Cientistas teletransportam e medem portão quântico em tempo real

D-Wave Systems, Inc. / Wikimedia

Protótipo de chip com um processador quântico adiabático de 128-qubits desenvolvido pela D-Wave Systems, Inc. em 2009

Há cerca de 20 anos, dois cientistas propuseram uma técnica para teletransportar uma operação quântica especial entre dois locais, com o objetivo de tornar os computadores quânticos mais confiáveis. Agora, uma equipe de cientistas da Universidade de Yale conseguiu transformar a ideia em realidade em tempo real.

Físicos da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, desenvolveram um método prático para teletransportar uma operação quântica – ou um portão – através de uma distância e medir seu efeito. Embora já tenha sido concretizado anteriormente, nunca foi feito em tempo real.

O processo abre o caminho para o desenvolvimento de um fenômeno que pode tornar a computação quântica mais confiável.

Ao contrário dos computadores comuns, que realizam seus cálculos com base nos bits (1 ou 0), os computadores quânticos operam com qubits – um estranho estado de realidade que explora a matemática útil e a unidade básica da computação quântica.

Nos computadores básicos, os bits interagem em operações denominadas portas lógicas, onde dois bits entram e um bit sai. Os portões têm diferentes formas e selecionam um vencedor dependendo da sua regra particular. Esses bits, canalizados através de portas, formam a base de praticamente qualquer cálculo.

Por sua vez, os qubits oferecem uma unidade alternativa: em vez de apenas 1 ou 0, fornecem também uma mistura especial dos dois estados. Em conjunto com uma versão quântica de uma porta lógica, os qubits podem fazer o que os bits clássicos não conseguem.

Há apenas um problema: o estado indeterminado de 1 ou 0 se transforma em 1 ou 0 definitivo quando se torna parte de um sistema medido. Além disso, não é preciso muito para desmoronar um qubit, o que significa que um computador quântico pode se tornar caro se esses componentes delicados não forem adequadamente escondidos.

Atualmente, os engenheiros de software estão animados com dispositivos que conseguem atingir pouco mais do que 70 qubits, embora os computadores quânticos só valham a pena se armazenarem centenas, senão milhares de qubits.

Para tornar a escala viável, os cientistas precisam de truques adicionais. Uma alternativa seria tornar a tecnologia o mais modular possível, conectando sistemas quânticos menores a um maior, a fim de compensar os erros. No entanto, para que essa opção seja viável, as operações especiais que lidam com o levantamento pesado de qubits também precisam ser compartilhadas.

O teletransporte, como o portão quântico, soa ficção científica. Mas, na realidade, nos referimos simplesmente ao fato de os objetos poderem ter sua história entrelaçada, de modo a que quando um é medido, o outro colapsa imediatamente em um estado relacionado, independentemente da distância.

“Esta é a primeira vez que comprovamos esse processo em tempo real”, afirma Kevin Chou, autor principal do estudo publicado recentemente na Nature.

Na experiência, os cientistas usaram qubits em chips de safira dentro de uma configuração de ponta para teletransportar um tipo de operação quântica chamada de controlled-NOT gate e o processo foi 79% confiável.

É um marco para o processamento de informação quântica“, disse o pesquisador Robert Schoelkopf.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …

Ministro da Saúde diz que não há mudança de estratégia para a Coronavac

No início desta segunda-feira (21), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, revelou que não haverá qualquer mudança de estratégia para a aplicação da CoronaVac. A declaração do ministro foi feita em audiência ao Senado Federal, revelando …

Há 80 anos, Hitler invadia a URSS – e começava a perder a guerra

Adolf Hitler e seus generais vinham planejando há meses para este momento. No domingo, 22 de junho de 1941, havia chegado a hora: às 3h15 da manhã, a Wehrmacht, forças armadas nazistas, atacou a União …

Com apenas 2% da população imunizada, África quer fabricar suas próprias vacinas anticovid

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira a primeira etapa para capacitar seu continente na produção de vacinas anticovid. A conclusão do projeto ainda não tem data prevista, mas a iniciativa já é vista …

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …