Pensamento crítico tende a diminuir a crença religiosa nas pessoas

JMJ Rio 2013 / Flickr

Algumas pessoas são mais religiosas do que outras. Isso é um fato incontestável. Quando tentamos explicar essa diferença na crença que alguns têm, frequentemente nos concentramos no papel da cultura ou da educação. Embora essas influências sejam importantes, novas pesquisas sugerem que nosso nível de crença religiosa também pode ter a ver com a intuição e o pensamento analítico.

Em 2011, Amitai Shenhav, David Rand e Joshua Greene, da Universidade de Harvard, publicaram um artigo que mostra que as pessoas que tendem a confiar em sua intuição são mais propensas a acreditar em Deus. Eles também mostraram que incentivar as pessoas a pensar intuitivamente aumentava a crença das pessoas em Deus.

Com base nessas descobertas, em um artigo recente publicado na revista Science, Will Gervais e Ara Norenzayan, da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, descobriram que encorajar as pessoas a pensar analiticamente reduz sua tendência a acreditar em Deus.

Pensamento analítico VS crença religiosa

A pesquisa de Gervais e Norenzayan baseia-se na ideia de que possuímos duas formas diferentes de pensar que são distintas, mas relacionadas. Compreender estas duas formas, muitas vezes referidas como Sistema 1 e Sistema 2, pode ser importante para entender nossa tendência para a fé religiosa.

O pensamento do Sistema 1 depende de atalhos e outras regras mais dependentes da experiência do que de comprovação científica, enquanto o Sistema 2 depende do pensamento analítico e tende a ser mais lento e requerer mais esforço. Resolver problemas lógicos e analíticos pode exigir que anulemos nossos processos de pensamento do Sistema 1 para utilizar o Sistema 2.

Os psicólogos desenvolveram uma série de técnicas inteligentes que nos encorajam a fazer isso. Usando algumas dessas técnicas, Gervais e Norenzayan examinaram se o Sistema 2 leva as pessoas a não acreditar em Deus e na religião.

Por exemplo, eles fizeram que os participantes visualizassem imagens de obras de arte que estão associadas ao pensamento reflexivo (como O Pensador, de Rodin) ou a imagens mais neutras (como o Discobulus, de Myron).

Os participantes que viram O Pensador relataram crenças religiosas mais fracas em uma pesquisa posterior. No entanto, Gervais e Norenzayan se perguntavam se mostrar arte às pessoas poderia ter tornado a conexão entre pensamento e religião muito óbvia.

Alguns dos participantes receberam frases misturadas contendo palavras associadas ao pensamento analítico (por exemplo, “análise”, “razão”) e outros participantes receberam frases que apresentavam palavras neutras (por exemplo, “martelo”, “sapatos”). Depois de decifrar as frases, os participantes preencheram uma pesquisa sobre suas crenças religiosas.

Em ambos os estudos, este sutil lembrete do pensamento analítico fez com que os participantes expressassem menos crença em Deus e religião. Os pesquisadores não encontraram relação entre as crenças religiosas anteriores dos participantes e seu desempenho no estudo. O pensamento analítico reduziu a crença religiosa, independentemente de quão religiosas as pessoas eram no início do teste.

Em um estudo final, Gervais e Norenzayan usaram uma maneira ainda mais sutil de ativar o pensamento analítico: fazendo com que os participantes preenchessem um questionário que medisse suas crenças religiosas impressa em uma fonte normal ou em uma fonte difícil de ler. Vários estudos anteriores mostraram que fontes difíceis de ler promovem o pensamento analítico, forçando os participantes a diminuírem o ritmo e a pensarem com mais atenção sobre o significado do que estão lendo.

Os pesquisadores descobriram que os participantes que preencheram a pesquisa que foi impressa em fontes pouco claras expressaram menos crença em comparação com aqueles que preencheram a mesma pesquisa com a fonte clara.

Diferenças no pensamento

Mas por que e como o pensamento analítico pode reduzir a crença religiosa? Embora sejam necessárias mais pesquisas para responder a esta pergunta, Gervais e Norenzayan dizem que o pensamento analítico pode inibir nossa intuição natural para acreditar em agentes sobrenaturais que influenciam o mundo ou pode simplesmente sobrepor nossa intuição para acreditar e nos fazer prestar menos atenção a ela.

Gervais e Norenzayan apontam que o pensamento analítico é apenas uma das razões porque as pessoas podem ou não ter crenças religiosas. Além disso, essas descobertas não dizem nada sobre o valor inerente ou a verdade das crenças religiosas – eles simplesmente falam sobre a psicologia de quando e porque somos propensos a acreditar.

Mais importante ainda, elas fornecem evidências de que, ao invés de serem estáticas, nossas crenças podem mudar drasticamente de uma situação para outra, sem que possamos saber exatamente por quê.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …