Rei Leopoldo II, responsável pela morte de 15 milhões na África, também teve estátua removida na Bélgica

Stephanie Lecocq / EPA

A onda de protestos antirracistas iniciada nos EUA após o brutal assassinato de George Floyd por um policial em Minneapolis cruzou os mares e se espalhou por todo o mundo – num processo urgente de revisão não só das políticas e das polícias do planeta, mas também simbólico, dos homenageados com nomes de ruas, edifícios e estátuas.

Enquanto em Bristol, na Inglaterra, a estátua do traficante de escravos Edward Colston foi posta ao chão e atirada ao rio pelos manifestantes, na Bélgica um personagem ainda mais abominável também teve sua estátua removida: o sanguinário rei Leopoldo II, que torturou, assassinou e escravizou milhões de pessoas em uma região do Congo.

A estátua de Leopoldo II ficava na cidade belga da Antuérpia, e já havia sido vandalizada na semana passada antes de ser retirada após protestos que reuniram milhares de pessoas contra o racismo e os crimes do monarca. Leopoldo II reinou na Bélgica entre 1865 e 1909, mas sua atuação na região conhecida como Congo Belga – que chegou a ser reconhecido como sua propriedade particular – é seu sombrio e sanguinário legado.

Após a retirada da estátua – que, de acordo com autoridades, não será reinstalada e será restaurada e se tornará parte do acervo de um museu – um grupo chamado “Vamos reparar a história” exige a retirada de todas as estátuas de Lepoldo II no país. O motivo é tão claro quanto abominável: o extermínio de milhões de congoleses – mas os crimes de Leopoldo II no país da África Central são incontáveis, em um dos mais infames regimes coloniais da história.

O horror provocado pelos mandos de Leopoldo II na gigantesca área que até o início do século XX pertenceu ao rei da Bélgica era tamanho que o processo é hoje apelidado de “Holocausto esquecido”.

A exploração do látex, do marfim e a mineração encherem os cofres do rei e patrocinaram o genocídio: empregados que não cumpriam metas tinham os pés e as mãos decepados aos milhões, e as condições de vida eram tão precárias que morriam de fome ou doença os que não morriam assassinados pelo exército. Estupros eram cometidos em massa, e crianças também sofriam amputações.

Historiadores calculam que mais de 15 milhões de pessoas morreram na região durante o período de Leopoldo II – que morreu negando qualquer conhecimento sobre os ocorridos.

Vale lembrar que, enquanto atualmente a Bélgica, que seguiu explorando a região por mais meio século após a morte do rei, possui o 17ª maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do mundo, a República Democrática do Congo está na 176ª posição entre 189 países avaliados.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Estudo sugere que 2,5 bilhões de tiranossauros rex viveram na Terra

Estimativa inédita da população total dos dinossauros foi publicada na revista "Science". Biólogo brasileiro integrou equipe da Universidade da Califórnia que fez o cálculo. Se um Tyrannosaurus rex já parece bastante assustador, imagine 2,5 bilhões deles. …

Submarino soviético atingido por minas alemãs encontrado no mar de Barents

Uma expedição da Frota do Norte russa e da Sociedade Geográfica Russa encontrou no mar de Barents o submarino Katyusha, afundado durante a Segunda Guerra Mundial, de acordo com informação do serviço de imprensa da …

Filme desaparecido do mestre do cinema Orson Welles pode estar no Brasil

Apaixonado por Orson Welles, um documentarista norte-americano se prepara para ir ao Brasil relançar a busca de um filme desaparecido do mestre de Hollywood, Orson Welles: a versão original de "The Magnificent Ambersons", que …

Cientistas criam embriões que são parte humanos, parte macacos

Pela primeira vez, cientistas criaram embriões que são uma mistura de células humanas e macacos. Os embriões, descritos quinta-feira na revista Cell, foram criados em parte para tentar encontrar novas formas de produzir órgãos para pessoas …

Criatura misteriosa em árvore que assustou moradores em cidade da Polônia era croissant

Quando autoridades polonesas receberam o chamado de que um animal incomum estava escondido em uma árvore da cidade de Cracóvia, não sabiam o que esperar. "As pessoas não estão abrindo as janelas porque estão com medo …

"Os Simpsons": Hank Azaria se desculpa por dar voz ao personagem indiano Apu

O ator e dublador Hank Azaria pediu desculpas por sua contribuição ao racismo estrutural contra a população indiana. Azaria, que é branco, foi a voz por trás do personagem Apu Nahasapeemapetilon no desenho animado Os Simpsons …

STF confirma anulação das condenações de Lula na Lava Jato

Plenário do Supremo referenda decisão de Fachin que considerou a 13ª Vara Federal de Curitiba incompetente para julgar ações contra o ex-presidente. Com isso, petista retoma o direito de disputar eleições em 2022. O plenário do …

Biden: EUA estão prontos para mais medidas se Rússia continuar a interferir na nossa democracia

Em discurso nesta quinta-feira (15), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que notificou o presidente russo, Vladimir Putin, de que seu governo poderia ter tomado mais medidas contra a Rússia, mas preferiu ser …

Eurodeputados defendem que Bolsonaro seja responsabilizado por necropolítica

O embaixador brasileiro na União Europeia, Marcos Galvão, pediu nesta quinta-feira "vacinas, vacinas e vacinas" para tirar o Brasil "da situação desastrosa" em que se encontra. Durante audiência com deputados do Parlamento Europeu, em …

Robô em forma de estrela vai estudar o fundo do mar

Cientistas do MIT criaram uma estrela-do-mar robótica, que consegue nadar pela vizinhança sem chamar muita atenção. Um dos principais problemas enfrentados pelos robôs marinhos é que eles não se parecem com peixes ou com alguma outra …