Provas de lendário urso polar gigante são descobertas no Alaska

Uma equipe de arqueólogos encontrou um crânio de um urso polar gigante, no Alaska, que pode pertencer a uma nova sub-espécie, desconhecida até agora, e dar forma a relatos dos povos nativos quanto a uma lenda antiga.

Este é o quarto maior crânio de urso polar já encontrado até agora, conta o Western Digs, destacando que foi descoberto em Walakpa, um local arqueológico situado na zona mais remota do norte do Alaska.

Encontrado após uma tempestade, o crânio teria cerca de 1300 anos, conforme demonstra a datação por radio-carbono, e mede cerca de 41 centímetros, desde a ponta do nariz até a parte de trás, revelando uma forma estranhamente alongada que o diferencia dos crânios dos ursos polares comuns.

Anne Jensen et al.

Crânio de um urso polar gigante encontrado no Alaska

Crânio de um urso polar gigante encontrado no Alaska

“Não sabemos o tamanho exato, mas sabemos que era um grande urso“, diz ao Western Digs a arqueóloga Anne Jensen, que estuda a zona de Walapka há vários anos.

A pesquisadora salienta que se trata de um “adulto” que pode pertencer a uma sub-espécie de ursos polares desconhecida até agora, mas ainda viva. Apesar de poder ter passado despercebido aos cientistas, este urso polar gigante poderia conviver há milhares de anos com os povos indígenas do Ártico, salienta Jensen.

Os descendentes dos nativos da zona falam de lendas contadas pelos antepassados sobre “ursos reis” ou “ursos doninhas” que teriam quase 5 metros de comprimento – um tamanho impressionante quando os atuais ursos polares medem entre pouco mais de um metro a 2 metros.

A zona de Walakpa foi habitada pela chamada cultura Birnirk, há cerca de 1400 anos.

O crânio dataria do período entre os anos de 670 a 800, salienta a Canada International, que destaca que estamos perante “o mais velho e completo crânio de urso polar encontrado no Alaska”. A ideia justifica o fato de ter sido batizado como “The Old One” (“O Velho”).

“Um arquivo de tecido congelado”

Descoberto casualmente em 2014, graças a uma tempestade que o desenterrou do solo congelado, as condições climatéricas difíceis e a falta de fundos foram adiando as pesquisas no terreno.

Anne Jensen e a sua equipa só em 2016 conseguiram ir ao local investigar e depararam-se com “um arquivo de tecido congelado”, com informações que podem “preencher com detalhes” como era a vida no Ártico há milhares de anos, explica a arqueóloga.

Agora são necessários mais estudos de DNA para “entender como culturas passadas funcionavam em um ambiente muito difícil”, destaca a pesquisadora.

Mas a pesquisa se encontra ameaçada pelas condições climáticas e pela falta de dinheiro para explorar o local com a precisão e a pressa necessárias, para evitar a deterioração dos artefatos arqueológicos que poderão ser encontrados.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

China faz história: pela primeira vez, nasce uma semente de algodão na Lua

A missão espacial chinesa conseguiu fazer brotar uma semente de algodão na Lua, informou nesta terça-feira (15) a imprensa estatal, em um feito inédito, alcançado pelo Chang'e 4, a primeira sonda a pousar no lado …

Submarinos russos serão equipados com “torpedos do Juízo Final”

Os submarinos das frotas do Norte e do Pacífico da Marinha russa deverão brevemente contar com 32 drones nucleares Poseidon, conhecidos como “torpedos do Juízo Final”, capazes de destruir completamente cidades costeiras. Segundo revela o portal Russkoe …

Universidade egípcia expulsa aluna por abraçar o noivo (fora do campus)

A aluna abraçou o noivo quando o rapaz a pediu em casamento, mas o gesto, que não aconteceu no interior do campus, foi o suficiente para a jovem ser expulsa pela universidade. A universidade egípcia de Al …

Escultura “McJesus” provoca protestos em Israel

Uma escultura representando a figura de Ronald McDonald (da cadeia de fast food McDonald’s) crucificado, em uma exposição de arte em Israel, está provocando protestos da minoria cristã árabe no país. Centenas de cristãos árabes pediram …

Há uma espiral misteriosa na atmosfera de Vênus

A nave espacial não tripulada Akatsuki, do Japão, encontrou gigantescas estruturas espirais na atmosfera de Vênus, formadas por ventos polares e pela rápida rotação do planeta. A atmosfera de Vênus ganha atenção de astrônomos há quase …

Tem “barriga de cerveja”? Seu cérebro pode estar encolhendo

Uma equipe de pesquisadores britânicos concluiu que quem acumula mais gordura na zona do abdômen apresenta uma maior probabilidade de redução do cérebro e de aparecimento de demência. Com a linha da cintura em expansão, surgem …

Até os antigos egípcios faziam tarefa de casa

Uma tarefa de casa, escrita por uma criança do Antigo Egito, ficou preservada desde o segundo século a.C. – e as palavras podem parecer familiares até nos dias de hoje. Uma lição antiga preservada em uma …

Dinamarca avança com plano ambicioso de criar 9 ilhas na costa de Copenhague

O governo dinamarquês e a prefeitura de Copenhague, em conjunto com um gabinete de arquitectura e planejamento urbano, vão avançar com um ambicioso plano de criar nove ilhas na costa da capital do país. Um grandioso …

(cv) Euronews

Submarino alemão da Primeira Guerra Mundial aparece na costa da França

Os destroços de um submarino alemão da Primeira Guerra Mundial emergiram em uma praia de Wissant, no norte da França. Há décadas enterrada na areia, a carcaça enferrujada da embarcação naufragada em 1917 agora pode …

Não somos só o que comemos, “somos o que vemos” no dia a dia

No que diz respeito à saúde física, somos o que comemos. Mas e quanto à saúde mental? Segundo o médico David Fryburg, endocrinologista, somos o que vemos. Conforme aponta Fryburg, a comida é uma mistura complicada de fontes …