Cientistas criam máquina que pode manipular nossos sonhos

Cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) criaram uma máquina que funciona como uma interface para a fase do sono em que ocorrem alucinações, permitindo que as pessoas controlem o conteúdo dos sonhos.

Dizem que Thomas Edison dormia suas sestas com bolas de aço na mão. Quando adormecia, sua mão relaxava e as bolas caíam, fazendo-o acordar. Dessa forma, o inventor se achava capaz de capturar as ideias geradas através dos sonhos.

Parece apenas a rotina bizarra de um “cientista maluco”, mas é uma técnica que os pesquisadores do MIT tentam recriar, embora com um pouco mais de rigor científico. O trabalho originou um dispositivo batizado de “Dormio”, que induz o período transitório entre o estado de vigília e o sono.

Essa fase, conhecida como hipnagogia, é uma “fragmentação natural da consciência”, na qual não estamos totalmente conscientes nem totalmente inconscientes. Esse período é difícil de definir: enquanto algumas pessoas podem manter conversas, outras experimentam alucinações visuais e auditivas. Muitos cientistas acreditam que é durante a hipnagogia que somos mais criativos.

Para desencadear esse estágio, a equipe de cientistas liderada por Adam Horowitz criou uma máquina que manipula literalmente o conteúdo dos sonhos.

“A hipnagogia é caracterizada pela imprevisibilidade fenomenológica, percepção distorcida do espaço e do tempo, perda do sentido do eu e associação espontânea de ideias fluidas”, afirmam os cientistas no site do MIT Media Lab. “Usando o Dormio, fomos capazes de influenciar, extrair informações e estender os micro-sonhos hipnagógicos pela primeira vez”.

Porém, é importante destacar que esses micro-sonhos são diferentes dos sonhos lúcidos que ocorrem no estágio REM (Rapid Eye Movement) do sono. Ao contrário desses, em que o participante está ativo, a pessoa com um sonho hipnagógico é passiva – embora isso não signifique que não possa controlar a direção do sonho, mesmo que precise de uma ajuda.

Durante os testes, os participantes usaram uma luva com uma tecnologia de medição muito sensível para determinar esse estado transicional através de bio-sinais como, por exemplo, a frequência cardíaca ou o tônus muscular.

(dr) MIT Media Lab

A luva do sistema Dormio que permite induzir o estado de hipnagogia

Quando o utilizador estava prestes a deixar a hipnagogia e a fazer a transição para o sono profundo, um robô ao lado da cama foi acionado para emitir uma mensagem e empurrá-lo de volta ao estado de sonho. Quando os participantes estavam suspensos nesse estado hipnagógico, o áudio perguntava no que pensavam.

“Descobrimos que todos os indivíduos sonhavam sobre os temas escolhidos pelos pesquisadores antes do sono e que o uso ativo da hipnagogia, com o Dormio, pode aumentar a criatividade humana medida pela flexibilidade, fluência, elaboração e originalidade do pensamento”, concluíram.

Parece assustador, mas os cientistas esperam tornar essa tecnologia barata e acessível, permitindo que todos possam aumentar a criatividade explorando o estado hipnagógico.

Ciberia // HypeScience / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …

Projeto de estrada cortando parque das cataratas de Iguaçu ameaça outras áreas de proteção pelo Brasil

Uma das paisagens naturais mais impressionantes do Brasil e reconhecida pela Unesco, o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as cataratas, no Paraná, pode ser cortado ao meio por uma rodovia asfaltada – em …

Por que a imunidade de rebanho está longe de ser realidade

Embora costume ser apresentada como simples cálculo matemático, alcançar a imunidade de rebanho não é tarefa fácil. Ela não só depende da infecciosidade das variantes, como da adoção de medidas sanitárias pela população. Apesar das campanhas …

Uso de maconha na adolescência pode atrapalhar o desenvolvimento do cérebro

O consumo de maconha pode ser prejudicial ao cérebro humano durante a adolescência, de acordo com estudo publicado na última quarta-feira (16). Segundo a pesquisa, realizada em regiões da Europa, o uso recreativo da planta pode …

EUA terão feriado para comemorar fim da escravidão

Data já celebrada na maioria dos estados vai se tornar feriado federal. O "Juneteenth" lembra dia em que os últimos escravos negros foram libertados no país, em 1865. Após aprovação pelo Congresso dos Estados Unidos na …

5 perguntas sobre os denisovanos, 'parentes' extintos dos humanos modernos que viveram na Terra há 50 mil anos

Desde que os primeiros vestígios dos denisovanos foram descobertos em 2008, os cientistas não descansaram tentando obter mais informações sobre eles. A tarefa, no entanto, não tem sido fácil, porque até agora só foram encontrados pequenos …