Governo de Hong Kong espera “volta à calma” sem ceder a demandas de manifestantes

Jerome Favre / EPA

A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, disse esperar que “uma volta à calma” esteja a caminho no território, depois que a grande manifestação do último domingo (18) acabou sem violência.

Depois de passar vários dias sem se manifestar, a chefe do Executivo de Hong Kong fez um apelo para a abertura do diálogo com os manifestantes. Foi a insistência de Carrie Lam em apresentar um projeto de lei que previa a extradição de cidadãos da região semiautônoma para a China continental que deflagrou a onda de protestos. “Eu e minha equipe estamos dispostos a ouvir o que as pessoas têm a dizer“, declarou Lam durante entrevista coletiva, sem mencionar o polêmico projeto.

Apesar do tom mais conciliador, Carrie Lam continua sem ceder às demandas dos manifestantes. Ela informou que 174 queixas contra a polícia foram registradas desde o início do movimento, em junho. Mas, até agora, o governo de Hong Kong se recusa a abrir uma investigação sobre eventuais abusos das forças de ordem, que utilizaram grandes quantidades de gás lacrimogêneo e gás pimenta, além de balas de borracha para conter os protestos.

O Twitter e o Facebook acusaram Pequim de promover uma intensa campanha de desinformação nas redes sociais para desmoralizar os protestos. Os dois gigantes digitais americanos informaram ter cancelado quase mil contas criadas com esse objetivo. O Twitter anulou outros 200 mil perfis suspeitos, que foram gerados mas ainda não tinham sido utilizados.

Em um comunicado, a rede afirmou que as contas “buscavam deliberadamente semear a discórdia” em Hong Kong.

Funcionário de consulado britânico detido na China

O ministério das Relações Exteriores da Grã-Bretanha afirmou que está “muito preocupado” com as informações sobre a detenção na China de um funcionário de seu consulado em Hong Kong. Ele foi detido quando retornava a Hong Kong de Shenzhen, cidade chinesa na fronteira da região autônoma. “Estamos dando apoio à família e buscando mais informações com as autoridades na província de Guangdong e em Hong Kong”, diz a nota oficial do governo britânico.

De acordo com o jornal local HK01, o funcionário do consulado viajou a Shenzhen, na província de Guangdong, a uma hora de Hong Kong, para uma reunião de negócios no dia 8 de agosto, mas não conseguiu retornar. O incidente acontece no momento em que a ex-colônia britânica enfrenta a pior crise política em décadas.

Manifestações pró-democracia acontecem em Hong Kong há 11 semanas e, em muitos casos, terminaram com confrontos violentos entre a polícia e ativistas radicais. Nas últimas semanas, a China elevou o tom ante os protestos, que considera um desafio direto a seu governo, e afirmou que as ações mais violentas dos manifestantes mostram “sinais de terrorismo”.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

UE exportou mais de um bilhão de doses contra Covid-19, diz Comissão Europeia

A União Europeia exportou mais de um bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 para mais de 150 países. Essa quantidade representa a metade das doses produzidas na Europa, de acordo com dados …

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …