Número de suicídios nos EUA aumentou depois da morte de Robin Williams

Chad J. McNeeley, U.S. Navy / Wikimedia

O ator Robin Williams

Uma nova pesquisa sugere que o número de suicídios nos Estados Unidos aumentou logo a seguir à morte do famoso ator norte-americano, em 2014.

De acordo com o estudo, publicado esta semana na revista científica PLOS One, nos cinco meses depois da morte de Robin Williams, em agosto de 2014, houve mais 10% de casos de suicídio nos EUA do que era esperado.

Os pesquisadores da Universidade de Columbia que analisaram os efeitos da morte do ator recolheram dados mensais de suicídios registrados pelo Centro de Controle de Doenças e Prevenção dos EUA (CDC) entre 1999 e dezembro de 2015, para verificar se houve alguma subida inesperada em um determinado período.

A equipe percebeu que 18.690 pessoas cometeram suicídio entre agosto e dezembro desse ano, quando eram esperados apenas 16.849 casos, com base nesta série histórica. Ou seja, houve 1.841 suicídios a mais do que o previsto.

O potencial risco de as pessoas copiarem o comportamento das celebridades que se suicidam já é conhecido das autoridades de saúde pública. Não é possível dizer com certeza se a morte do ator foi o que provocou o aumento, mas os fatos parecem ter alguma ligação.

Exposição excessiva na mídia

Especialistas dizem que a cobertura “irresponsável” de suicídios pela mídia pode ter grande influência no aumento de casos entre a população em geral.

Na época, várias organizações de apoio a pessoas com depressão alertaram para o grande número de reportagens que davam mais detalhes sobre a forma como o ator morreu, uma violação das diretrizes para a cobertura deste tipo de casos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e vários códigos de imprensa aconselham os órgãos de comunicação a não entrar em muitos detalhes sobre os métodos usados por pessoas que se suicidam. Os pesquisadores dizem que várias “evidências substanciais” mostram que a mídia violou essas regras.

Nas semanas que se seguiram à morte do ator, houve um “drástico” aumento nas referências a suicídio e morte em reportagens, bem como mais publicações em um fórum online sobre suicídio que foi controlado pelos cientistas.

David Fink, da Universidade de Columbia e um dos autores do estudo, diz que a pesquisa reforça a tese de que as taxas de suicídio aumentam quando uma celebridade o faz, especialmente quando a história é amplamente noticiada pela mídia.

“Quando as pessoas veem uma pessoa que conhecem, podem acabar se identificando com essa experiência. E adquirem a habilidade de agir. É aí que a imprensa entra“, diz Fink.

“Quanto mais pessoas ficarem sabendo de detalhes específicos, haverá, potencialmente, mais casos de identificação (com a decisão de se suicidar)”, acrescenta.

Os pesquisadores admitem que existe a possibilidade de outro evento ter influenciado o aumento nas taxas de suicídio, mas afirmam que é algo “improvável”.

A influência das celebridades

No ano passado, a Netflix inseriu mensagens de alerta na série “13 Reasons Why”, que aborda o tema do suicídio entre adolescentes, devido ao receio de que os espectadores mais jovens fossem influenciados pelo comportamento da personagem principal.

“O estudo traz sinais científicos de que a divulgação irresponsável ou a transmissão detalhada de cenas de suicídio podem ter um efeito devastador”, diz Lorna Fraser, do Samaritanos, uma ONG de aconselhamento sobre suicídio.

“No caso das celebridades, a possibilidade de alguém vulnerável fazer uma ligação afetiva e se identificar com a decisão é ainda maior. Em alguns casos, podem até interpretar a morte da celebridade como um sinal de que devem tirar a própria vida”.

A influência das celebridades – positivas ou negativas – não deve ser subestimada, diz Robert Music, diretor do Jo’s Cervical Cancer Trust, entidade de apoio a quem tem câncer do colo do útero.

Exemplo disso foi a morte da atriz britânica, Jade Goody, diagnosticada com esse tipo de câncer em 2009, que levou 400 mil mulheres a mais do que era esperado a fazerem exames para detectar se tinham o mesmo problema. Goody falou publicamente sobre a doença e a importância dos exames de prevenção.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA:

Pessoas criativas têm 90% mais de probabilidade de ter esquizofrenia

Um grupo de cientistas da Universidade de Cambridge encontrou uma forte ligação entre formação em artes e o transtorno bipolar, depressão e esquizofrenia. Um estudo publicado no fim de abril no British Journal of Psychiatry aponta para uma forte ligação entre uma formação …

Psicólogo cria técnica para despertar a memória das testemunhas e vítimas de crimes

Um pesquisador da Universidade do Minho, no norte de Portugal, criou uma técnica para ajudar as testemunhas a recordarem com maior precisão o que aconteceu no local do crime. A eficácia da técnica já foi …

Familiares das vítimas do voo MH17 levam Rússia a tribunal

Nesta sexta-feira (25), cerca de 270 familiares de vítimas da queda do avião da Malaysia Airlines (MH17), anunciou que vai levar a Rússia perante o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em Estrasburgo (França). Jerry Skinner, o advogado especialista …

Brasil precisa dobrar investimento por 25 anos para ter infraestrutura de transporte com "mínimo de qualidade"

O brasileiro paga caro por energia elétrica, por uma banda larga de baixa qualidade, tem acesso precário a saneamento e um sistema de transportes insuficiente para conectar um território de dimensões continentais. A deficiência de infraestrutura …

Trump muda de ideia e retoma o “romance” com Kim Jong-un

Donald Trump diz que, afinal, a cúpula com o líder da Coreia do Norte ainda pode acontecer. Depois de ter cancelado abruptamente o encontro com Kim Jong-un, que estava previsto para 12 de junho, o …

Abastecido por balsas, Amapá passa à margem da crise dos combustíveis

Com praticamente todo o abastecimento de combustíveis feito por balsas, o estado do Amapá é das poucas unidades da federação que, até o momento, não sentiu o impacto direto da paralisação nacional dos caminhoneiros. “Temos recebido …

Japão tem bolsas de estudo para brasileiros

Quer estudar no Japão? O país oriental está com seis tipos de bolsas de estudo abertas para brasileiros em universidades japonesas. A oferta é do governo nipônico através do Ministério da Educação, Cultura, Esporte, Ciência …

Votação histórica na Irlanda acaba com a proibição do aborto

A Irlanda está pronta para acabar com a proibição do aborto. Estudos de boca de urna dão vantagem de 68% para 32% aos que votaram pela despenalização.  Esta é uma votação histórica na católica Irlanda. O país …

Ministro da Fazenda: greve dos caminhoneiros pode ter impacto relevante no PIB

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou nesta sexta-feira (25) que, a persistir o desabastecimento causado pela greve dos caminhoneiros, pode haver impacto "relevante" no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma …

Descoberto o método mais eficaz para abandonar o cigarro

O novo estudo tentou desafiar a teoria de que os cigarros eletrônicos são a melhor solução para quem pretende parar de fumar. Segundo o Washington Post, apesar de os cigarros eletrônicos serem fervorosamente defendidos, a verdade …