Processo contra o Google nos EUA pode afetar o modo como você usa seu celular

Na última terça-feira (23), o Departamento de Justiça dos EUA entregou um “presente de Halloween” pouco agradável ao Google: um gigantesco processo antitruste, acusando a empresa de práticas que eliminam a competição nos mercados de busca e publicidade e que prejudicariam os consumidores, já que eles não teriam alternativas e ainda seriam privados da inovação que a concorrência pode trazer.

O Google, claro, não ficou calado. Em um post em seu blog oficial, a empresa afirma que a ação judicial do Departamento de Justiça dos Estados Unidos é “profundamente falha”. Segundo a Big Tech, “as pessoas usam o Google porque escolhem fazê-lo, não porque são forçadas ou, porque não conseguem encontrar alternativas”. Além disso, o Google diz que o governo norte-americano apoia-se em argumentos antitruste duvidosos para criticar seus esforços de tornar a Busca disponível de modo mais fácil para as pessoas.

Mas, em última análise, essa disputa pode atingir a nós, usuários de smartphones de alguma forma? Spoiler: SIM!

No entanto, nada mudará para os consumidores no curto prazo. Os casos antitruste demoram anos e anos para avançar e gerar algum resultado. Tome como exemplo a Microsoft, sofreu uma ação semelhante da Justiça americana por causa de práticas anticompetitivas com o seu antigo navegador, o Internet Explorer. E a coisa toda rolou durante 13 anos até um acordo final entre as partes.

O fato é que antes do processo parar em um tribunal, o Google e o Departamento de Justiça se sentarão à mesa para tentarem chegar a um acordo e só essa etapa em si leva um bom tempo. Mas, caso as duas partes não se entendam, aí sim o caso vai parar na corte. E para que saia um resultado, a coisa toda levará anos e anos, principalmente por cauda das apelações que os dois lados usarão, caso não concordem com a decisão do juiz.

Mas caso o juiz emita uma decisão que force o Google a mudar suas práticas de negócios, ela impactará tanto os bilhões de usuários Android e outros serviços da “Big G’, quanto outras bilhões de pessoas que usam serviços concorrentes. Inclusive, o caso pode alterar a quantidade de dados que as pessoas fornecem ao Google ou afetar os aplicativos que vêm instalados nos telefones. Veja como isso pode acontecer:

Os contratos do Google

No cerne do caso aberto pelo Departamento de Justiça estão os contratos do Google com outras empresas, que definem o seu mecanismo de busca como a opção padrão em aparelhos como iPhones e os smartphones da Samsung. É um negócio dos bons e o Google paga bilhões de dólares por ano para garantir que o seu recurso de pesquisas seja o centro das atenções. Isso significa que a empresa está no controle do que as pessoas veem sempre que pesquisam por itens em seus telefones.

A reclamação do Departamento de Justiça foca especificamente no acordo do Google com a Apple. O primeiro paga à segunda de US$ 8 bilhões a US$ 12 bilhões em receita publicitária por ano para manter o seu mecanismo de busca como padrão.

É uma prioridade para ambas as empresas. O processo afirma que, em 2018, o CEO do Google, Sundar Pichai, e o CEO da Apple, Tim Cook, se reuniram para discutir como eles poderiam trabalhar juntos para gerar receita. Após a reunião, um funcionário da Apple teria escrito a um funcionário do Google: “Nossa visão é que trabalhemos como se fôssemos uma única empresa”.

O acordo é uma é muito bem-vindo para ambas as big techs: o processo diz que ele é responsável por 15% a 20% dos lucros anuais da Apple. Também afirma que quase metade do tráfego de busca do Google no ano passado veio de dispositivos com iOS O negócio é tão importante que caso o Google o perca, ele ativaria um cenário chamado de “Código Vermelho”, de acordo com a ação do Departamento de Justiça. Ou seja, a coisa ficaria bem preocupante para a gigante das buscas.

O preço dos smartphones

De acordo com o site CNET, em uma teleconferência realizada nessa semana, o Google argumentou que o acordo com a Apple ajuda a manter os preços dos telefones baixos.

A empresa disse que seus pagamentos à Maçã são parte do que ajuda a fabricante do iPhone a entrar no segmento inferior do mercado, algo que a Apple fez ao adicionar o iPhone SE, modelo de baixo custo, à sua linha.

Se a Apple não receber mais essa receita, analisa o Google, ela poderá repassar os custos junto aos consumidores, o que significa preços mais altos. O Google também argumenta que reduziu o preço de outros dispositivos ao fornecer seu sistema operacional móvel Android gratuitamente aos fabricantes de telefones.

Em entrevista a mesma CNET, Avi Greengart, analista-chefe da empresa de pesquisas Techsponential, diz que o argumento do Google faria sentido se fosse aplicado a qualquer fabricante de smartphones. No entanto, o Google estende a lógica ao falar apenas sobre o iPhone que, mesmo em sua versão mais “popular”, não é dos mais baratos se comparado a seus rivais na mesma categoria.

“A Apple não precisa obter esse dinheiro do Google. Ela poderia obter essa receita de outro pretendente, como a Microsoft , diz Greengart. “Não está claro para mim que os preços dos telefones subam [caso o Google perca o processo antitruste contra o governo dos EUA]”.

A Microsoft – que, como dissemos antes, foi alvo do Departamento de Justiça dos EUA, duas décadas antes do Google – torna o Bing, o concorrente de busca mais próximo do Google, embora esteja em um equidistante segundo lugar. O Bing detém 7% do mercado dos Estados Unidos, muito atrás dos 88% do Google.

A Microsoft também paga à Apple para ter o Bing em destaque nos dispositivos Apple, mas sem a mesma efetividade em termos de tráfego.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pela primeira vez, Trump admite deixar a Casa Branca

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou pela primeira vez que deixará a Casa Branca caso o Colégio Eleitoral vote no democrata Joe Biden, embora mantenha sua tese de que houve fraude na eleição …

Mutação da Covid-19: Premiê da Dinamarca chora e se desculpa por massacre de visons

A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen, 43 anos, se desculpou pessoalmente nesta quinta-feira por sua gestão da pandemia. Enxugando as lágrimas, ela reconheceu que seu governo errou ao determinar o massacre de milhares de …

Herdeira da Disney diz que "tinha vergonha do sobrenome" ao falar de doação milionária

Abigail Edna Disney cresceu com muita vergonha do sobrenome que ostentava. Desde pequena, mais precisamente depois que completou dez anos, percebeu que o tamanho do patrimônio da família não condizia com a realidade da maioria …

Arqueólogos revelam restos mortais de cachorro de 8.400 anos descoberto na Suécia

Após vários meses de meticulosos trabalhos de escavação, foram finalmente revelados os restos mortais de um cachorro, de uma raça há muito tempo desaparecida, enterrado há mais de 8.400 anos na Suécia ao lado de …

“Cogumelos mágicos” são 4x melhores do que antidepressivos, descobre estudo

Quando a psilocibina, a molécula psicodélica descoberta nos cogumelos mágicos (Psilocybe cubensis), é usada durante a psicoterapia, parece possuir efeitos antidepressivos rápidos, substanciais e duradouros contra a depressão maior, de acordo com um novo ensaio …

Sem Trump, Putin e Bolsonaro ensaiam aproximação

Moscou sabe que a troca de poder na Casa Branca abre brecha na política externa brasileira. O elogio do presidente russo às "qualidades masculinas" de Bolsonaro pode ser apenas o primeiro sinal de uma aproximação. "O …

Crimes por preconceito de cor, raça ou orientação sexual podem ter punição maior

Projeto passa no Senado e vai à Câmara, mas falta definir tamanho da pena. Proposta entrou na pauta a pedido de Paulo Paim para "dar uma resposta" ao assassinato de João Alberto Silveira Freitas. Falta a …

Vacinação contra a Covid-19 será obrigatória em voos da companhia aérea australiana Qantas

A vacina contra a Covid-19 ainda não está pronta, mas as companhias aéreas já começam a se preparar. É o caso da australiana Qantas, que anunciou a futura exigência de um certificado de vacinação …

Galinhas substituem agrotóxicos em ação contra veneno na agricultura

A presença de insetos é uma frequente preocupação para agricultores. Os animais são capazes de prejudicar plantações e, para evitá-los, é comum que fazendeiros recorram a pesticidas. A utilização de produtos químicos, no entanto, é nociva …

França aprova projeto de lei que prevê punir filmagem de policiais em ação

Deputados franceses aprovaram nesta terça-feira (24), em primeira leitura, o polêmico projeto de lei sobre a "segurança global", que prevê punir a gravação e divulgação de policiais em ação. O texto será votado pelo …