Medicamento contra malária trata com sucesso doentes de câncer

Um medicamento anti-malária se revelou eficaz no tratamento de pacientes com câncer do cérebro, num tratamento experimental. Abre-se assim, uma nova porta no combate a esta doença e a um preço extraordinariamente baixo.

Cientistas da Universidade do Colorado (CU), nos EUA, utilizaram a substância cloroquina, o princípio activo de um medicamento anti-malária, no tratamento de pacientes com câncer do cérebro e com resultados surpreendentemente positivos.

Um dos pacientes alvo deste tratamento experimental foi Lisa Rosendahl, de 26 anos, diagnosticada com um câncer no cérebro aos 21 anos e alvo de cirurgias, de tratamentos com radiações e quimioterapias que não conseguiram combater a doença.

Os médicos deram-lhe somente mais um ano de vida, depois de o câncer se ter revelado resistente aos tratamentos.

Graças ao recurso à cloroquina, o câncer de Lisa estabilizou e “aumentou tanto a quantidade como a qualidade da sua vida”, realça a CU em comunicado publicado no Science Daily.

Esta paciente era um caso típico “de alto risco” e de um “glioblastoma agressivo” para o qual já tudo tinha sido tentado, conforme explica o pesquisador que liderou a pesquisa, o pediatra oncológico Jean Mulcahy-Levy.

“Para este tipo de população, as taxas de sobrevivência são sombrias”, acrescenta o médico, realçando que Lisa respondeu “miraculosamente” bem ao tratamento inovador.

“Quatro semanas depois do início do tratamento com a cloroquina, ela conseguia sentar-se e tinha melhorado o uso dos braços, pernas e mãos”, aponta Mulcahy-Levy.

Outros dois pacientes com câncer no cérebro foram tratados com a mesma substância e revelaram igualmente “melhoras dramáticas similares”, destaca a CU.

Ataque à autofagia

O câncer tem uma extraordinária capacidade de resistência e foi isso mesmo que ocorreu no caso de Lisa, com os tratamentos a deixarem de funcionar.

A cloroquina permitiu que o medicamento que anteriormente não estava a fazer efeito (o Vemurafenib, um inibidor da mutação genética BRAFV600E) voltasse a surtir resultados, “re-sensibilizando o seu câncer para o tratamento definido”, revela a investigação publicada no eLife.

O ponto de partida dos pesquisadores foi um processo que é conhecido por autofagia e que é uma espécie de reciclagem celular, em que as células reciclam proteínas e materiais perigosos, usando-os para gerar energia em situações de stress.

A descrição deste processo de autofagia celular garantiu ao japonês Yoshinori Ohsumi, o Prêmio Nobel da Medicina em 2016.

“Como deitar abaixo um kit Lego, a autofagia quebra componentes celulares desnecessários, construindo blocos de energia ou de proteínas para sobreviver em tempos de pouca energia ou para ficar a salvo de venenos ou patogênicos”, explica a CU.

Certos tumores “usam a autofagia para se manterem a salvo de tratamentos”, evidencia a instituição, notando que os pesquisadores detectaram que os que apresentam “mutações no gene BRAF e, especialmente, os com uma mutação chamada BRAFV600E, são particularmente dependentes da autofagia”.

Assim, em artigo publicado na eLife, os cientistas apontaram directamente a este mecanismo celular e concluíram que “a inibição genética e farmacológica da autofagia ultrapassou mecanismos distintos de resistência molecular, inibiu o crescimento das células do tumor e aumentou a morte das células”.

Travar o processo de autofagia permite desta forma, tornar a medicação mais eficaz e rompe as barreiras de resistência do câncer. E, além do mais, estamos a falar de um medicamento já aprovado e relativamente acessível, em termos de preço.

Os pesquisadores acreditam que a cloroquina pode ser aplicada também, com sucesso a outros tipos de tumores cerebrais e eventualmente, até noutras doenças e noutro tipo de mutações genéticas.

SV, Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …

Projeto de estrada cortando parque das cataratas de Iguaçu ameaça outras áreas de proteção pelo Brasil

Uma das paisagens naturais mais impressionantes do Brasil e reconhecida pela Unesco, o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as cataratas, no Paraná, pode ser cortado ao meio por uma rodovia asfaltada – em …

Por que a imunidade de rebanho está longe de ser realidade

Embora costume ser apresentada como simples cálculo matemático, alcançar a imunidade de rebanho não é tarefa fácil. Ela não só depende da infecciosidade das variantes, como da adoção de medidas sanitárias pela população. Apesar das campanhas …

Uso de maconha na adolescência pode atrapalhar o desenvolvimento do cérebro

O consumo de maconha pode ser prejudicial ao cérebro humano durante a adolescência, de acordo com estudo publicado na última quarta-feira (16). Segundo a pesquisa, realizada em regiões da Europa, o uso recreativo da planta pode …

EUA terão feriado para comemorar fim da escravidão

Data já celebrada na maioria dos estados vai se tornar feriado federal. O "Juneteenth" lembra dia em que os últimos escravos negros foram libertados no país, em 1865. Após aprovação pelo Congresso dos Estados Unidos na …

5 perguntas sobre os denisovanos, 'parentes' extintos dos humanos modernos que viveram na Terra há 50 mil anos

Desde que os primeiros vestígios dos denisovanos foram descobertos em 2008, os cientistas não descansaram tentando obter mais informações sobre eles. A tarefa, no entanto, não tem sido fácil, porque até agora só foram encontrados pequenos …