Rei Leopoldo II, responsável pela morte de 15 milhões na África, também teve estátua removida na Bélgica

Stephanie Lecocq / EPA

A onda de protestos antirracistas iniciada nos EUA após o brutal assassinato de George Floyd por um policial em Minneapolis cruzou os mares e se espalhou por todo o mundo – num processo urgente de revisão não só das políticas e das polícias do planeta, mas também simbólico, dos homenageados com nomes de ruas, edifícios e estátuas.

Enquanto em Bristol, na Inglaterra, a estátua do traficante de escravos Edward Colston foi posta ao chão e atirada ao rio pelos manifestantes, na Bélgica um personagem ainda mais abominável também teve sua estátua removida: o sanguinário rei Leopoldo II, que torturou, assassinou e escravizou milhões de pessoas em uma região do Congo.

A estátua de Leopoldo II ficava na cidade belga da Antuérpia, e já havia sido vandalizada na semana passada antes de ser retirada após protestos que reuniram milhares de pessoas contra o racismo e os crimes do monarca. Leopoldo II reinou na Bélgica entre 1865 e 1909, mas sua atuação na região conhecida como Congo Belga – que chegou a ser reconhecido como sua propriedade particular – é seu sombrio e sanguinário legado.

Após a retirada da estátua – que, de acordo com autoridades, não será reinstalada e será restaurada e se tornará parte do acervo de um museu – um grupo chamado “Vamos reparar a história” exige a retirada de todas as estátuas de Lepoldo II no país. O motivo é tão claro quanto abominável: o extermínio de milhões de congoleses – mas os crimes de Leopoldo II no país da África Central são incontáveis, em um dos mais infames regimes coloniais da história.

O horror provocado pelos mandos de Leopoldo II na gigantesca área que até o início do século XX pertenceu ao rei da Bélgica era tamanho que o processo é hoje apelidado de “Holocausto esquecido”.

A exploração do látex, do marfim e a mineração encherem os cofres do rei e patrocinaram o genocídio: empregados que não cumpriam metas tinham os pés e as mãos decepados aos milhões, e as condições de vida eram tão precárias que morriam de fome ou doença os que não morriam assassinados pelo exército. Estupros eram cometidos em massa, e crianças também sofriam amputações.

Historiadores calculam que mais de 15 milhões de pessoas morreram na região durante o período de Leopoldo II – que morreu negando qualquer conhecimento sobre os ocorridos.

Vale lembrar que, enquanto atualmente a Bélgica, que seguiu explorando a região por mais meio século após a morte do rei, possui o 17ª maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do mundo, a República Democrática do Congo está na 176ª posição entre 189 países avaliados.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Evo Morales comemora vitória de seu candidato, Luis Arce, à presidência na Bolívia

De La Paz, na Bolívia, o candidato a presidente Luis Arce e, de Buenos Aires, na Argentina, o ex-presidente Evo Morales comemoram vitória nas eleições tanto para presidente quanto para o Congresso, realizadas neste …

Síndrome provoca mudança na coloração dos olhos em população nativa da Indonésia

Em um país cujo a vasta maioria da população possui cabelos e olhos escuros, uma rara síndrome genética ofereceu aos membros de uma tribo nativa da Indonésia uma impressionante condição: os mais impactantes e profundos …

Aula de spinning em academia no Canadá contaminou 61 pessoas com a COVID-19

Academias não são locais recomendados neste momento de pandemia, mesmo que alguns estabelecimentos estejam reabrindo com todas as medidas de segurança adequadas. Prova disso aconteceu recentemente em Hamilton, na província de Ontario, no Canadá, quando uma …

Estrela supergigante vermelha Betelgeuse é menor e está mais próxima da Terra

A estrela supergigante vermelha Betelgeuse, uma das mais brilhantes, é menor e está mais próxima da Terra do que se acreditava. "Estudos anteriores sugeriram que poderia ser maior que a órbita de Júpiter. Nossos resultados dizem …

Ao tentar desativar uma bomba imensa a Marinha da Polônia acidentalmente a explode

Uma enorme bomba da Segunda Guerra Mundial explodiu durante uma delicada operação na terça-feira para desativar o dispositivo de cinco toneladas em um canal perto do Mar Báltico, mas ninguém foi ferido, afirmaram autoridades polonesas. O …

Candidato a vereador vai plantar uma árvore para cada voto que receber em Dourados

O combate às mudanças climáticas e ao desmatamento para Franklin Schmalz, candidato pelo PSOL a vereador na cidade de Dourados, no Mato Grosso do Sul, é um compromisso direto e concreto, a ser posto em …

Líder nacionalista manobra para chegar ao poder após renúncia de presidente do Quirguistão

O presidente do Quirguistão, Sooronbai Jeenbekov, cedeu à pressão de manifestantes nacionalistas e anunciou sua renúncia nesta quinta-feira (15), após dez dias de uma crise política aberta pela vitória de dois partidos governistas nas …

Planetas semelhantes à Terra parecem ser "protegidos" por gigantes como Júpiter

A organização dos planetas rochosos não é aleatória e, ainda, parece depender de algumas condições iniciais — é o que indica um novo estudo feito por uma equipe internacional de astrônomos e liderado por Martin …

1º parque temático da Nintendo será inaugurado em 2021 com área dedicada a Super Mario

“It’s me, Mario!” O encanador mais famoso do mundo vai trazer seus tubos verdes e aventuras para o mundo real. O Universal Studios do Japão inaugura, em 2021, o Super Nintendo World, o primeiro parque de …

Na TV, Biden volta a mencionar Amazônia

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seu rival democrata na corrida à Casa Branca, Joe Biden, responderam a perguntas do público em canais de televisão concorrentes na noite desta quinta-feira (15/10). Pela segunda vez …