Rei Leopoldo II, responsável pela morte de 15 milhões na África, também teve estátua removida na Bélgica

Stephanie Lecocq / EPA

A onda de protestos antirracistas iniciada nos EUA após o brutal assassinato de George Floyd por um policial em Minneapolis cruzou os mares e se espalhou por todo o mundo – num processo urgente de revisão não só das políticas e das polícias do planeta, mas também simbólico, dos homenageados com nomes de ruas, edifícios e estátuas.

Enquanto em Bristol, na Inglaterra, a estátua do traficante de escravos Edward Colston foi posta ao chão e atirada ao rio pelos manifestantes, na Bélgica um personagem ainda mais abominável também teve sua estátua removida: o sanguinário rei Leopoldo II, que torturou, assassinou e escravizou milhões de pessoas em uma região do Congo.

A estátua de Leopoldo II ficava na cidade belga da Antuérpia, e já havia sido vandalizada na semana passada antes de ser retirada após protestos que reuniram milhares de pessoas contra o racismo e os crimes do monarca. Leopoldo II reinou na Bélgica entre 1865 e 1909, mas sua atuação na região conhecida como Congo Belga – que chegou a ser reconhecido como sua propriedade particular – é seu sombrio e sanguinário legado.

Após a retirada da estátua – que, de acordo com autoridades, não será reinstalada e será restaurada e se tornará parte do acervo de um museu – um grupo chamado “Vamos reparar a história” exige a retirada de todas as estátuas de Lepoldo II no país. O motivo é tão claro quanto abominável: o extermínio de milhões de congoleses – mas os crimes de Leopoldo II no país da África Central são incontáveis, em um dos mais infames regimes coloniais da história.

O horror provocado pelos mandos de Leopoldo II na gigantesca área que até o início do século XX pertenceu ao rei da Bélgica era tamanho que o processo é hoje apelidado de “Holocausto esquecido”.

A exploração do látex, do marfim e a mineração encherem os cofres do rei e patrocinaram o genocídio: empregados que não cumpriam metas tinham os pés e as mãos decepados aos milhões, e as condições de vida eram tão precárias que morriam de fome ou doença os que não morriam assassinados pelo exército. Estupros eram cometidos em massa, e crianças também sofriam amputações.

Historiadores calculam que mais de 15 milhões de pessoas morreram na região durante o período de Leopoldo II – que morreu negando qualquer conhecimento sobre os ocorridos.

Vale lembrar que, enquanto atualmente a Bélgica, que seguiu explorando a região por mais meio século após a morte do rei, possui o 17ª maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do mundo, a República Democrática do Congo está na 176ª posição entre 189 países avaliados.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …