“Lista de Schindler filipina” salvou 1.200 judeus do holocausto

Mais de 1.200 judeus alemães cruzaram o planeta em pleno holocausto para se refugiar nas Filipinas, um país que os acolheu quando todos lhes fechavam as portas. A história destes sobreviventes, semente da atual irmandade entre Manila e Tel Aviv, começou em uma partida de pôquer.

Manila, 1937. Um jogo entre o presidente filipino Manuel Quezón, o alto comissário dos Estados Unidos, Paul McNutt, o então ainda coronel Dwight Eisenhower e elites locais.

Após um acalorado debate sobre o assunto daquele momento no mundo, a brutal perseguição aos judeus no Terceiro Reich de Adolf Hitler, os jogadores se propuseram a salvar 10 mil pessoas da câmara de gás.

“No final só puderam salvar pouco mais de 1.200, curiosamente um número similar ao de pessoas salvas por Oskar Schindler com sua famosa lista“, disse à Agência EFE o historiador filipino Michael “Xiao” Chua, da Universidade de La Salle.

As Filipinas, então membro da Commonwealth e estado associado dos EUA, não podiam aceitar imigrantes que precisassem de assistência estatal, por isso Quezón ordenou a elaboração de uma lista de profissões exigidas para desenvolver o país.

Assim, entre 1938 e 1941, chegaram ao país médicos, cientistas, contadores e mecânicos judeus, entre outros profissionais. No primeiro dos barcos, um menino de 12 anos chamado Alfred Hahn, filho de um engenheiro, viajava com os pais.

“Na Alemanha eles tinham um vizinho que os escondia em sua casa quando vinha a polícia de Hitler, o que permitiu a eles evitar a prisão até conseguirem o visto para fugir para as Filipinas”, afirmou à EFE Leticia Duñgo Hahn, de 86 anos e viúva de Alfred, falecido em 2011, aos 85.

Os judeus chegados da fria Alemanha tiveram que enfrentar nas Filipinas o intenso calor, a umidade, os mosquitos e a guerra, quando o exército do Japão varreu as tropas do arquipélago após o ataque a Pearl Harbor em dezembro de 1941 e ocupou o país por três anos.

Os japoneses, aliados de Hitler e temidos pela crueldade, “ironicamente deram aos refugiados judeus um tratamento melhor do que aos filipinos e outros estrangeiros” no arquipélago ocupado, contou Chua, já que, por engano, os consideravam do esquadrão aliado por terem documentos alemães.

“No início, os japoneses colocaram meu sogro na prisão, mas o libertaram em seguida porque pensaram que era aliado”, declarou, por sua vez, a viúva de Alfred Hahn.

Terminada a II Guerra Mundial com a derrota e retirada do Japão, as Filipinas consolidaram seu apoio à causa judaica ao darem o único voto asiático a favor da Resolução 181 da ONU para o Plano de Partilha da Palestina em 1947, que deu lugar à proclamação do Estado de Israel um ano depois.

Enquanto isso ocorria, Alfred Hahn se casava com Leticia, bela adolescente de uma família da alta sociedade de Manila.

Nos anos seguintes, quase todos os judeus alemães refugiados nas Filipinas partiram para EUA, Europa e Israel, mas uma minoria preferiu ficar no país que salvou suas vidas. Leticia lembra do momento em que perguntou ao marido e a seus sogros qual seria o destino seguinte.

“Minha casa é as Filipinas. Quando viemos, os filipinos nos deram um lar e nos trataram como seus iguais. Esta é a nossa casa“, respondeu Alfred Hahn, que após 20 anos já gerenciava um próspero negócio de motocicletas e depois se naturalizou filipino.

Oito décadas após o resgate de Quezón, a comunidade judaica em Manila conta apenas com algumas centenas de pessoas e somente uma sinagoga, onde neste sábado foi celebrado o Dia Mundial em Memória das Vítimas do Holocausto com uma homenagem a este pouco conhecido capítulo da Segunda Guerra Mundial.

Um capítulo que também serviu para manter estreitos laços de amizade entre Israel e Filipinas, cujos cidadãos gozam de livre acesso ao país dos judeus e são homenageados com um monumento em Tel Aviv que agradece a ajuda recebida do outro lado do mundo.

Sempre que podemos, expressamos nosso agradecimento às Filipinas por terem sido um dos poucos países que abriram as portas naqueles anos obscuros”, disse à Efe Yulia Rachinsky-Spivakov, porta-voz da Embaixada de Israel em Manila.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

A polêmica sobre campos de extermínio nazistas que opôs a Polônia ao Netflix

O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, enviou uma carta ao Netflix insistindo em mudanças no documentário The Devil Next Door (o diabo ao lado), sobre campos de extermínio nazistas. Na carta enviada no domingo, 10, e …

O único problema de ser filho único é o estigma

Filhos únicos possuem uma péssima reputação. Quantas vezes você não observou algum pai ser criticado por escolher ter apenas um pimpolho? “Ele vai ficar mimado, muito sozinho, egoísta, etc. etc. etc”. É um senso comum. Parece, …

Epidemia mundial: Pneumonia mata uma criança de menos de 5 anos a cada 39 segundos

O Dia Mundial da Pneumonia é comemorado em 12 de novembro. A data foi proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a importância da prevenção da doença, …

Senadora se declara presidente da Bolívia

A parlamentar oposicionista e segunda vice-presidente do Senado Jeanine Áñez declarou-se presidente da Bolívia nesta terça-feira (12). Ela também afirmou que o país terá novas eleições após a formação de uma nova comissão eleitoral. "De acordo …

Bolsonaro anuncia saída do PSL

Em meio à crise por disputa de poder na legenda, presidente afirma que pretende criar novo partido. Cerca de 30 parlamentares aliados de Bolsonaro devem seguir exemplo e deixar o PSL. O presidente Jair Bolsonaro anunciou …

Israel mata comandante da Jihad Islâmica em ataque aéreo

Forças israelense bombardeiam casa de líder extremista na Faixa de Gaza. Militantes palestinos reagem disparando dezenas de mísseis contra Israel. Autoridades pedem que população fique em casa. Um importante comandante militar do grupo extremista palestino Jihad …

Cão aprende a falar usando máquina de escrever e já sabe 29 palavras

Stella tem 18 meses e, apesar de ser um cachorro, já sabe “falar” mais do que muitos humanos da sua idade. Através de uma máquina criada por sua tutora, o animal consegue se comunicar usando …

Saída de Lula da prisão pode ser “oportunidade” para Bolsonaro, diz especialista ao Le Monde

O jornal Le Monde deste domingo e segunda-feira, feriado em que a França comemora o Armistício da Primeira Guerra Mundial, traz uma reportagem de página inteira sobre a liberação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da …

Evo Morales deixa a Bolívia rumo ao México

O agora ex-presidente Evo Morales deixou a Bolívia na noite desta segunda-feira (11) e pegou um avião em direção ao México. Em comunicado via Twitter, Evo Morales disse que estava agradecido ao México por ter lhe …

Turquia repatria jihadistas estrangeiros do "Estado Islâmico"

A Turquia começou a repatriar nesta segunda-feira (11/11) jihadistas estrangeiros do grupo terrorista "Estado Islâmico" (EI) que foram capturados no norte da Síria. Um alemão, um dinamarquês e um americano foram os primeiros deportados por …