Produção de petróleo pode ser afetada por semanas depois de ataque a refinarias sauditas

A produção de petróleo saudita foi reduzida pela metade e pode demorar semanas para ser normalizada depois dos ataques deste sábado (14), que atingiram duas instalações estratégicas da companhia nacional de petróleo Aramco.

As explosões foram provocadas por drones teleguiados enviados pelos rebeldes hutis, do Iêmen, e geraram incêndios nas refinarias em Abqaiq, a maior usina de processamento de bruto do mundo, e Khurais. Os locais bombardeados ficam a mais de 1.000 quilômetros da região do noroeste do país que estão sob controle dos hutis.

Dentro de 48 horas, a Aramco deve reavaliar a situação. De acordo com o ministro da Energia, o príncipe Abdoulaziz ben Salman, cerca de 5,7 milhões de barris produzidos diariamente foram afetados pela interrupção parcial. Isso representa metade da produção saudita, ou 5% do comércio mundial do petróleo.

Os ataques foram reivindicados pelos rebeldes iemenitas hutis, que apoiam o Irã e são alvo de ofensivas militares da Arábia Saudita e de outros aliados sunitas, desde 2015. Em um contexto de tensões no Golfo, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, acusou o Irã de ter organizado os ataques.

O governo iraniano reagiu, acusando Washington der buscar pretextos para desencadear uma guerra. “Os Estados Unidos perderam força no Iêmen acreditando que a superioridade militar conduz à vitória. Acusar o Irã não colocará um fim a esse desastre“, disse o chefe da diplomacia iraniana, Mohammad Java.

Em entrevista à RFI, o analista francês Pierre Terzian, diretor da revista Petrostratégie, disse que a grande novidade é que agora os sauditas estão diretamente na mira dos iemenitas. “Quando os Estados Unidos se retiraram do acordo nuclear iraniano todos os olhares se voltaram para o estreito de Ormuz”, diz.

“A questão era se os iranianos tentariam bloquear o estreito de Ormuz se suas exportações de petróleo caíssem demais. Mas os ataques iemenistas agora envolvem diretamente as instalações da Arábia Saudita”, analisa. “É uma guerra descentralizada, onde potências como os Estados Unidos e outras da região, como a Arábia Saudita, estão sendo pegas desprevenidas”, conclui.

Segundo ele, os ataques devem afetar a exportações, mas os sauditas têm 200 milhões de barris em estoque e podem utilizá-los durante 33 dias. Usar esse petróleo, entretanto, é arriscado, “porque é necessário ter uma margem para dar continuidade às operações”, ressalta Terzian. A França condenou os ataques, “que agravam as tensões e os riscos de conflito na região”, reafirmando sua solidariedade à Árabia Saudita.

Por conta das explosões, a bolsa de Ryad abriu em baixa de 2,3% neste domingo, mas já reduziu uma parte de suas perdas. Os analistas esperam que o preço do petróleo cresça entre US$ 3 e US$ 5 na abertura da bolsa de valores.

// RFI BR

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

'Ela tinha medo do coronavírus': exame confirma que mulher morreu por covid-19 após festa

Um exame confirmou que a aposentada Maria Salete Vieira, de 60 anos, morreu em decorrência da covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Ela começou a apresentar sintomas dias após participar de uma festa em família …

Solução? Cientistas criam vírus que poderia ser capaz de combater a COVID-19

Cientistas dos EUA realizam experimentos com ratos infectados com o coronavírus MERS que permitiriam obter solução eficiente no combate à COVID-19. Até o momento não existe uma vacina que possa proteger as pessoas de infecções provocadas …

Bernie Sanders desiste de concorrer à presidência dos EUA

Senador abandona disputa pela indicação democrata à Casa Branca após série de derrotas nas primárias. Decisão abre caminho para que o ex-vice-presidente Joe Biden seja adversário de Trump nas eleições de novembro. O senador Bernie Sanders …

Antártida: geleira está se tornando o cânion mais profundo do mundo e isso é péssimo

Recentemente cientistas anunciaram a descoberta de algo absolutamente desconhecido e sem precedentes: um cânion de gelo com 3,5 quilômetros abaixo do nível do mar, confirmado como nada menos que o ponto mais profundo da superfície …

OMC prevê cenário sombrio para o comércio global e Brasil será bastante atingido

Sob o impacto da pandemia do novo coronavírus, a Organização Mundial de Comércio (OMC) prevê um cenário sombrio para o comércio global este ano. A expectativa é de uma queda vertiginosa que pode chegar …

COVID-19 deve ter pico no Brasil em abril e maio, dizem Mandetta e especialistas

A previsão de disseminação do novo coronavírus (SARS-CoV-2) no país não é nada animadora para os próximos meses. Isso porque ainda estamos em uma fase intermediária da infecção, que deve ter seus momentos de pico em …

Esse novo tratamento alivia a depressão em 90% dos pacientes

De acordo com uma nova pesquisa americana, um tratamento com estimulação magnética transcraniana pode ser muito eficaz para pessoas com depressão severa: em um experimento, foi capaz de aliviar os sintomas em 90% dos pacientes. Normalmente, …

Israel: ministro que definiu Covid-19 como ‘castigo divino a gays’ está com coronavírus

Aos 71 anos, Yaakov Litzman, ministro da Saúde de Israel e também líder do partido ultra-ortodoxo “Judaísmo Unido da Torá”, testou positivo para Covid-19. O diagnóstico foi divulgado nesta terça-feira (7) pela imprensa local e chamou …

Saúde de Boris Johnson preocupa britânicos, mas governo garante que premiê passa bem

O Reino Unido acompanha com preocupação a degradação do estado de saúde do primeiro-ministro Boris Johnson, que anunciou publicamente ter sido contaminado pelo novo coronavírus há dez dias. Depois de ser hospitalizado no domingo (5), …

Cortes na ciência comprometem resposta à covid-19 no Brasil

A fila de 16 mil testes para covid-19 no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, expõe a vulnerabilidade de um país que escolheu não investir em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) nos últimos anos. A …