OMS contraria BioNTech e diz que segunda dose da vacina pode ser feita com “semanas de atraso”

Quem tem a palavra final? O laboratório alemão BioNTech, que, em parceria com a americana Pfizer, produziu a primeira vacina a ser aprovada contra a Covid-19, adverte para a queda na eficácia do produto caso a segunda dose não seja aplicada dentro do prazo sugerido. No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) garante que algumas semanas de atraso não prejudicariam o efeito da imunização.

A questão é de grande interesse na Europa, onde os calendários de vacinação estão em atraso em vários países. A Dinamarca e o Reino Unido anunciaram que, diante dos estoques limitados da vacina da Pfizer/BioNTech, o tempo entre a primeira e a segunda dose será estendido. Enquanto isso, França e Alemanha são alvo de críticas pela demora para administrar a primeira injeção do imunizante, criando especulações sobre o descumprimento do prazo para a aplicação seguinte.

O laboratório BioNTech foi taxativo: não há dados sobre a eficácia máxima do produto em prazos diferentes dos 21 dias de intervalo recomendado entre as duas doses. “O efeito e a segurança do imunizante não foram avaliados em outros calendários de dosagem”, ressalta uma porta-voz da empresa.

“Mesmo que testes demonstrem que existe uma proteção parcial a partir de 12 dias depois da primeira injeção, não há informações que demonstrem que essa proteção continue além de 21 dias”, adverte. Por isso, “acreditamos que uma segunda aplicação é necessária para se chegar à proteção máxima contra a doença”, reitera.

Prazo de 21 a 28 dias para a segunda dose

A OMS tem uma recomendação diferente para o produto da Pfizer/BioNTech. O Grupo Estratégico Consultativo de Especialistas (Sage, sigla em inglês) da organização afirma que, “em circunstâncias excepcionais”, a segunda aplicação do imunizante pode ser atrasada em “algumas semanas”.

Em coletiva de imprensa, Alejandro Cravioto, o presidente do Sage, declarou que a OMS recomenda que “as duas doses da vacina sejam aplicadas dentro de um prazo de 21 a 28 dias”. Mas, no caso de um contexto epidemiológico, onde há “dificuldades de abastecimento”, é preciso “aumentar a quantidade de pessoas que podem se beneficiar de uma primeira injeção”.

Durante a coletiva de imprensa, Kate O’Brien, diretora do departamento de imunização e vacinas da OMS, ressaltou, no entanto, que o intervalo entre a primeira e a segunda vacina não deve ultrapassar seis semanas.

Outras recomendações da OMS

O grupo de especialistas também divulgou uma série de recomendações para a utilização do imunizante da Pfizer/BioNTech, especialmente a aplicação da vacina somente em casos em que reações alérgicas graves ao produto, como choques anafiláticos, possam ser rapidamente tratados.

Em razão da falta de dados sobre os eventuais riscos para grávidas ou mulheres que estão amamentando, o Sage prefere, por enquanto, não fazer recomendações. Já se uma mulher que está amamentando faz parte de um grupo de risco, a OMS aconselha a vacinação sem interrupção do aleitamento.

Por enquanto, a organização julga desnecessária a vacinação de viajantes internacionais, a menos que eles façam parte de um grupo de alto risco.

Além disso, diante da pouca probabilidade de uma reinfecção sintomática em um curto espaço de tempo, os especialistas recomendam que pessoas que testaram positivo à doença recentemente retardem a imunização em seis meses após o diagnóstico.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

China consegue pousar veículo não tripulado em Marte

A China conseguiu neste sábado pousar um veículo autônomo não tripulado em Marte. A fase final da operação Tianwen-1 aconteceu sem falhas, informou a TV estatal chinesa, que transmitiu um programa especial chamado Alo …

Lewandowski permite que Pazuello fique em silêncio na CPI

Ex-ministro da Saúde será obrigado a comparecer ao depoimento, mas não precisará responder perguntas que possam incriminá-lo. No entanto, será obrigado a falar a verdade em fatos e questões relacionados a terceiros. O ministro do Supremo …

Como o coronavírus afeta o fígado

O SARS-CoV-2, vírus causador da covid-19, mudou completamente a cara do mundo que conhecíamos até então. Ele afetou praticamente todos os aspectos da vida cotidiana e causou mudanças substanciais nas ciências da saúde e, portanto, na …

'Síndrome de Havana': lesão cerebral atinge ao menos 130 diplomatas e oficiais americanos, dizem EUA

Diplomatas, agentes da CIA e oficiais de defesa dos EUA relataram sintomas graves da perturbação conhecida como "síndrome de Havana" nas últimas semanas. O elevado número de casos causa espanto. Nas últimas semanas, foram relatados mais …

RJ comunica 1º caso de raiva em cachorro em quase três décadas

Pela primeira vez desde 1995, o Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp) do Rio de Janeiro diagnosticou um caso de raiva animal. A descoberta parte do resultado de perícia no corpo de um cão morto …

O que dizem cientistas sobre isenção de máscaras para vacinados nos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (13/05) o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção na maioria das situações para pessoas que já foram completamente vacinadas contra a covid-19. Segundo a nova orientação do …

Putin: Rússia reagirá de maneira devida às ameaças perto de suas fronteiras

Durante reunião com membros do Conselho de Segurança da Rússia nesta sexta-feira (14), o presidente da Rússia pediu que lhe fosse reportado sobre o agravamento do conflito israelo-palestino, que toca diretamente os interesses de segurança …

Covid: 16 mil pessoas foram imunizadas com doses de vacina trocadas no Brasil

Um levantamento de dados da Folha de São Paulo com informações do DataSUS, base de dados do Ministério da Saúde, mostrou que pelo menos 16 mil pessoas receberam doses de vacinas diferentes em seu processo …

Covid-19: diretor do Butantan prevê vacinação lenta até setembro no Brasil

Como diretor do Instituto Butantan desde 2017, Dimas Covas sempre precisou aliar o conhecimento técnico e científico com as particularidades do mundo político que, na visão dele, não parecem seguir uma lógica. E essa necessidade se …

Escalada de violência entre israelitas e palestinianos já fez mais de 100 mortos

O conflito entre israelitas e palestinianos subiu de tom na madrugada de hoje, com o Exército israelita a bombardear a faixa de Gaza. Desde segunda-feira já morreram 119 palestinianos nestes ataques, entre eles 31 …