Senador russo avisa que Reino Unido pode ser “apagado da Terra” em contra-ataque nuclear

Após afirmar que poderia lançar mão de um ataque nuclear preventivo nas “mais extremas circunstâncias”, a Grã-Bretanha corre o risco de ser “apagado da face da Terra”, segundo afirmou o senador russo Frants Klintsevich em sua página no Facebook.

Esta segunda-feira (24), o ministro da Defesa britânico, Michael Fallon, citado pelo jornal Independent, declarou que o Reino Unido está pronto a levar a cabo um ataque nuclear preventivo, se isso for necessário.

Segundo Fallon, a premiê Theresa May está pronta a usar mísseis balísticos Trident em “condições extremas”, mesmo que a Grã-Bretanha não seja atacada. A declaração do ministro foi uma resposta ao apelo do líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, de “alcançar um mundo sem armas nucleares”, nota o jornal.

“A afirmação do ministro britânico de Defesa Michael Fallon pede uma resposta dura e eu não tenho medo de ir muito além. Na melhor das hipóteses essa afirmação parece ser um elemento de guerra psicológica, o que parece revoltante dentro deste contexto”, escreveu em resposta o senador russo Frants Klintsevich.

“Há então uma questão básica, natural: qual país poderia ser primitivamente atacado pela Grã-Bretanha?”, perguntou o senador, que é vice-chefe da Comissão de Defesa e Segurança do Conselho da Federação russa.

Na visão do parlamentar, se os britânicos utilizarem poder nuclear, então “a Grã-Bretanha, que não possui um vasto território, poderá ser literalmente apagada da face da terra com um contra-ataque”, afirmou o senador em sua página no Facebook.


Klintsevich relembrou ainda que um eventual ataque nuclear britânico contra um país não-nuclear trará à memória o que fizeram os norte-americanos ao atacarem com bombas atômicas as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, ao final da Segunda Guerra Mundial.

As tensões nucleares não são uma exclusividade da Península Coreana.

Em um recente relatório do Instituto para a Pesquisa de Desarmamento da ONU, a ameaça de um “evento de detonação de arma nuclear”, acidental ou deliberado, está “inegavelmente em seu maior nível nos 26 anos desde o colapso da União Soviética”, período em que houve uma deterioração das relações entre potências nucleares.

No entanto, o primeiro conflito nuclear em nosso planeta pode nem sequer acontecer entre a Rússia, Estados Unidos, China, Japão, Reino Unido, Israel, Irão, ou qualquer um dos “suspeitos habituais”.

Segundo um estudo de cientistas das Nações Unidas, há uma grande probabilidade de que o primeiro conflito nuclear da Terra aconteça entre a Índia e o Paquistão – devido a problemas crescentes em torno do acesso à água potável no subcontinente indiano e aos conflitos em torno da bacia do rio Indo.

Ciberia // Sputnik News

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Dinossauros foram extintos por impacto de asteroide, defende pesquisa científica

O mistério que levou ao fim da era dos dinossauros motiva pesquisadores do mundo inteiro a debater o que teria provocado essa extinção. Um novo estudo busca descartar a teoria de que a atividade vulcânica …

Microsoft assume compromisso de ser uma empresa carbono negativo até 2030

A Microsoft fez uma transmissão ao vivo para contar ao mundo o seu engajamento com o meio ambiente, a fim de trazer um futuro mais sustentável. Em apresentação conduzida por Satya Nadella (CEO), Amy Hood (CFO) …

Marine Le Pen se lança em pré-campanha presidencial

A líder da extrema direita francesa, Marine Le Pen, anunciou nesta quinta-feira (16) o lançamento de sua campanha “pré-presidencial”. O pleito acontece apenas em 2022, mas a candidata derrotada no segundo turno em 2017, que enfrenta …

Bolsonaro é autor de mais da metade dos ataques a jornalistas em 2019

Em todo o ano foram registrados 208 casos de ataques a veículos de comunicação e jornalistas, um aumento de 54%. Presidente foi responsável por 121 deles, afirma a entidade. O presidente Jair Bolsonaro, sozinho, é responsável …

Qual a idade em que somos mais infelizes, segundo a ciência

A chamada crise dos 40 deixou de ser um mito, pelo menos de acordo com uma ampla pesquisa realizada em 134 países pelo economista David Blanchflower, professor da universidade Dartmouth College, nos EUA, e ex-membro …

Trump fecha acordo e sinaliza fim da "guerra fiscal" com a China

Na última quarta-feira, os Estados Unidos e a China firmaram um acordo que pode ser o primeiro passo para o fim da chamada “guerra comercial” entre as potências. O pacto, que foi anunciado em dezembro do …

YouTube vincula anúncios em vídeos controversos sobre mudanças climáticas

Uma notícia deixou algumas empresas anunciantes do YouTube surpresas. Segundo estudo feito pela Avaaz, a plataforma de vídeos da Google tem vinculado anúncios de grandes companhias em vídeos que têm como propósito desinformar as pessoas …

Premiê renuncia após Putin propor reformas constitucionais

Líder russo propõe pacote de mudanças com as quais, segundo críticos, poderia permanecer no poder após fim do mandato. Premiê Medvedev renuncia com todo o gabinete para "abrir espaço" às reformas. O presidente da Rússia, Vladimir …

Musculação: detonando o grande mito da nutrição para ganhar massa muscular

Dietas com alto teor de carboidratos costumam ser recomendadas como parte de protocolos de exercícios para melhorar a recuperação e aumentar o desempenho. No entanto, pesquisas recentes tem mostrado que os carboidratos talvez não ajudem …

Austrália: aviões jogam alimentos para animais sobreviventes dos incêndios

Os incêndios que ardem por toda a Austrália desde setembro do ano passado vem atingindo e ameaçando a vida dos animais locais não só diretamente – mais de 500 milhões de animais já morreram por …