Primeiro meteoro interestelar conhecido pôde ter atingido Terra em 2014

Estudo publicado na revista Astrophysical Journal Letters traz informação intrigante: o primeiro meteoro a atingir a Terra a partir do espaço interestelar – e o segundo visitante interestelar conhecido – pode ter acabado de ser descoberto.

Avi Loeb, chefe do Departamento de Astronomia da Universidade de Harvard, e o autor principal da pesquisa, Amir Siraj, que estuda na universidade, sugerem ter possivelmente detectado um meteoro interestelar, que seria capaz de ajudar a transportar vida de um sistema planetário para outro.

O primeiro visitante interstelar, um objeto com a aparência de charuto e chamado Oumuamua, foi detectado em 2017. Cientistas deduziram a partir da velocidade e trajetória que o objeto interestelar de 400 metros de comprimento poderia ter vindo de outra estrela, entretanto Loeb propõe que outros objetos menores do espaço interstelar possam ter colidido com a Terra no passado.

Os pesquisadores analisaram o catálogo de queda de meteoros do Centro de Estudos de Objetos Próximos da Terra detectados com sensores do governo dos EUA, se concentrando nos meteoros mais rápidos, pois a alta velocidade sugere que o meteoro não está potencialmente amarrado ao campo gravitacional do Sol, podendo, assim, ser de fora do nosso Sistema Solar.

Um meteoro de quase um metro de largura foi detectado no dia 8 de janeiro de 2014, a 18,7 quilômetros de altitude sobre a ilha de Manus de Papua-Nova Guiné no Pacifico Sul. Pela velocidade do objeto, que estava passando a 216.000 km/h, e pela trajetória, cientistas propuseram que ele surgiu de fora do Sistema Solar em que vivemos.

“Nós podemos usar a atmosfera da Terra para detectar esses meteoros, que são pequenos demais para serem vistos de outra forma”, disse Loeb ao portal Space.com.

A velocidade do meteoro dá a entender que ele recebeu um impulso gravitacional durante a viagem, tendo vindo talvez do interior profundo de um sistema planetário ou de uma estrela do disco galáctico da Via Láctea.

“Podemos imaginar que se esses meteoros tiverem sido ejetados de uma zona habitável de uma estrela, eles seriam capazes de ajudar a transportar vida de um sistema planetário para outro”, notou Loeb.

Em análise de dados de um período de 30 anos, Siraj e Loeb notaram mais dois meteoros viajando na mesma velocidade, mas amarrados ao campo magnético gravitacional do Sol, dificultando, assim, a tarefa de saber se vieram ou não do espaço interstelar.

Os pesquisadores acrescentaram que a análise dos destroços gasosos dos meteoros interstelares, quando entram em combustão ao entrar na atmosfera terrestre, poderia esclarecer composição de objetos interestelares.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …

Ministro da Saúde diz que não há mudança de estratégia para a Coronavac

No início desta segunda-feira (21), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, revelou que não haverá qualquer mudança de estratégia para a aplicação da CoronaVac. A declaração do ministro foi feita em audiência ao Senado Federal, revelando …

Há 80 anos, Hitler invadia a URSS – e começava a perder a guerra

Adolf Hitler e seus generais vinham planejando há meses para este momento. No domingo, 22 de junho de 1941, havia chegado a hora: às 3h15 da manhã, a Wehrmacht, forças armadas nazistas, atacou a União …

Com apenas 2% da população imunizada, África quer fabricar suas próprias vacinas anticovid

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira a primeira etapa para capacitar seu continente na produção de vacinas anticovid. A conclusão do projeto ainda não tem data prevista, mas a iniciativa já é vista …

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …