Termoelétricas consumem volume de água que abasteceria cidades de até 200 mil habitantes

Victor Carvalho / Flickr

Termelétrica de Santa Cruz - RJ

Termelétrica de Santa Cruz – RJ

Responsáveis por 23% da energia elétrica gerada no pais em 2015, as maiores usinas termoelétricas fósseis brasileiras causam grande impacto no abastecimento de água e na qualidade do ar nas regiões onde estão instaladas.

Durante o seu processo de resfriamento, elas demandam, sozinhas, volumes tão grandes de água que poderiam abastecer municípios inteiros. A térmica de Pecém I, no Ceará, por exemplo, consome tanto quanto cidades de até 200 mil habitantes, do tamanho de Rio Claro ou mesmo do bairro paulistano de Itaquera.

O problema é que 34% desses empreendimentos são resfriados por sistemas que consomem a maior quantidade de água e 62,9% deles estão localizadas em regiões em situação crítica ou preocupante quanto aos níveis de escassez de recursos hídricos.

Como em geral as térmicas estão instaladas próximas a cidades e zonas industriais, elas podem competir com o abastecimento da população ou mesmo com outras atividades, como a irrigação.

O cenário mais preocupante está na região Nordeste, onde 90,9% das usinas estão em regiões críticas em recursos hídricos, seguido pela região Sudeste (61,9%) e Sul (55,6%), como mostra a tabela abaixo.

Principal fonte de emissão de gases de efeito estufa (GEE) do setor elétrico brasileiro e de poluentes locais, as termoelétricas também podem comprometer a qualidade do ar e a saúde da população de seu entorno.

As conclusões são de dois novos estudos e de uma Plataforma de Energia inédita, lançados nesta terça (22) em São Paulo pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente (Iema), organização sem fins lucrativos dedicada a produzir e compartilhar informações para fortalecer políticas públicas com o objetivo de reduzir impactos ambientais em qualidade do ar, mobilidade urbana e geração de energia elétrica.

Motivado pelo crescente aumento da participação das termoelétricas na geração de eletricidade do país, o Iema vem se dedicando nos últimos dois anos a estudar os impactos dessas usinas no meio ambiente.

O resultado das análises é uma série de notas técnicas sobre termoeletricidade e uma Plataforma de Energia online acessível ao público.

A Plataforma é uma iniciativa inédita no país, que reúne informações sistematizadas e integradas sobre as 88 termoelétricas movidas a combustível fóssil com maior geração de energia elétrica (70 em operação e o restante em construção ou que estão registradas na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Elas representam 78% das usinas termoelétricas fósseis brasileiras em operação. A plataforma do Iema disponibiliza mapas interativos que permitem localizar cada uma das usinas e acessar detalhes técnicos de cada projeto, indicadores de uso da água, dados de licenciamento e de financiamento.

Agência Brasil

Usina Hidrelétrica de Três Marias, em Minas Gerais

Usina Hidrelétrica de Três Marias, em Minas Gerais

“Com a Plataforma, o Iema pretende oferecer dados e embasamento técnico que auxiliem órgãos públicos de meio ambiente e recursos hídricos na tomada de decisões sobre o setor termoelétrico”, afirma Kamyla Borges, coordenadora da área de energia do Iema.

“Também queremos disponibilizar ao cidadão informações relevantes para o monitoramento ambiental da geração elétrica no país”, diz.

O IEMA analisou o perfil de uso de água das térmicas a partir das informações apresentadas ao órgão ambiental durante o processo de licenciamento.

Para avaliar o impacto das usinas nos recursos hídricos de cada região, o Iema sobrepôs o mapa das termoelétricas às informações da Agência Nacional de Águas (ANA) sobre as bacias do país consideradas críticas de acordo com a quantidade disponível de água.

Diante da dificuldade de acesso aos estudos e aos documentos de impacto das usinas, o Iema desenvolveu uma metodologia para estimar o uso de água (captação e perdas) a partir de indicadores presentes na literatura.

Os entraves enfrentados pelo Iema para obter as análises de impacto das usinas na íntegra refletem a falta de transparência dos processos de licenciamento desses empreendimentos. Das 88 térmicas, foi possível acessar apenas 33 dos Estudos de Impacto Ambiental (EIA).

É preciso melhorar a transparência desses processos para permitir que organizações independentes também possam coletar, sistematizar e analisar os dados de novos projetos”, afirma Aline Fernandes, pesquisadora do Iema.

Impactos das térmicas podem ser mitigados

Atualmente já existem soluções tecnológicas para minimizar o consumo de água durante o processo de resfriamento das termoelétricas e reduzir as emissões de poluentes e gases de efeito estufa. Por isso, o Iema recomenda que os órgãos responsáveis considerem alternativas tecnológicas para o licenciamento de novos empreendimentos.

Por exemplo o resfriamento a ar diminui drasticamente o uso de água pela usina e, por conta do aumento da demanda mundial, atualmente já apresenta custo acessível. Apesar deste sistema ser adotado em vários países do mundo, atualmente apenas duas térmicas o utilizam no Brasil.

Existem tecnologias de controle de poluentes ainda não consideradas pelos empreendimentos que podem reduzir as emissões e que poderiam ser recomendadas pelos órgãos de licenciamento.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Trump contradiz especialista e afirma que logo haverá vacina

Presidente diz que vacina contra covid-19 estará disponível daqui a algumas semanas, apenas horas depois de diretor de agência de saúde afirmar que ampla vacinação provavelmente ocorreria apenas em 2021. O presidente dos Estados Unidos, Donald …

Médicos estão prontos para implantar o primeiro olho biônico do mundo

Um time de cientistas da Monash University (Austrália) criou um “olho biônico” que, de acordo com eles, tem o potencial de devolver a visão a cegos através de um implante no cérebro. Os pesquisadores estão a …

Um planeta do tamanho de Júpiter conseguiu sobreviver perto de uma anã branca

Normalmente, para que uma anã branca seja formada, uma estrela passa pelo fim de sua evolução através de um processo que destrói qualquer coisa que estiver por perto. Entretanto, os astrônomos se depararam com um …

Internado há uma semana com Covid-19, cacique Raoni deve deixar o hospital

Internado há uma semana, o cacique Raoni Metuktire deverá deixar o hospital onde estava internado nas próximas horas, ainda nesta sexta-feira (4). Ele se recuperou de uma inflamação cardíaca, efeito colateral da Covid-19, e …

Barbados pretende destituir Elizabeth 2ª como chefe de Estado

Barbados pretende destituir a rainha Elizabeth 2ª do cargo de chefe de Estado e se tornar uma República, anunciou na terça-feira (15/09) o governo da pequena nação caribenha, reavivando um plano discutido várias vezes no …

Fator inesperado pode estar na base da existência de antiga civilização

Especialistas consideram que o fluxo de frações de poeira grossa favoreceu a fertilidade dos solos, e, dessa forma, a sobrevivência dos primeiros humanos. Um novo estudo defende que a existência de uma antiga civilização humana poderia …

Alemanha vai receber 1.550 refugiados que tiveram pedidos de asilo aceitos na Grécia

A Alemanha vai receber cerca de 1.550 migrantes que estão espalhados em várias ilhas gregas. A chanceler Angela Merkel costurou um acordo com seu ministro do Interior, Horst Seehofer, que era reticente à proposta, …

Em estudo, pesquisadores mostram por que é tão difícil encontrar vida em Marte

Julho de 2020 foi um mês agitado: três missões foram lançadas com destino ao Planeta Vermelho e, entre elas, está a missão Mars 2020, da NASA, levando consigo o rover Perseverance e helicóptero Ingenuity rumo …

O privilégio branco da professora universitária ‘negra’ que enganou todo mundo

Acadêmica voltada para estudos sobre diásporas africanas, a norte-americana Jessica Krug sustentou a carreira sob a alegação de ser negra. Contudo, a professora assistente da George Washington University resolveu se autodeclarar branca e desmentir suas …

Yoshihide Suga é eleito primeiro-ministro do Japão

O Parlamento do Japão elegeu nesta quarta-feira (16/09) Yoshihide Suga para o cargo de primeiro-ministro, em substituição a Shinzo Abe, que renunciou por questões de saúde após quase oito anos como líder do governo. Suga, de …