Modelo inventora está mudando o futuro da medicina espacial

(dr) Sophia Smith Galer

Alex Sorina Moss e o chefe técnico da Canaria, James Lynn, usando sua invenção

Alex Sorina Moss é artista e modelo, mas esses são apenas trabalhos extras que lhe permitem ir atrás de sua maior ambição – fazer um brinco que possa transformar a viagem espacial para sempre.

A ideia de Alex Sorina Moss já trouxe fama à sua equipe ao ganhar um prêmio da Nasa para Melhor Uso de Dispositivo em 2016. Mais do que isso, sinaliza uma nova direção para tecnologias wearables, ou dispositivos de tecnologias para vestir.

A Canaria é um pequeno brinco usado na parte externa da orelha, chamados brincos ear cuffs, que mede estatísticas vitais do corpo, além de outras métricas como os níveis de certos gases no ar em torno de quem o está usando.

Enquanto wearables biométricos mais conhecidos miram em consumidores que querem se exercitar, o aparelho está sendo desenvolvido para fins médicos.

Precisa, confortável, estilosa e potencialmente salvadora de vidas, essa nova tecnologia parece ser o primeiro passo rumo a nos tornarmos ciborgues. Mas como exatamente isso tudo surgiu – e quais são as chances dessa moda realmente pegar?

“Eu costumava usar joias muito extravagantes, enormes, brincos que pesam metade do peso da sua cabeça”, diz Moss, sentada ao lado de seu colega James Lynn, um engenheiro eletrônico e chefe técnico da Canaria. Na orelha, ela veste um protótipo de sua criação.

“Eu percebi que se você tiver uma que for bem desenhada o bastante, você pode usar por algumas semanas ou durante um festival de música inteiro sem tirá-la.”

Foi essa ideia que Moss levou ao hackathon de aplicativos espaciais da Nasa – não exatamente um lugar onde você imaginaria cruzar com uma modelo. Mas ela tem estudado tecnologia, neurobiologia e como incorporar esses elementos no seu design.

(dr) Canaria

A criação de Moss ganhou um prêmio da Nasa para Melhor Uso de Dispositivo em 2016

A Nasa deu uma enorme tarefa para aqueles que compareceram ao seu desafio: resolver o problema do dióxido de carbono numa espaçonave.

Por causa das condições de gravidade zero no espaço, o ar não se movimenta como na Terra. Isso significa que, se um astronauta passar muito tempo em um lugar, ele pode acabar em uma bolha letal de dióxido de carbono, potencialmente inalando o gás venenoso.

Houve um momento em que eu somei 2+2“, diz Moss. “Brincos ear cuff são confortáveis porque há muitas terminações nervosas no lobo, mas não na parte da concha”, que é a parte central e cavernosa da orelha, explica ela.

“Então, o problema que eu estava tentando resolver era: é possível colocar um medidor de dióxido de carbono em algo que você veste de maneira que você tenha leituras mais precisas dos bolsões de gás e que você possa usar durante meses a cada vez?”

Aplicações em expansão

O que Moss não havia percebido era que o seu brinco poderia resolver muito mais do que o problema do dióxido de carbono.

O engenheiro eletrônico Rob Finean tem desenvolvido alguns projetos com o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS) e sabia que a oximetria de pulso poderia ser integrada ao design. Em outras palavras, os sinais vitais de uma pessoa – de níveis de oxigênio no sangue até batimentos cardíacos – poderiam ser medidos.

Finean agora é Diretor de Desenvolvimento de Produto na Canaria.

Tim Peake fez alguns experimentos recentemente e a maioria deles eram com base em seu próprio corpo”, diz Lynn, referindo-se ao astronauta britânico, que recentemente voltou de uma temporada na Estação Espacial Internacional. “Mesmo assim, seus sinais vitais só eram medidos uma vez a cada duas semanas.”

A razão para isso, diz ele, é que no momento não há um wearable apropriado para esse serviço – o método de medida atual envolve usar uma roupa apertada e desconfortável. “Depois de dois dias, eles tiraram a roupa e disseram: ‘Eu não vou usar isso’.”

Moss com o astronauta Tim Peake, discutindo o sistema de recolhimento de dados de saúde da Canaria

A Canaria hoje não detecta apenas gases letais. Suas luzes LED vão se tornar um oxímetro de pulso, o que significa que também poderão medir o nível de oxigênio no sangue e os batimentos cardíacos de um astronauta, assim como fazem os grampos presos aos dedos de um paciente em tratamento intensivo.

O dispositivo também pode ser carregado remotamente, para que a pessoa que a usar não precise ficar tirando o equipamento – um passo importante para resolver a atual escassez de dados biométricos de astronautas.

O potencial da Canaria para outras indústrias é vasto, e o time agora está agora na Austrália oferecendo a ferramenta para mineradores que enfrentam problemas parecidos de detecção de gás e monitoramento de sinais vitais.

A fadiga também é um enorme problema na indústria, e o brinco pode vibrar e avisar motoristas que seus dados biométricos indicam que eles vão cair no sono em breve e precisam fazer um intervalo.

Um dia – se o instrumento for permitido em hospitais – poderemos viver em um mundo no qual os pacientes possam usar uma Canaria, dando aos médicos dados constantes de seus sinais vitais. Considerando a crescente escassez de camas hospitalares, um potente conjunto de dados pode dar confiança aos médicos para liberar pacientes rapidamente.

A Canaria envolve alta moda – belas artes, até – trabalhando junto à ciência. É uma relação simbiótica e frutífera e talvez um dia esse protótipo, que já está na fase de testes, possa salvar a sua vida.

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Revelada consequência grave da COVID-19 mais frequente do que se acreditava

Novo estudo revelou que os pacientes com COVID-19 que foram internados em unidades de terapia intensiva (UTI) têm mais possibilidade de desenvolver deficiências cognitivas contínuas. O estudo de quase 150 pacientes internados no início da pandemia …

Fundo de Bill Gates investe US$ 50 milhões em robôs agricultores que poupam água

A startup norte-americana Iron Ox recebeu um aporte de US$ 53 milhões (R$ 280,5 milhões) para melhorar sua tecnologia de robôs usados na agricultura e que consomem 90% menos água que plantações tradicionais. O dinheiro veio …

Bolsonaro pede à população que tome banho frio e evite elevador

O presidente Jair Bolsonaro pediu nesta quinta-feira (23/09) à população que tome banho frio e evite usar o elevador para economizar energia elétrica. "Aqui são três andares. Quando tem que descer, mesmo que o elevador esteja …

A incrível descoberta que indica presença humana nas Américas muito antes do que se pensava

Novas descobertas científicas apontam que humanos chegaram às Américas pelo menos 7 mil anos antes do que se estimava anteriormente. As pesquisas em torno do momento em que o continente americano passou a ser povoado a …

Mianmar: Justiça americana ordena quebra de sigilo do Facebook para investigar ameaças contra rohingyas

Um juiz americano ordenou ao Facebook que divulgue os arquivos de contas ligadas de membros do exército birmanês e de milícias budistas que perseguiram a minoria Rohingya em Mianmar. A decisão, que encontra resistência …

Eduardo Bolsonaro está com covid-19

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, está com covid-19. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (24/09) por vários sites brasileiros de notícias. O próprio Eduardo teria confirmado seu diagnóstico ao portal …

Covid: o que alta em internação de idosos revela sobre efetividade da vacina e 3ª dose

As últimas estatísticas de casos, internações e mortes por covid-19 no Brasil trazem uma conclusão importante: as vacinas funcionam e protegem contra as formas graves da doença, mas algumas pessoas mais vulneráveis realmente precisam tomar …

Líder separatista catalão Carles Puigdemont é detido na Itália

Carles Puigdemont, que foi presidente do governo regional catalão durante a declaração de independência frustrada de 2017, foi detido na ilha italiana da Sardenha (oeste) nesta quinta-feira (23) após quatro anos foragido da justiça …

Por que as drogas psicodélicas estão mais perto do mercado convencional

O aumento da permissão de uso de psicodélicos como terapia promete transformar a forma como vemos o extraordinário. Foi em 1971 que Rick Doblin usou LSD pela primeira vez. Era uma tarde de sábado na Flórida, em …

Covid-19: EUA autorizam 3ª dose da vacina da Pfizer para idosos e grupos de risco

Os Estados Unidos autorizaram nesta quarta-feira a aplicação de uma terceira dose da vacina contra a covid-19 da Pfizer para maiores de 65 anos, pessoas com alto risco de contrair uma forma grave da …