Resolvido mistério da longevidade da primeira civilização na Terra

Sara jilani / Wikimedia

Sítio arqueológico de Harappa, berço da civilização Harapeana, no Vale do Indo

Uma equipe de arqueólogos revelou a causa pela qual a conhecida Civilização Indiana existiu por muitos milênios e conseguiu se adaptar durante as secas periódicas que abalavam o Vale do Indo.

“A sobrevivência da maioria das civilizações antigas dependia de um fator crucial — o acesso à água”, diz Cameron Petrie, pesquisador da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e autor de um novo estudo publicado na revista Current Anthropology.

“O estudo da forma como seus habitantes dispunham da água e a utilizavam ajuda a entender como a humanidade se adapta às novas situações e por que razão muitas pessoas continuam a praticar a economia natural mesmo sem ter necessidade disso”, acrescenta o antropólogo.

A Civilização Indiana, ou, em outras palavras, a Harapeana, é uma das civilizações mais antigas, ao lado da Egípcia e da Suméria. Ela nasceu por volta de 5 mil anos atrás no Vale do rio Indo, na fronteira entre os Estados contemporâneos da Índia e do Paquistão e atingiu seu auge no século XXIII a.C.

Naquela época, formou-se o sistema de comércio urbano e “internacional”, a planificação das povoações municipais, surgiram as instalações sanitárias, foram padronizados as medições e os pesos, e, consequentemente, a influência da Civilização Indiana se espalhou por todo o continente.

Após o ano 1900 a.C. ela começou a cair em declínio, algo que os cientistas até agora atribuíram a mudanças climáticas, ou seja, o clima virou mais frio e seco devido à atenuação das monções.

Por outro lado, os dados mais recentes em relação ao clima da Terra ao longo dos últimos 10 mil anos demonstram claramente que o clima do Indostão, o subcontinente indiano, mudou de modo brusco nas épocas anteriores a esta, o que leva os cientistas a discutir por que é que a Civilização Indiana não morreu antes.

Petrie e seus colegas decidiram investigar como é que as civilizações do Vale do Indo conseguiam sobreviver durante as secas. Para isso, os cientistas foram efetuar escavações nas margens de um lago seco que se situa perto de um dos centros da Civilização Indiana, Rakhigarhi.

(dr) Cameron Petrie

Escavações no sítio arqueológico de Masudpur I, Haryana, India

Escavações no sítio arqueológico de Masudpur I, Haryana, India

Petrie e seus colegas descobriram vestígios de um sistema peculiar de cultivação de produtos agrícolas que indicava que os habitantes da região produziam vários tipos de legumes e cereais ao mesmo tempo. Isto fez os cientistas concluir que, deste modo, os habitantes de Rakhigarhi e dos arredores se salvaram das secas.

Depois de analisar os dados recolhidos ao longo destas escavações e os dados sobre o então clima no Indostão, os cientistas repararam em um traço comum próprio de todas as cidades e comunidades da Civilização Indiana — todas elas ficavam em zonas climáticas onde as temporadas de chuva no Inverno e no Verão se sucediam.

Foi graças a isso que os agricultores da época conseguiam aguentar as secas periódicas, já que uma má safra no Verão poderia ser compensada por uma safra melhor de um cereal de inverno.

Nos séculos seguintes, as precipitações se reduziram muito e se mantiveram assim ao longo de quase 300 anos, o que levou à seca completa do lago e, segundo afirmam os pesquisadores, ao despovoamento das cidades nas suas margens.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Governo argentino é alvo de roubo de 10 anos de arquivos administrativos

O governo da Argentina foi alvo de um ataque por meio de um ransonware e está com cerca de 10 anos de dados públicos sequestrados desde do dia 25 de novembro. Em entrevista, a ministra da …

Lausanne, na Suíça, é a melhor cidade pequena do mundo

A cidade de Lausanne, na Suíça, foi considerada a melhor cidade pequena do mundo pela influente revista britânica “Monocle”. A publicação fez uma lista com as 25 melhores cidades pequenas do mundo, com população …

Esse organismo unicelular toma "decisões" complexas mesmo sem um cérebro

Um organismo unicelular de água fresca chamado Stentor roeseli demonstra comportamento inteligente. Ele foi descoberto em 1906, e quando estimulado no microscópio, essa criatura com formato de trompete conseguiu tomar decisões consideradas complexas para um …

Rússia é banida de eventos esportivos mundiais por quatro anos

Decisão deixará o país de fora dos Jogos Olímpicos de 2020 e da Copa do Mundo de Futebol de 2022. Agência Mundial Antidoping (Wada) conclui que Moscou manipulou dados laboratoriais de seus atletas. A Rússia está …

Pessoas em situação de rua viram guias turísticos na Irlanda

Olha só que iniciativa maravilhosa. Na Irlanda, o projeto ‘Secret Street Tours’ treina pessoas em situação de rua para usar seu conhecimento sobre a cidade para serem guias de turistas em tours pela cidade de …

Cientistas finalmente criam neurônios artificiais

Uma equipe internacional liderada por pesquisadores da Universidade de Bath (Inglaterra) realizou um feito inédito: conseguiu reproduzir a atividade biológica de neurônios usando chips de silicone. E o que é ainda melhor: esses “neurônios artificias” requerem …

Huawei pode lançar novos smartphones no Brasil, afirma executivo

A Huawei oficializou, nesta quinta-feira, 5, uma plataforma de auxílio aos desenvolvedores para publicarem e divulgarem seus aplicativos para os dispositivos da companhia. Chamada Huawei Ability Gallery, trata-se de uma expansão do ecossistema da App Gallery, …

Metrô de Paris ficará em greve até segunda-feira contra reforma da Previdência

A greve dos metroviários de Paris contra o projeto de reforma da Previdência francesa foi prorrogada até segunda-feira (9). Nas assembleias-gerais realizadas pela categoria na manhã de quinta-feira (5), primeiro dia da paralisação, quase todos os …

"Operação Maleta Verde", o escândalo que atinge governo e oposição na Venezuela

Com semblante mais sério que de costume, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela pelos Estados Unidos, pelo parlamento da União Europeia e por vários países da América Latina, dirigiu-se a jornalistas reunidos em …

Sarampo causou mais de 140 mil mortes em 2018

De acordo com OMS, maioria das vítimas tinha menos de cinco anos de idade e não havia sido vacinada. No ano passado, foram registrados quase 10 milhões de casos da doença no mundo. O sarampo causou …