“Vacina universal do câncer” teve primeiros testes bem sucedidos em humanos

Rita Elena Serda, NIH / Flickr

Célula cancerígena (a branco) sendo atacada por dois linfócitos T citotóxicos (a vermelho) num processo natural de resposta imune

Célula cancerígena (a branco) sendo atacada por dois linfócitos T citotóxicos (a vermelho) num processo natural de resposta imune

Uma “vacina universal” para o tratamento do câncer pode estar um pouco mais próxima da realidade, revelam uma série de testes bem-sucedidos em três pacientes humanos realizados pela Universidade Johannes Gutenberg de Mainz, na Alemanha.

O novo método de tratamento, apelidado de “imunoterapia”, busca utilizar o próprio sistema imunológico do corpo humano como arma contra tumores malignos.

Os resultados foram publicados na revista Nature.

O processo, explica o Futurism, consiste na aplicação de uma espécie de vacina carregada com o material genético (RNA) das células cancerígenas do paciente em seu próprio sistema imunológico – o que ajuda o corpo a diferenciar células sadias das células do tumor, facilitando o combate do próprio corpo à doença.

Fazer com que o corpo identifique quais são as células que o estão prejudicando é hoje um dos principais desafios no tratamento do câncer, já que em muitas situações, o organismo não é capaz de diferenciá-las por serem similares à células normais.

Aplicando o RNA das células do câncer no paciente, no entanto, o material passa a ser reconhecido com um antígeno, estimulando a produção de anticorpos contra aquele material.

O método é considerado universal, uma vez que qualquer paciente poderia ter o RNA extraído de suas próprias células cancerígenas e utilizado para o tratamento, independentemente do tipo de câncer que o aflige.

Nos testes realizados na universidade, três pacientes diagnosticados com melanoma e tratados com a imunoterapia só apresentaram sintomas leves de “gripe” como efeitos colaterais, mas nada que se comparasse à complicações de tratamentos como a quimioterapia.

Além disso, segundo o The Independent, em um dos pacientes já houve uma redução observada de um dos tumores após o tratamento.

Apesar de os testes preliminares terem sido considerados bem-sucedidos, ainda há um longo caminho a ser percorrido antes que o novo tratamento possa ser aplicado oficialmente.

Além do método ainda precisar de novos testes em larga escala, tipicamente órgãos reguladores do setor de saúde, como o Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos, podem levar até 8 anos para aprovar um novo tipo de medicação ou tratamento.

Mas estes resultados são inspiradores a abrem caminho ao que muitos consideram o (impossível) Santo Graal da medicina: uma vacina universal contra o câncer.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …