Protestos e medo da repressão policial chinesa marcam fim de semana em Hong Kong

Jerome Favre / EPA

Um milhão de professores foram às ruas neste sábado (17) em Hong Kong. A manifestação foi autorizada e ocorreu sem maiores tumultos, marcando o início de um fim de semana de protestos.

Hong Kong é palco de protestos há vários dias e os militantes dizem temer que a violência da polؙícia chinesa em Shenzen, na fronteira, se intensifique. A mídia estatal chinesa divulgou imagens de soldados e tanques na cidade.

Depois de concentrar tropas na fronteira com Hong Kong, o governo chinês advertiu na quinta-feira (15) que não ficará “de braços cruzados”, se o protesto pró-democracia continuar no território semiautônomo.

Na noite desta sexta-feira (16), milhares de manifestantes se reuniram em um parque da cidade para uma vigília destinada a pedir sanções internacionais contra os líderes do governo local.

O movimento pró-democracia de Hong Kong tem pela frente um fim de semana crucial. Estão convocados novos protestos depois dos violentos confrontos de terça-feira (13), no aeroporto internacional. Segundo as ultimas informações, os voos teriam voltado a operar normalmente.

O ponto alto do fim de semana será a manifestação prevista nesta domingo (18) pela Frente Cívica dos Direitos Humanos, que originou o movimento popular em junho. O objetivo é mostrar que o movimento continua a ter grande apoio popular, apesar dos confrontos no aeroporto internacional de Hong Kong.

A violência dos protestos prejudicou a imagem do movimento, que promete uma manifestação pacífica, apesar de o risco de confronto ser grande. Outras concentrações foram anunciadas para este sábado, apesar de proibidas pelas autoridades.

Os manifestantes protestam contra a erosão do princípio “um país, dois sistemas”, que, desde a retrocessão de 1997, marca a soberania chinesa sobre a ex-colônia britânica, e garante um certo nível de autonomia em Hong Kong, preservando as liberdades individuais.

A megalópole do Sul da China vive sua pior crise em duas décadas, com manifestações quase diárias. O movimento se transformou em um desafio para o controle de Pequim sobre Hong Kong.

Depois de não ter falado nada sobre essa situação por semanas, o que o levou a ser acusado de manter uma posição indulgente para com o regime chinês, o presidente americano, Donald Trump, disse estar “preocupado” com o risco de repressão violenta.

A declaração pode piorar ainda mais as relações entre ambos os países, mergulhados em uma guerra comercial. Trump também anunciou que planeja falar em breve com o presidente chinês, Xi Jinping, e exigiu que Pequim “resolva o problema em Hong Kong de maneira humana”.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mudanças climáticas: cientistas treinam vacas para usar banheiro contra aquecimento global

Vacas podem ser treinadas para usar um banheiro para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, segundo uma experiência realizada na Alemanha por pesquisadores alemães e da Nova Zelândia. No estudo, os cientistas treinaram os …

Reprovação a Bolsonaro volta a subir, afirma Datafolha

O Instituto Datafolha apurou que a reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro aumentou ainda mais, passando para 53% entre as pessoas consultadas, segundo uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (17/02) pelo jornal Folha de S. …

Empresa norueguesa assegura que pode 'eliminar' furacões antes que se tornem destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de cortina de bolhas proposto pela empresa poderia ela própria provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, startup norueguesa, assegura que sua tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem poderosos …

Limitar aquecimento global a 1,5ºC exige redução drástica de gases poluentes, mostra relatório

Manter a temperatura da Terra a 1,5°C será impossível sem uma redução massiva das emissões de gases poluentes. É o que mostra um novo relatório divulgado pela ONU nesta quinta-feira (16). O documento "United …

Alemanha libera entrada para brasileiros que apresentem teste negativo

A Alemanha vai deixar de considerar o Brasil como área de alto risco na pandemia do novo coronavírus a partir deste domingo, anunciou nesta sexta-feira (17/09) o Instituto Robert Koch (RKI), a agência governamental alemã …

Assembleia-Geral da ONU: exigência de vacina ainda não está decidida, mas é improvável que Bolsonaro seja barrado

Perdeu força a possibilidade de que líderes de países tenham que comprovar que se vacinaram contra a covid-19 para participar da 76ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que acontece na semana que vem …

Submarinos: França perde o "contrato do século" para a Austrália, que opta por EUA e Reino Unido

O jornal econômico Les Echos estampa em sua primeira página desta quinta-feira (16) uma notícia, ainda no condicional, que se concretizaria durante a madrugada: "A Austrália desiste de uma encomenda de 12 submarinos franceses …

VSR: o pouco conhecido vírus que se espalha entre crianças no mundo e também no Brasil

No início de 2021, a equipe do Hospital Infantil de Maimonides, no Brooklyn, em Nova York (EUA), começou a experimentar uma cautelosa sensação de alívio. Os casos de covid-19 na cidade estavam em queda. Como …

Com popularidade em queda, premiê britânico Boris Johnson reforma equipe de governo

Após semanas de boatos, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, decidiu modificar o governo nesta quarta-feira para formar uma "equipe unida" e enfrentar os desafios depois de um ano e meio de pandemia e em …

Relatório lista mais de uma dezena de crimes atribuídos a Bolsonaro

Um grupo de juristas liderados pelo ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior entregou nesta terça-feira (14/09) à CPI da Pandemia um relatório de 226 páginas com possíveis crimes cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro durante a …