OMS contraria BioNTech e diz que segunda dose da vacina pode ser feita com “semanas de atraso”

Quem tem a palavra final? O laboratório alemão BioNTech, que, em parceria com a americana Pfizer, produziu a primeira vacina a ser aprovada contra a Covid-19, adverte para a queda na eficácia do produto caso a segunda dose não seja aplicada dentro do prazo sugerido. No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) garante que algumas semanas de atraso não prejudicariam o efeito da imunização.

A questão é de grande interesse na Europa, onde os calendários de vacinação estão em atraso em vários países. A Dinamarca e o Reino Unido anunciaram que, diante dos estoques limitados da vacina da Pfizer/BioNTech, o tempo entre a primeira e a segunda dose será estendido. Enquanto isso, França e Alemanha são alvo de críticas pela demora para administrar a primeira injeção do imunizante, criando especulações sobre o descumprimento do prazo para a aplicação seguinte.

O laboratório BioNTech foi taxativo: não há dados sobre a eficácia máxima do produto em prazos diferentes dos 21 dias de intervalo recomendado entre as duas doses. “O efeito e a segurança do imunizante não foram avaliados em outros calendários de dosagem”, ressalta uma porta-voz da empresa.

“Mesmo que testes demonstrem que existe uma proteção parcial a partir de 12 dias depois da primeira injeção, não há informações que demonstrem que essa proteção continue além de 21 dias”, adverte. Por isso, “acreditamos que uma segunda aplicação é necessária para se chegar à proteção máxima contra a doença”, reitera.

Prazo de 21 a 28 dias para a segunda dose

A OMS tem uma recomendação diferente para o produto da Pfizer/BioNTech. O Grupo Estratégico Consultativo de Especialistas (Sage, sigla em inglês) da organização afirma que, “em circunstâncias excepcionais”, a segunda aplicação do imunizante pode ser atrasada em “algumas semanas”.

Em coletiva de imprensa, Alejandro Cravioto, o presidente do Sage, declarou que a OMS recomenda que “as duas doses da vacina sejam aplicadas dentro de um prazo de 21 a 28 dias”. Mas, no caso de um contexto epidemiológico, onde há “dificuldades de abastecimento”, é preciso “aumentar a quantidade de pessoas que podem se beneficiar de uma primeira injeção”.

Durante a coletiva de imprensa, Kate O’Brien, diretora do departamento de imunização e vacinas da OMS, ressaltou, no entanto, que o intervalo entre a primeira e a segunda vacina não deve ultrapassar seis semanas.

Outras recomendações da OMS

O grupo de especialistas também divulgou uma série de recomendações para a utilização do imunizante da Pfizer/BioNTech, especialmente a aplicação da vacina somente em casos em que reações alérgicas graves ao produto, como choques anafiláticos, possam ser rapidamente tratados.

Em razão da falta de dados sobre os eventuais riscos para grávidas ou mulheres que estão amamentando, o Sage prefere, por enquanto, não fazer recomendações. Já se uma mulher que está amamentando faz parte de um grupo de risco, a OMS aconselha a vacinação sem interrupção do aleitamento.

Por enquanto, a organização julga desnecessária a vacinação de viajantes internacionais, a menos que eles façam parte de um grupo de alto risco.

Além disso, diante da pouca probabilidade de uma reinfecção sintomática em um curto espaço de tempo, os especialistas recomendam que pessoas que testaram positivo à doença recentemente retardem a imunização em seis meses após o diagnóstico.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …