos encontram nova forma de tratamento para covid-19

Uma equipe de cientistas russos sugeriu tratar os pacientes gravemente afetados pelo coronavírus SARS-CoV-2 da mesma maneira que são tratados alguns casos de intoxicação. De acordo com os especialistas do Instituto de Pesquisa de Medicina de …

Covid-19 já causou a morte de um milhão de pessoas no mundo

Nove meses após seu surgimento na China, a pandemia de Covid-19 superou, neste domingo (27), o número simbólico de um milhão de mortos no mundo. No total, o coronavírus causou 1.000.009 mortes e 33.018.877 casos …

Homem que comia alcaçuz todos os dias morre e médicos alertam sobre riscos à saúde

Um homem de 54 anos morreu após consumir alcaçuz em excesso. Segundo os médicos do Hospital Geral de Massachussets (EUA), após duas semanas ingerindo alcaçuz preto em excesso, o homem teve uma overdose de uma …

Conflito armado se acirra na fronteira entre Armênia e Azerbaijão

A Armênia e o Azerbaijão se acusaram mutuamente neste domingo (27/09) de iniciar confrontos mortais na região separatista de Nagorno-Karabakh, na fronteira entre os dois países, em meio a uma disputa territorial de décadas. Ao …