Parlamento da China aprova lei que pode significar fim da autonomia de Hong Kong

studiokanu / Flickr

Protestos em Hong Kong

O Parlamento chinês adotou nesta quinta-feira, praticamente por unanimidade, a polêmica lei sobre segurança nacional em Hong Kong. Segundo críticos, a medida acabará com a autonomia da ex-colônia britânica, cenário de grandes manifestações pró-democracia em 2019.

Como era esperado, 2.878 dos três mil deputados da Assembleia Nacional Popular (ANP) chinesa aprovaram a medida que reativou os protestos em Hong Kong e provocou o início de um processo de sanções por parte dos Estados Unidos. Houve um voto contrário, além de seis abstenções.

O anúncio do resultado da votação foi celebrado com aplausos pelos legisladores. A decisão concede mandato ao Comitê Permanente da ANP para redigir um projeto de lei que será incorporado à Constituição de Hong Kong, evitando assim a independência do Conselho Legislativo local.

Esta lei deverá “impedir, deter e reprimir qualquer ação que ameace de maneira grave a segurança nacional, como o separatismo, a subversão, a preparação ou a execução de atividades terroristas, assim como as atividades de forças estrangeiras que constituem uma interferência nos assuntos de Hong Kong”, afirma o projeto apresentado à ANP.

Ele também prevê autorização para que os organismos vinculados ao governo central estabeleçam em Hong Kong escritórios com autoridade em termos de segurança nacional.

Oposição reage: “É o fim de Hong Kong”

Para os opositores ao regime de Pequim, o texto estabelece o fim do princípio “um país, dois sistemas”, que direcionava até então as relações entre a China e o território desde 1997, quando deixou de ser uma colônia britânica.

Segundo críticos à influência do governo, a medida também abre o caminho para um retrocesso sem precedentes das liberdades nesta metrópole financeira de sete milhões de habitantes. “É o fim de Hong Kong”, afirmou Claudia Mo, deputada pró-democracia no Conselho Legislativo do território. “A partir de agora, Hong Kong será uma cidade chinesa como as outras”, reiterou.

No campo pró-Pequim, o deputado Martin Liao saudou o voto. “Essa decisão não atacará os direitos e liberdades da população de Hong Kong. Ao contrário, ela nos ajudará a longo prazo a combater a violência e o caos”, considerou.

EUA revoga status especial de Hong Kong

Os Estados Unidos declararam formalmente na quarta-feira (27) que Hong Kong não usufrui mais da autonomia prometida pela China, abrindo caminho para a remoção dos privilégios comerciais do centro financeiro em resposta a uma controversa lei de segurança que Pequim impõe à antiga colônia britânica.

Algumas horas antes de o Congresso Nacional do Povo votar a nova lei de segurança, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse que a China está violando obrigações negociadas em 1997 para recuperar o controle de Hong Kong, até então comandado pelo Reino Unido.

“Certifico hoje no Congresso que Hong Kong não terá o tratamento recebido sob a lei dos Estados Unidos da mesma maneira que era aplicada antes de julho de 1997”, afirmou Pompeo em comunicado. Depois, no Twitter, o secretário de Estado reiterou: “Hoje relatei ao Congresso que Hong Kong não é mais autônomo, devido aos recentes acontecimentos. Os Estados Unidos estão do lado do povo de Hong Kong“.

As declarações motivaram militantes pró-democracia que saíram às ruas do território na quarta-feira (27). No total, 360 pessoas foram presas, duas vezes mais que no domingo (24). As imagens das operações policiais são exibidas pela mídia de Hong Kong, junto a declarações das autoridades que afirmam que os protestos são “ilegais” e que os manifestantes carregavam “armas letais”.

Para os dirigentes chineses, a lei sobre a segurança nacional é “uma questão interna“. Pequim ameaça os Estados Unidos de retaliação, caso o governo Trump aplique sanções.

O ministério chinês das Relações Exteriores reagiu nesta quinta-feira sobre a decisão de Washington de revogar os privilégios comerciais do centro financeiro. Em comunicado, o escritório da pasta em Hong Kong afirmou que a decisão do governo americano é “a mais bárbara, a mais irracional e a mais vergonhosa”.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …