Reconstruido crânio de Homo naledi, o elo que não se encaixa na evolução humana

(dr) Mark Thiessen / National Geographic

Reconstituição da face do Homo naledi a partir do crânio (detalhe)

A descoberta há cinco anos do Homo naledi, uma nova espécie de hominídeo que conviveu na savana sul-africana com os humanos mais próximos ao homem moderno, poderia mudar para sempre o que sabemos sobre a evolução.

Uma equipe de pesquisadores russos apresentou na semana passada em Moscou a reconstrução científica da cabeça do misterioso ser, descoberto na África do Sul pelo paleoantropólogo americano Lee Berger, que presenteou com uma cópia do crânio do naledi a seus colegas da Rússia.

O resultado do trabalho científico foi divulgado em um ato organizado na Universidade Nacional de Ciência e Tecnologia MISiS.

O naledi é metade símio, metade homem. Ao invés de ele responder a perguntas sobre a origem da nossa espécie, é um elo que não se encaixa muito bem na cadeia evolutiva, explicou à Agência Efe o antropólogo russo Stanislav Drobishevski.

“Combina aspectos muito primitivos, como o cérebro, mais próprios dos primatas, com outros muito desenvolvidos (como os dentes e as pernas), que se assemelham aos do homem contemporâneo”, explicou o cientista.

São muito peculiares. Medem 1,5 metro e têm um cérebro que pesa entre 400 e 600 gramas, no limite que o separa o Australopithecus (primatas bípedes) do Homo habilis, o primeiro hominídeo considerado humano.

De fato, a primeira análise dos restos de 15 indivíduos achados em uma profunda câmara da caverna sul-africana Rising Star fizeram seus descobridores pensar que estavam perante uma das primeiras espécies humanas, que teria vivido há três milhões de anos.

(dr) National Geographic

Eis o novo Homo naledi, um dos mais antigos ancestrais conhecidos do Homem

A surpresa foi grande quando as provas de datação revelaram que o naledi viveu há apenas 300 mil anos, quando o Homo rhodesiensis – uma das espécies humanas mais próximas ao homem contemporâneo – já caminhava comodamente pela savana sul-africana.

“A convivência destas duas espécies em um mesmo ecossistema indica que a evolução humana pode ter seguido caminhos diferentes“, afirmou Drobishevski.

Outras espécies humanas conviveram em uma mesma época histórica, mas ou eram tão diferentes como o homem e o chimpanzé (como é o caso do Australopithecus e o habilis), ou habitavam em diferentes continentes ou separados por fronteiras geográficas intransponíveis.

A forma como se relacionavam os naledi e os rhodesiensis, que alguns antropólogos colocam dentro da espécie Homo sapiens, é um mistério.

Puderam cooperar e inclusive puderam cruzar. De fato, o genoma de alguns povos africanos como os pigmeus e bosquímanos têm genes que até agora não puderam ser explicados”, afirmou o antropólogo russo.

Da mesma forma que os sapiens europeus têm algo de neandertais em seu DNA, o elo perdido nos genes de alguns povos africanos poderia ser herança dos naledi, embora para resolver o mistério seja preciso decifrar o genoma da nova espécie.

Por outro lado, o cérebro dos naledi, de um tamanho similar ao dos homens mais primitivos, e sua caixa torácica de primatas, que lhe impediria de falar, apontam que seu intelecto era muito pouco desenvolvido.

O único indício de cultura pode ser notado no local foram encontrados os restos: uma câmara a mais de 16 metros de profundidade, à qual só se pode ter acesso por um orifício muito estreito, de apenas 20 centímetros de largura, o que em princípio descarta que a usassem para viver.

O mais provável, explicou Drobishevski, é que os naledi, que eram bastante miúdos, usavam este tipo de buracos para a sepultura dos seus mortos, embora não como um ritual, mas por motivos de higiene.

As mandíbulas e os dentes destes hominídeos são inclusive menores que os do homem moderno, o que rompe um dos postulados da teoria da evolução. “Até agora se acreditou que na evolução do homem o tamanho dos dentes sempre se reduz”, disse Drobishevski.

Ao contrário, a curvatura dos dedos pelas mãos, maior que a dos símios atuais, aponta que puderam ter evoluído em algum momento para adaptar-se ao meio no qual viviam.

“A tendência evolutiva é o endireitamento dos dedos. Embora a forma pelas mãos quase coincida com a do homem moderno e seja capaz de construir ferramentas, a curvatura dos dedos rompe todos os modelos nos quais se acreditava até agora“, acrescentou o cientista russo.

Com estes dados, os cientistas acreditam que o naledi podia andar e construir ferramentas como um homem, e ao mesmo tempo subir em árvores como um macaco.

“Algumas ferramentas achadas no passado e que se relacionaram com o sapiens, na realidade poderiam pertencer ao naledi. Embora não se tem encontrado nenhum resto da cultura destes seres, a forma da sua mão indica que eram capazes de fazer instrumentos, apesar de ter um cérebro muito pequeno”, conclui Drobishevski.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

“Bolsonaro não está dando os anéis, mas os dedos para tentar salvar o braço”, diz cientista política

O novo ministro super poderoso do governo de Jair Bolsonaro, Ciro Nogueira, nomeado para a Casa Civil, toma posse esta semana. Apesar de todo o fisiologismo, a analista Graziella Testa, da Escola de Políticas …

Não vacinados ameaçam combate à covid nos EUA

Em meio à disseminação de teorias da conspiração e a uma alta das infecções pelo coronavírus entre não vacinados, autoridades de saúde dos EUA lutam para convencer mais pessoas a se imunizarem contra a covid-19. Em …

Helicóptero da NASA estabelece novo recorde durante seu 10º voo em Marte

Neste sábado (24) o pequeno helicóptero da NASA em Marte, Ingenuity, conseguiu ultrapassar a marca de 1,6 km de distância percorrida acumulada após sobrevoar uma região rochosa na cratera Jezero. No sábado, o helicóptero robótico completou …

A curiosa rejeição de parte dos franceses ao passaporte sanitário na pandemia

No país onde o debate é uma espécie de esporte nacional, qualquer imposição verticalizada do governo pode ser considerada um acinte. Desde a Revolução, os franceses alimentam uma espécie de ojeriza ao compulsório que …

Astrônomo amador descobre nova lua na órbita de Júpiter

O corpo celeste recebeu o nome provisório de EJc0061 e mais provável é que seja um novo membro do grupo Carme, que orbita o planeta junto a outras 78 luas. O estudante Kai Ly se tornou …

Microsoft diz que 70% dos brasileiros já foram alvos do golpe de suporte técnico

Imagine estar navegando pela internet e se deparar com uma janela afirmando que há algo de errado com sua instalação do Windows. Ao clicar, você consegue entrar em contato com um técnico, que dá instruções …

Orçamento recorde não salva Jogos Olímpicos de Tóquio do desânimo causado pela Covid-19

Os jornais franceses desta detalharam o desafio dos organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, que começaram oficialmente nesta sexta-feira (23) sob a ameaça da Covid-19 e uma impopularidade recorde no Japão. Para a imprensa …

Comunidade LGBTQ da Hungria teme repressão e perseguições

Nos últimos meses, Boldizsár Nagy teve que lidar com situações que nunca imaginara. Por muito tempo, ele foi um jornalista e editor de livros infantis desconhecido, "ninguém especial", em suas próprias palavras. Quando, em 2020, ele …

68 anos! Conheça a história do homem com a maior crise de soluço do mundo

Você provavelmente já teve soluços ao longo da vida, certo? Alguns minutos de soluço são suficientes para deixar qualquer um emburrado. Mas já pensou soluçar por nada menos que 68 anos seguidos? Pois foi isso …

Mesmo após crise gerada por pandemia, Brasil terá 10 milhões de desempregados, dizem economistas

Com a aceleração da vacinação na maior parte do país, os brasileiros já começam a vislumbrar uma luz no fim do túnel da pandemia do coronavírus. Diante da perspectiva de gradual volta à normalidade, espera-se …