Primeiro meteoro interestelar conhecido pôde ter atingido Terra em 2014

Estudo publicado na revista Astrophysical Journal Letters traz informação intrigante: o primeiro meteoro a atingir a Terra a partir do espaço interestelar – e o segundo visitante interestelar conhecido – pode ter acabado de ser descoberto.

Avi Loeb, chefe do Departamento de Astronomia da Universidade de Harvard, e o autor principal da pesquisa, Amir Siraj, que estuda na universidade, sugerem ter possivelmente detectado um meteoro interestelar, que seria capaz de ajudar a transportar vida de um sistema planetário para outro.

O primeiro visitante interstelar, um objeto com a aparência de charuto e chamado Oumuamua, foi detectado em 2017. Cientistas deduziram a partir da velocidade e trajetória que o objeto interestelar de 400 metros de comprimento poderia ter vindo de outra estrela, entretanto Loeb propõe que outros objetos menores do espaço interstelar possam ter colidido com a Terra no passado.

Os pesquisadores analisaram o catálogo de queda de meteoros do Centro de Estudos de Objetos Próximos da Terra detectados com sensores do governo dos EUA, se concentrando nos meteoros mais rápidos, pois a alta velocidade sugere que o meteoro não está potencialmente amarrado ao campo gravitacional do Sol, podendo, assim, ser de fora do nosso Sistema Solar.

Um meteoro de quase um metro de largura foi detectado no dia 8 de janeiro de 2014, a 18,7 quilômetros de altitude sobre a ilha de Manus de Papua-Nova Guiné no Pacifico Sul. Pela velocidade do objeto, que estava passando a 216.000 km/h, e pela trajetória, cientistas propuseram que ele surgiu de fora do Sistema Solar em que vivemos.

“Nós podemos usar a atmosfera da Terra para detectar esses meteoros, que são pequenos demais para serem vistos de outra forma”, disse Loeb ao portal Space.com.

A velocidade do meteoro dá a entender que ele recebeu um impulso gravitacional durante a viagem, tendo vindo talvez do interior profundo de um sistema planetário ou de uma estrela do disco galáctico da Via Láctea.

“Podemos imaginar que se esses meteoros tiverem sido ejetados de uma zona habitável de uma estrela, eles seriam capazes de ajudar a transportar vida de um sistema planetário para outro”, notou Loeb.

Em análise de dados de um período de 30 anos, Siraj e Loeb notaram mais dois meteoros viajando na mesma velocidade, mas amarrados ao campo magnético gravitacional do Sol, dificultando, assim, a tarefa de saber se vieram ou não do espaço interstelar.

Os pesquisadores acrescentaram que a análise dos destroços gasosos dos meteoros interstelares, quando entram em combustão ao entrar na atmosfera terrestre, poderia esclarecer composição de objetos interestelares.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …