Qual é a eficácia do toque de recolher na luta contra a Covid-19?

Narendra Shrestha / EPA

A partir de sábado (17), a França entra em uma nova fase da luta contra a epidemia de coronavírus. Na noite de quarta-feira (14), o presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou medidas inéditas para tentar barrar a propagação da doença no país: a principal delas é o toque de recolher, das 21h às 6h, na grande região parisiense e em outras oito cidades francesas por ao menos quatro semanas. Mas será que essa restrição é mesmo eficaz contra a disseminação da Covid-19?

Há poucos dados disponíveis sobre a eficácia do toque de recolher para lutar contra uma epidemia. Em entrevista ao jornal Le Parisien, o historiador Patrick Zylberman afirma que essa essa medida jamais foi determinada em nível nacional por razões sanitárias.

No entanto, na noite de quarta-feira, o presidente francês garantiu que o toque de recolher é um método importante porque “diminui os contatos sociais“. Para justificar a restrição, Macron citou o exemplo da Guiana Francesa, onde a medida foi utilizada de forma variável, durante alguns meses, desde meados deste ano.

Segundo um estudo pré-publicado nesta segunda-feira, do qual participou o Instituto Pasteur, o toque de recolher na Guiana Francesa permitiu reduzir 36% da circulação do coronavírus. “Com essa restrição, nos beneficiamos de uma redução da metade do pico das hospitalizações nas UTIs”, afirmou a diretora da Agência Regional de Saúde da Guiana Francesa, Clara de Bort, em entrevista à Franceinfo.

Os autores da pesquisa constararam que, efetivamente, depois da determinação do toque de recolher na Guiana Francesa, a chamada “taxa R” de reprodução do vírus passou de 1,7 à 1,1. A quantidade diária de novas contaminações diminuiu de 350 a 80, um mês depois que a medida foi colocada em prática.

Os cientistas que participaram do estudo salientam, no entanto, que outras restrições foram adotadas simultaneamene neste território francês, como o fechamento das fronteiras com o Brasil, um dos países mais castigados pela pandemia.

Médicos e cientistas se pronunciam sobre a medida

Entrevistado pela RFI, Djillali Annanne, chefe do serviço da UTI do hospital Raymond-Poincaré de Garches, na região parisiense, afirma que o toque de recolher é indispensável para evitar uma saturação do sistema de saúde.

“Se essa medida for eficaz, nós começaremos a ver os resultados de 15 dias a 3 semanas. E ela deve ser mantida até que a taxa de ocupação de pacientes de Covid em leitos de terapia intensiva fique abaixo de 10% e que o número de casos confirmados a cada dia desça a menos de 5 mil”, recomenda.

O professor de Epidemiologia de doenças infecciosas da Universidade de Montpellier, Mircea Sofonea, acredita que o toque de recolher pode ser uma boa opção para acirrar a luta contra a Covid-19.

“Desde o relaxamento do lockdown, vemos que as medidas de barreira, como o uso de máscara, o distanciamento físico, o estímulo ao home office e a proibição de grandes aglomerações, não são obstáculos, mas freios contra a epidemia“, diz, em entrevista ao jornal Libération.

Outro especialista no assunto, o clínico geral Michaël Rochoy, chefe de Clínica da Universidade de Lille, afirma que o toque de recolher diminui as saídas noturnas, o que pode ser positivo em um momento no qual a França registra uma média de 20 mil contaminações diárias por coronavírus. “Claro, nas pequenas cidades, isso não serve para nada, mas não podemos fechar os olhos para a vida noturna agitada de Paris, Madri e Berlim”, ressaltando, em entrevista ao jornal 20 Minutes, que “sabe-se que há duas vezes mais possibilidades de se contaminar em bares e restaurantes que em outros locais”.

Especialistas expressam ceticismo

Outros especialistas não estão convencidos que o toque de recolher seja eficaz para barrar a epidemia. “O problema é que não podemos estabelecer uma correlação entre essa medida e a redução das contaminações porque o toque de recolher não foi a única restrição imposta na Guiana Francesa contra o vírus”, afirma ao jornal 20 Minutes Michèle Legeas, professora da Escola de Altos Estudos em Saúde Pública, especialista em análise e gestão de situações com riscos sanitários.

Além disso, alguns médicos afirmam que, se essa é uma solução para limitar as consequências econômicas nas empresas, o toque de recolher não substitui o fechamento de locais considerados como focos da epidemia. “As contaminações acontecem muito nas empresas, universidades e escolas”, diz à Franceinfo Nathan Peiffer-Smadja, infectologista no hospital Bichat, em Paris.

De fato, de acordo com a agência Saúde Pública da França, empresas (25%), escolas e universidades (21%), encontros familiares e eventos públicos e privados (17%), são os principais locais de transmissão do coronavírus depois das casas de repouso para idosos. Por isso, para Peiffer-Smadja, é preciso que o governo insista principalmente na necessidade do home office para tentar desacelerar a segunda onda de Covid-19.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Os estados quânticos mais extremos são descobertos por cientistas

Pela primeira vez, físicos descobriram uma maneira de definir matematicamente o grau de quanticidade que qualquer coisa — seja partícula, átomo, molécula ou mesmo um planeta — exibe A partícula de luz é uma bola zunindo …

Itália supera a marca de 50 mil mortos por COVID-19

Primeiro país ocidental a registrar casos da doença torna-se o sexto do mundo a alcançar esta marca. País é o que mais teve mortes no continente nos últimos dias. O governo italiano informou nesta segunda-feira (23) …

Covid-19: EUA pretendem lançar campanha de vacinação em dezembro

O país, o mais atingido pela epidemia no mundo, espera vacinar sua população 24 horas após a concessão da autorização de emergência pelo FDA, a agência americana reguladora de medicamentos. A reunião pública de …

França quer punir delito de "ecocídio"

Membros do governo francês anunciaram neste domingo (22/11) que pretendem promover uma projeto de lei para punir o "delito de ecocídio" com o objetivo de combater danos graves e intencionais ao meio ambiente, com previsão …

Barco em formato de ziper “abre” os mares enquanto navega

Se na fábula bíblica Moisés abriu o Mar Vermelho, o designer japonês Yasuhiro Suziki decidiu tornar a metáfora quase literal, ao criar um barco no formato de um imenso zíper. O resultado é ao mesmo tempo …

Soldado medieval encontrado com espada e facas no fundo de um lago da Lituânia

Mais de 500 anos atrás, o corpo de um soldado medieval assentou no fundo de um lago da Lituânia e por séculos ficou escondido sob a lama. Agora, esses restos submersos finalmente foram encontrados. O esqueleto …

Como cientistas querem fazer 'viagem no tempo' por meio do olfato

Pinturas como a Mona Lisa atraem milhões de visitantes todos os anos a museus em todo o mundo. Imagine se, junto ao impacto visual da obra-prima de Leonardo da Vinci, eles também pudessem sentir o …

Companhias aéreas que voam para o Brasil em meio à pandemia

Maioria das empresas aéreas cortou rotas internacionais para o Brasil devido ao coronavírus e fechamento de fronteiras. Porém, algumas ainda têm voos programados. Veja a lista. Várias companhias aéreas cortaram voos internacionais para o Brasil devido …

Mais de 500 pescadores contraem doença de pele misteriosa no Senegal

Mais de 500 pescadores foram infectados por um doença de pele misteriosa no Senegal após retornarem do mar, informou um oficial sênior de Saúde do governo nesta quinta-feira (19). Os homens, que vêm de diversas cidade …

Animais domésticos ou silvestres não transmitem Covid-19 na França, diz agência sanitária

Após a análise de novos dados científicos, a agência nacional de segurança sanitária da França (ANSES) atualizou nesta quinta-feira (19) o relatório publicado em abril de 2020 sobre o potencial de transmissão da Covid-19 por …