EUA e Reino Unido continuam vendendo armas à Arábia Saudita apesar de crimes de guerra

Os EUA e o Reino Unido mantêm “relações confortáveis” com a Arábia Saudita que são incompatíveis com os valores de respeito pelos direitos humanos que eles alegam promover, disse o ativista pelos direitos humanos Peter Tatchell.

Na semana passada, a polícia da Grã-Bretanha começou investigando as alegações sobre crimes cometidos pela Arábia Saudita no Iêmen.

A unidade da Polícia Metropolitana SO15, que costuma investigar crimes da guerra cometidos na Segunda Guerra Mundial, agora virou sua atenção para a Arábia Saudita, comunica à Sputnik Internacional o ativista Peter Tatchell que ao mesmo tempo é o autor de uma petição para parar o fornecimento de armas à Arábia Saudita.

“Foi feito um pedido para investigar as alegações que o major-general saudita Ahmed Al-Aziri é diretamente responsável pelos crimes de guerra cometidos pela Arábia Saudita no Iêmen”, disse.

“[Os crimes] incluem bombardeios indiscriminados de aéreas civis e uso de bombas de fragmentação. Assim, em evidência prima facie, a Arábia Saudita teria alegadamente cometido estes crimes, por isso é correto e adequado que a polícia metropolitana esteja investigando o caso”, disse.

Se a polícia iniciar o processo criminal, eles terão de reconstruir a cadeia de comando que realizou os ataques aéreos contra civis no Iêmen e esclarecer quem autorizou o ataque.

“Depois eles vão esclarecer se a pessoa que ordenou os ataques em questão foi autorizada pelo ministro da Defesa saudita. Eles podem esclarecer a sucessão de ordens, revelar a documentação e evidências para ver se estes três graus diferentes foram instrumentos fundamentais desse crime de guerra, e então, em teoria, a polícia poderia emitir mandados de prisão internacionais contra os funcionários correspondentes”, disse Tatchell.

A unidade da Polícia Metropolitana SO15 está realizando “os exercícios de definição” em relação às alegações na véspera da visita da premiê britânica Theresa May para países do Oriente Médio, incluindo a Arábia Saudita, para reforçar as relações comerciais e na área de segurança.

A Arábia Saudita é o maior parceiro comercial do Reino Unido no Oriente Médio e seu maior comprador de armas. Entre abril de 2015 e março de 2016, depois do início da campanha de bombardeios pela Arábia Saudita no Iêmen, o governo da Grã-Bretanha aprovou um acordo de exportação de armas para os sauditas no valor de £ 3,3 bilhões (R$ 12,8 bilhões).

“Sem dúvida que [a possível investigação policial] é um enorme embaraço para Theresa May e para os sauditas. Eles gostariam que tudo isso desaparecesse e nós, como defensores de direitos humanos, sustentamos que a diplomacia e a política real não devem ignorar as preocupações com os direitos humanos.”

“É muito, muito importante cumprir as nossas obrigações na área dos direitos humanos. Assim, o fato de a Grã-Bretanha e os EUA terem relações tão estreitas com a Arábia Saudita é verdadeiramente chocante”, disse o ativista.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …