Pandemia pode gerar décadas de atraso na escolaridade de meninas na América Latina, adverte ONG

A crise causada pela pandemia de Covid-19 pode retardar o progresso na educação de meninas na América Latina e no Caribe por várias décadas, alertou a organização humanitária Plan International nesra quinta-feira.

A quarentena decretada pelos governos de alguns países, como medida preventiva para impedir a expansão do novo coronavírus, “deixou 95% dos estudantes afastados dos serviços educacionais”, diz um comunicado da ONG.

As desigualdades de gênero tendem a se aprofundar na América Latina com a pandemia. Muitos pais perderam o emprego devido à crise econômica que se instalou paralelamente à crise sanitária, dificultando o pagamento dos estudos para meninas.

“Estima-se que a diferença de gênero em termos de acesso à educação deve aumentar, provocando um retrocesso de décadas e deixando para trás as conquistas já realizadas”, alertou a brasileira Janaina Hirata, especialista regional em Educação de Emergência da Plan International.

A América Latina tem mais de 100 mil mortes atribuídas à Covid-19 e 2,2 milhões de pessoas infectadas. As desigualdades sociais contribuem para esse quadro, além das políticas populistas.

O mais inquietante é que o pico da epidemia ainda não foi atingido na região, alertou a Organização Mundial da Saúde. Brasil, México, Peru e Chile são os países latino-americanos mais afetados, enquanto na América Central há uma “transmissão generalizada” do vírus, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde.

De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a recessão será mais aguda do que a estimada em abril, com uma contração do PIB regional de 9,4%, contra 4,2% previstos anteriormente. “As famílias viram sua renda diminuir, portanto, pais e mães não poderão pagar os custos dos estudos dos filhos ou deixarão as filhas sob os cuidados da casa e da família, fazendo as tarefas domésticas enquanto saem para trabalhar”, disse Hirata.

Os governos latino-americanos devem tomar medidas “urgentes” para garantir que as meninas “voltem para a escola”, acrescentou Hirata em comunicado divulgado pelo escritório da Plan International no Panamá. A ONG também teme que haja um aumento de gravidez na adolescência, violência sexual, casamento e união de menores durante a quarentena, dramas que podem ser exacerbados se as meninas deixarem de ir à escola.

A falta de acesso à educação “causará décadas de atraso às meninas e representará um risco para várias gerações”, insiste a ONG. Uma criança que não estuda “tem menos oportunidades e isso pode afetar as próximas gerações”, indicou a Plan International.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …