PSL pede que PF avalie estender proteção a familiares de Bolsonaro

Tânia Rêgo / ABr

O filho mais velho de Jair Bolsonaro, deputado estadual Flávio Bolsonaro

O Partido Social Liberal (PSL) do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro solicitou à Polícia Federal (PF) que avalie a necessidade de estender a proteção para outros integrantes da família.

No sábado (8), após o atentado à faca a Bolsonaro, em Juiz de Fora, na quinta-feira (6), a PF informou que o efetivo que faz a escolta de presidenciáveis deve aumentar de 21 para até 25 policiais, por candidato.

A informação sobre o pedido de ampliação da escolta aos familiares do candidato foi dada pelos filhos dele, os deputados federais Flávio e Eduardo, na sede da PF em Brasília.

“Enquanto as investigações não chegam a uma conclusão ou a alguma coisa mais transparente, é obvio pra todo mundo que a tendência é reforçar a segurança“, disse o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), ao completar: “Enquanto a gente não tiver esclarecimento com relação a isso eu acho que todos nós somos alvo”.

Os filhos do candidato à presidência pelo PSL se reuniram com o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro na tarde desta segunda-feira (10) para saber detalhes da investigação sobre o atentado contra Jair Bolsonaro, atingido na região abdominal, quando participava de uma atividade de campanha na cidade mineira.

“O doutor Galloro nos tranquilizou dizendo que está tudo sendo feito num prazo dentro do mais razoável possível e isso aconteceu há apenas quatro dias e dentro desses quatro dias, tudo que eles conseguiram recolher e que ainda está em análise pode ser que mude o curso das investigações. Ele só confirmou o que a própria imprensa havia dito, que é um réu confesso, toda materialidade está presente nos autos e qualquer fato novo que surja ele nos tranquilizou que nós seremos imediatamente avisados”, afirmou o deputado federal Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), ao deixar a Polícia Federal, em Brasília.

Candidato ao Senado pelo Rio de Janeiro, Flávio enviou um oficio à secretaria de Segurança do Rio solicitando uma avaliação sobre a necessidade de proteção antes do atentado contra seu pai e aguarda um posicionamento.

“Estou aguardando essa posição por parte da Secretaria de Segurança do Rio e se houver necessidade vou pedir sim um reforço à Polícia Militar do Rio ou à Polícia Civil para que garanta o meu direito de candidato de continuar indo para as ruas fazer campanha”.

Histórico

O candidato recebeu uma facada no abdômen desferida por Adélio Bispo de Oliveira. Bolsonaro foi operado, ainda em Juiz de Fora, para estancar uma hemorragia em veia abdominal, teve o intestino delgado costurado e parte do intestino grosso retirada. Um dia após o atentado, ele foi transferido para um hospital de São Paulo, onde está internado na unidade de terapia intensiva.

O autor do ataque foi preso pela Polícia Militar logo após o crime. A Polícia Federal (PF), responsável pela segurança do candidato, abriu inquérito para investigar o caso. Depois de ter sido enquadrado na Lei de Segurança Nacional, no sábado (8), Adélio Bispo foi transferido, pela PF, para a penitenciária federal de segurança máxima de Campo Grande.

Ciberia // Agência Brasil

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …

Japão lembra 75 anos de bomba de Hiroshima e pede união contra armas nucleares

Esta quinta-feira (6) marca o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo. Cerca de 140 mil pessoas morreram no bombardeio à cidade japonesa, realizado pelo Estados Unidos no fim da Segunda Guerra …

Donald Trump determina bloqueio do TikTok e WeChat nos EUA em 45 dias

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou na noite de ontem (6) uma ordem executiva determinando o fim de relações com as empresas responsáveis pelos apps TikTok e WeChat no país norte-americano. Em comunicado emitido …

Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia …

Petição defende que França assuma controle do Líbano

Suspeita de que desastre em Beirute foi causado por negligência eleva indignação dos libaneses, que pedem mandato francês pelos próximos dez anos no país. Apelo recebe mais de 50 mil assinaturas após visita de Macron. Quase …

Macron visita Beirute devastada e cobra reformas no Líbano

Presidente francês visita local da explosão e ouve apelos por mudanças por parte da população, para quem o desastre é consequência de anos de corrupção, caos público e má gestão. O presidente da França, Emmanuel Macron, …