Descobertos os mais antigos fósseis de Homo sapiens, que mudam tudo o que se sabia sobre o Homem

(dr) Shannon Mcpherron/ MPI EVA Leipzig

O paleoantropólogo  Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck, mostra um achado no sítio arqueológico de Jebel Irhoud, Marrocos

O paleoantropólogo Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck, mostra um achado no sítio arqueológico de Jebel Irhoud, Marrocos

Um grupo de cientistas descobriu no Marrocos aqueles que alegam ser os fósseis mais antigos do Homo sapiens.

Um estudo publicado nesta quarta-feira pela revista Nature aponta que os fósseis mais antigos do Homo sapiens, que foram encontrados no Marrocos, teriam cerca de 300 mil anos, 100 mil a mais do que os restos mortais detentores da marca, encontrados em Omo Kibish, na Etiópia, em 1967.

A descoberta, feita em um sítio arqueológico chamado Jebel Irhoud, a 150 quilômetros a oeste de Marrakech, indica uma mudança no que se sabia sobre a origem da espécie humana, mas segundo a revista confirma que o Homo sapiens esteve presente em todo o continente africano.

O trabalho científico foi coordenado pelo paleoantropólogo francês Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva de Leipzig, na Alemanha.

Até o momento, nenhuma outra fonte fez alusão a esta descoberta no Marrocos, um país rico em fósseis que são alvos frequente de pilhagem e exploração incontrolada.

Um resto de crânio encontrado em Jebel Irhoud apresenta “um mosaico de características, incluindo morfologia facial, mandibular e dental que alinha esse material com restos humanos primitivos ou considerados anatomicamente modernos“.

Jebel Irhoud é uma jazida paleontológica descoberta em 1991 e que revelou importantes descobertas de fósseis humanos, particularmente os restos de um Homo sapiens de oito anos de idade e que datavam de 160 mil anos atrás.

NHM London

Os mais antigos fósseis de Homo Sapiens, encontrados no Marrocos (esq.) têm um crânio mais alongado do que os humanos modernos (dir.)

Os mais antigos fósseis de Homo Sapiens, encontrados no Marrocos (esq.) têm um crânio mais alongado do que os humanos modernos (dir.)

Muda tudo o que se sabe sobre a origem do Homem

A descoberta tira sustentação à teoria de que o homem moderno evoluiu há 200 mil anos a partir de um único “berço de humanidade” no leste da África, e mostra que o Homo sapiens emergiu pelo menos 100 mil anos antes do que se pensava. Segundo o estudo, nossa espécie evoluiu por todo o continente africano, de forma muito mais fragmentada do que se pensava.

A descoberta faria com que “se reescrevam os livros de História” sobre o surgimento do Homem como espécie, diz o professor Jean-Jacques Hublin, antropólgo do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária (MPI), na Alemanha. “Esse material fóssil representa a raiz da nossa espécie, é o mais antigo Homo sapiens já encontrado na África ou em qualquer outro lugar”, explica Hublin.

“A nossa origem não foi uma coisa que aconteceu rapidamente, em um Jardim do Éden em qualquer lugar específico da África. Nossa evolução foi algo mais gradual e envolveu todo o continente. Se houve um Jardim do Éden, ele foi a África inteira“, diz Hublin.

O material fóssil agora descoberto tem entre 300 mil e 350 mil anos de idade, e o crânio tem uma forma quase idêntica ao dos humanos modernos. As poucas diferenças que se sobressaem são uma testa um pouco mais proeminente e uma cavidade cerebral um pouco menor.

A escavação da equipe de Hublin revelou também que estes povos antigos já usavam ferramentas de pedra e tinham aprendido a produzir e controlar fogo. Ou seja, não apenas se pareciam com o Homo sapiens, como também agiam como tal.

Antes de a nossa espécie ter evoluído, havia muitos tipos diferentes de espécies humanas primitivas, cada uma delas com forças, fraquezas e características físicas próprias. Essas diferentes espécies humanas – assim como outros animais – evoluíram e mudaram sua aparência gradualmente, ao longo de centenas de milhares de anos.

A visão histórica predominante até agora era de que o Homo sapiens tinha evoluído repentinamente de humanos primitivos no leste africano há cerca de 200 mil anos – e teria sido nesse ponto que ganhamos as feições e características físicas que temos hoje.

Segundo essa teoria, só a partir daí é que teríamos começado a nos espalhar pela África e pelo resto do planeta. As descobertas da equipe de Hublin colocam essa versão em causa. “Temos de mudar nossa visão sobre como os primeiros humanos modernos emergiram”, conclui Hublin.

(dr) MPI-EVA Leipzig

Mandíbula inferior de um Homo sapiens encontrado em Jebel Irhoud

Mandíbula inferior de um Homo sapiens encontrado em Jebel Irhoud

Novas interpretações

O professor Chris Stringer, do Museu de História Natural de Londres, também diz que esta descoberta mostra que há múltiplos lugares na África onde o Homo sapiens emergiu. “Precisamos de nos distanciar dessa ideia de que houve um único berço da humanidade”, disse.

Stringer levanta mesmo a possibilidade de que o Homo sapiens tenha existido na mesma época fora da África. “Há fósseis em Israel que têm provavelmente a mesma idade e mostram sinais que poderiam ser descritos como feições proto-Homo sapiens”, salienta.

Stringer diz que não é inconcebível a ideia de que possam ter existido anteriormente na história, talvez até milhões de anos atrás, humanos primitivos com cérebros menores, rostos e dentes maiores, e testas mais fortes – mas que, ainda assim, eram Homo sapiens.

Isso é uma mudança de paradigma radical nos estudos das origens humanas. “Havia a ideia de que o Homo sapiens tinha aparecido subitamente na África em dado momento – e que essa era a origem da nossa espécie”, diz Stringer.

“Mas, aparentemente, isso estava errado“, concluiu o antropólogo.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …

Japão lembra 75 anos de bomba de Hiroshima e pede união contra armas nucleares

Esta quinta-feira (6) marca o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo. Cerca de 140 mil pessoas morreram no bombardeio à cidade japonesa, realizado pelo Estados Unidos no fim da Segunda Guerra …

Donald Trump determina bloqueio do TikTok e WeChat nos EUA em 45 dias

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou na noite de ontem (6) uma ordem executiva determinando o fim de relações com as empresas responsáveis pelos apps TikTok e WeChat no país norte-americano. Em comunicado emitido …

Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia …

Petição defende que França assuma controle do Líbano

Suspeita de que desastre em Beirute foi causado por negligência eleva indignação dos libaneses, que pedem mandato francês pelos próximos dez anos no país. Apelo recebe mais de 50 mil assinaturas após visita de Macron. Quase …

Macron visita Beirute devastada e cobra reformas no Líbano

Presidente francês visita local da explosão e ouve apelos por mudanças por parte da população, para quem o desastre é consequência de anos de corrupção, caos público e má gestão. O presidente da França, Emmanuel Macron, …