Nova investigação revela que a Princesa Diana seguia em um carro com defeito quando morreu

Nick Parfjonov / Wikimedia

Diana de Gales, a Princesa do Povo

Diana de Gales, a Princesa do Povo

Há novos dados sobre o acidente de viação que matou a Princesa Diana, em agosto de 1997. Uma investigação feita por jornalistas franceses apurou que a Mercedes em que ela seguia era um “destroço” de um acidente que não deveria andar em circulação.

Os jornalistas Pascal Rostain, Bruno Mouron e Jean-Michel Caradec, associados à revista francesa Paris-Match, tiveram acesso às oito mil páginas da investigação judicial francesa em torno do acidente que vitimou Diana e seu namorado, Dody Al Fayed, em 31 de agosto de 1997, em Paris.

Mas os repórteres foram além dos dados conhecidos e descobriram novos detalhes que ajudam a explicar a tragédia, conforme explicam no livro Qui a tué Diana? (Quem matou Diana?), lançado nesta quarta-feira na França.

O canal francês M6 transmitiu, na terça-feira (30), um documentário em torno das descobertas dos três jornalistas que apuraram que a Mercedes na qual a Princesa Diana seguia era um “destroço acidentado” que tinha sido considerado impróprio para circulação.

O antigo proprietário do veículo, Eric Bouquet, explica aos jornalistas que a seguradora o reembolsou, após o acidente, “ao preço de compra, porque estava praticamente novo, considerando que era um carro destruído, irreparável“.

“Considerava-se que era um veículo perigoso. Eu queria recuperá-la, mas me disseram que não era possível”, destaca Eric Bouquet.

Os jornalistas revelam que a Mercedes foi adquirida por uma garagem que a reparou e a revendeu para uma empresa de aluguel de carros. O veículo teria sido alugado ao Hotel Ritz que o colocou à disposição de Diana.

Um antigo motorista do Hotel, Karim Kazi, conta aos jornalistas que o carro “não era confiável na estrada” e quem o dirigia tinha “medo” de acelerar com ele.

Deste modo, a morte de Diana teria sido causada por “um acúmulo de pequenos detalhes”, conforme observa na rádio belga RTL Pascal Rostain, um dos autores da investigação.

“É verdade que Henri-Paul, o motorista, tinha 1,82 gramas/litro de álcool no sangue. E é verdade que a Princesa nunca deveria ter entrado em um carro que era um destroço”, salienta o jornalista.

A causa do acidente foi atribuída ao excesso de velocidade do veículo que seguia a 150km/h, sabendo-se também que o motorista tomava antidepressivos e que tinha bebido antes da viagem fatal.

// ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Identificada a causa da maior extinção em massa na história da Terra

A vida na Terra tem uma história longa, mas também extremamente turbulenta. Em mais de uma ocasião, a maioria de todas as espécies foi extinta e uma biodiversidade já altamente desenvolvida reduziu para um mínimo …

Cães farejadores de covid: eficazes e baratos, mas esnobados

A Europa está em pânico em meio ao segundo surto de covid-19, com taxas de contágio explodindo e os PIBs despencando. A Bélgica acaba de anunciar que não mais testará cidadãos assintomáticos, mesmo que tenham …

Bolsonaro é avaliado positivamente por 37% da população, diz pesquisa

Entre os que souberam do dinheiro na cueca do senador Chico Rodrigues (52%), 74% não mudaram sua avaliação sobre o presidente Bolsonaro. Os que mais mudaram de opinião foram os pesquisados com ensino superior (26%) …

Tribunal Constitucional da Polônia invalida direito ao aborto por malformação do feto

O Tribunal Constitucional da Polônia invalidou nesta quinta-feira (22) uma disposição que permitia a interrupção voluntária da gravidez (IVG) em caso de malformação do feto. Uma vez que a decisão entre em vigor, apenas o …

Estudo descobre 1,8 bilhão de árvores no deserto do Saara e no Sahel

Um estudo publicado na revista Nature descobriu que na região do Saara Ocidental e no Sahel, há mais de um bilhão de árvores. No meio da aridez do local, a surpreendente descoberta colocou um novo …

Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas

A batalha mundial pelo domínio da alta tecnologia está cada vez mais centrada em EUA e China. Com confronto aberto no caso da Huawei, especialistas do clube Valdai alertam para uma longa guerra fria tecnológica …

Combate à corrupção reduz mortalidade infantil, aponta estudo

Auditorias anticorrupção realizadas em municípios brasileiros entre 2003 e 2015 reduziram a mortalidade infantil. Esta é a principal conclusão de um estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que relacionou o …

2.300 maneiras de prevenir o Covid-19 foram mapeadas por universidade brasileira

Está disponível online a Plataforma das Universidades contra COVID-19 organizada pelo Projeto Ciência Popular e desenvolvida em parceria com a Empresa Júnior de Sistemas de Informação da EACH/USP (Síntese Jr.). Em setembro havia sido publicado o …

Debate nos EUA: Trump não disse nada de novo para reverter vantagem de Biden, diz historiador

O segundo e último debate entre o presidente americano, Donald Trump, e seu rival democrata Joe Biden, nesta quinta-feira (22), em Nashville, foi mais civilizado do que a primeira confrontação entre os dois candidatos …

Mais humanos estão evoluindo para ter três artérias nos braços; entenda porquê

Não se engane ao achar que o corpo humano não está em constante evolução. Pesquisadores australianos descobriram recentemente que o nosso organismo parece estar, aos poucos, desenvolvendo uma nova artéria no braço: a artéria mediana. Esse …