Satélites Starlink agora são invisíveis a olho nu, mas não para telescópios

Quando a SpaceX lançou as primeiras 60 unidades da rede Starlink em maio de 2019, a comunidade científica expressou preocupações, prevendo que as observações astronômicas seriam afetadas pelo brilho das unidades que compõe a constelação de satélites.

Meses depois, Elon Musk, CEO da empresa, providenciou uma solução que parecia o suficiente para trazer um pouco de tranquilidade para os cientistas, mas um novo estudo independente mostra que ainda há muito trabalho a ser feito.

Inicialmente, o problema era tão complexo que os satélites Starlink eram visíveis até mesmo a olho nu, estragando completamente astrofotografias e atrapalhando pesquisas científicas. A SpaceX tentou resolver o problema, primeiro com um revestimento que tornou os satélites um pouco menos brilhantes, e os chamou de DarkSat.

Depois, a empresa adicionou um visor nas unidades seguintes — que também eram revestidas do mesmo modo que os DarkSats —, de modo que o reflexo da luz solar na Terra diminuísse drasticamente. A versão com os visores foi batizada de VisorSat.

Em dezembro, observações conduzidas pelo Telescópio Murikabushi do Observatório Astronômico Ishigakijima, no Japão, confirmam que o revestimento escuro aplicado nos satélites eram, de fato, capazes de reduzir o brilho dos Starlink.

Agora, um novo estudo mostra que os VisorSat possuem 31% do brilho dos satélites anteriores, tornando-os praticamente invisíveis a olho nu. Porém, os telescópios ainda podem ser prejudicados pela constelação artificial de Musk. Isso significa que pelo menos uma das preocupações foi aparentemente resolvida — a visão do céu noturno para a população terrestre não será mais afetada.

Agora, resta resolver o problema científico. Mesmo os telescópios espaciais como o Hubble, que ficam na órbita terrestre, podem ter suas observações prejudicadas caso um satélite Starlink passe perto de seus ângulos de visão. Como telescópios costumam capturar imagens acompanhando o movimento aparente de objetos distantes, os satélites podem deixar uma trilha brilhante, destruindo o trabalho dos astrônomos. Uma unidade Starlink pode até mesmo ficar na frente do objeto que se deseja estudar.

Outro tipo de observação científica que pode ser muito prejudicada pela constelação artificial é a busca de asteroides próximos à Terra, pois as imagens capturadas podem estar repletas de “falsas estrelas”, que, na verdade, seriam apenas o brilho dos satélites. Um telescópio usado para detectar e estudar objetos próximos à Terra poderia facilmente confundir unidades Starlink com rochas espaciais, dando ainda mais trabalho para os astrônomos na tarefa de distinguir cada ponto brilhante nas imagens.

Mesmo com a melhoria que os visores trouxeram, os satélites ainda estão cerca de 2,5 vezes mais brilhantes do que a própria SpaceX gostaria. Ou seja, a empresa provavelmente ainda não está satisfeita, e deverá pensar em outras soluções para diminuir o brilho ainda mais nas próximas levas de satélites Starlink. De acordo com a empresa, o objetivo é fazer com que os satélites tenham pelo menos magnitude 7. A magnitude atual é de 5,92 (quanto maior o número, menos brilhante ele é). Para se ter uma ideia, é necessária uma magnitude de 10 para que os objetos fiquem invisíveis a binóculos especiais para astronomia.

A constelação da SpaceX não é a única que preocupa os astrônomos. Há outros projetos semelhantes planejados por empresas como a Amazon e a OneWeb, que podem apresentar problemas semelhantes, com satélites igualmente brilhantes. Pesquisadores temem que a constelação da OneWeb, planejada para ficar a uma altitude ainda maior que a Starlink, possa tornar a maioria das observações de telescópios terrestres “praticamente impossíveis” de realizar.

Quem autoriza o lançamento e o uso de satélites de internet nos Estados Unidos é a Comissão Federal de Comunicações (FFC). De acordo com o órgão, o brilho dos satélites e a possível inviabilidade de observações astronômicas não são uma condição para que o licenciamento seja concedido às empresas — uma realidade que alguns pesquisadores querem mudar para que haja uma regulação global.

A SpaceX ainda não compartilhou os dados de sua própria pesquisa sobre o brilho dos VisorSat. O estudo independente foi publicado no repositório ArXiv e ainda não foi revisado por pares.

 

 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …