Olimpíada em Tóquio tem covid em alta, escândalo e atleta que sumiu em busca de trabalho

Diversos participantes e organizadores da Olimpíada de Tóquio, que começa nessa sexta-feira (23/7), já classificaram esta edição do evento como particularmente difícil e desafiadora.

Um dos motivos é óbvio: ela acontece em meio à pandemia de coronavírus, que causou o adiamento do evento em 2020 e já tirou a vida de mais de 4 milhões de pessoas em todo o mundo.

Mas, como toda edição, esta Olimpíada já tem em seus bastidores confusões que não necessariamente têm a ver com a prática de esportes em si — como o sumiço de um atleta ugandês e acusações contra um artista que participaria da cerimônia de abertura.

A poucos dias do evento, vamos a alguns percalços com os quais a organização da Olimpíada já precisou lidar.

Covid-19 na vila olímpica

O porta-voz do comitê organizador do evento Masa Takaya afirmou nesta segunda-feira (19/7) que há 61 casos confirmados de covid-19 de pessoas credenciadas ao evento.

Takaya especificou que, destas, 28 eram pessoas vindas do exterior, e 33 de residentes no Japão.

“Sobre os 28 casos, precisamos considerar as 22 mil pessoas chegando ao Japão. Olhando para a taxa de casos positivos, ela é próxima a 0,1%”, apontou, defendendo que o número é relativamente baixo.

Os primeiros casos de atletas com covid-19 na vila olímpica foram confirmados no fim de semana: Thabiso Monyane e Kamohelo Mahlatsi, jogadores de futebol da África do Sul. Mario Masha, analista de vídeo da equipe, também testou positivo.

Eles e outros membros da equipe com quem tiveram contato estão confinados em seus quartos, tendo alimentação entregue na porta e a rotina diária de testagem por meio do método PCR.

Na segunda-feira (19/7), o comitê tcheco também confirmou que o atleta Ondrej Perusic, do vôlei de praia, testou positivo na vila olímpica. Depois, o comitê dos Estados Unidos afirmou que uma ginasta da equipe reserva testou positivo em um centro de treinamento na cidade de Inzai.

Há preocupação também com a situação de Tóquio, sede do evento, cidade em que a média diária de novos casos ficou acima de 1.000 por quatro dias consecutivos. Especialistas estimam que o controle sanitário do evento ocorreria apenas em um cenário com este número abaixo de 100.

Diversas pesquisas de opinião mostraram que os japoneses se opõem à realização do evento durante a pandemia, e marcas patrocinadoras estão sofrendo os efeitos disso.

Uma delas, a Toyota, anunciou que seus executivos não irão à cerimônia de abertura na sexta-feira — que já não teria público, apenas poucos convidados — e que a publicidade relacionada ao evento não será veiculada no Japão.

Entretanto, para Brian McCloskey, que fez a consultoria das medidas de controle sanitário desta Olimpíada, os casos positivos são poucos e mostram que os riscos de transmissão do vírus no evento são mínimos.

“O que estamos vendo é o que esperávamos”, diz McCloskey, especialista em planos de emergência e líder da operação na Olimpíada de Londres de 2012.

“Se achássemos que todos os testes realizados dariam negativo, simplesmente não nos importaríamos em fazer os testes. Realizamos os testes porque eles são uma forma de filtrar as pessoas que podem estar desenvolvendo uma infecção e que podem se tornar um risco mais tarde.”

Sumiço de atleta e saída de compositor

Enquanto há dúvidas sobre a presença de atletas infectados nos jogos, a organização está lidando com um desfalque inusitado: a do atleta de Uganda Julius Sekitoleko, que sumiu na semana passada.

Segundo a agência de notícias japonesa Kyodo News, Sekitoleko deixou um bilhete no seu hotel afirmando querer “trabalhar no Japão” pois a vida no seu país é muito difícil, e depois desapareceu.

Atleta de levantamento de peso, Sekitoleko estava treinando desde junho em Izumisano, mas não conseguiu se qualificar — e por isso, deveria voltar para Uganda em 20 de julho.

O sumiço foi confirmado pelo comitê olímpico ugandês: “Durante nossas instruções rotineiras à equipe em Uganda e no Japão enfatizamos a necessidade de respeitar as regras de imigração do Japão e de não deixar o local de treinamento sem autorização.”

“Nossa equipe em Izumisano está cooperando com as autoridades de Osaka para tentar localizar Sekitoleko.”

Outro desfalque será a de uma composição musical de cerca de quatro minutos que seria apresentada na cerimônia de abertura dos jogos. Seu autor, o artista Keigo Oyamada, 52 anos, renunciou ao seu cargo na equipe criativa do evento após emergirem acusações de que ele fazia bullying com colegas da escola que tinham deficiências.

Antigas entrevistas em que Oyamada se gabava do bullying e dizia não se arrepender causaram revolta nas redes sociais.

“Fiquei ciente, de forma dolorosa, de que o convite para minha participação musical na Olimpíada e Paraolimpíada de Tóquio carecia de respeito por muitas pessoas”, disse Oyamada, também conhecido como Cornelius, em nota anunciando seu afastamento.

Ciberia // BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …