Termoelétricas consumem volume de água que abasteceria cidades de até 200 mil habitantes

Victor Carvalho / Flickr

Termelétrica de Santa Cruz - RJ

Termelétrica de Santa Cruz – RJ

Responsáveis por 23% da energia elétrica gerada no pais em 2015, as maiores usinas termoelétricas fósseis brasileiras causam grande impacto no abastecimento de água e na qualidade do ar nas regiões onde estão instaladas.

Durante o seu processo de resfriamento, elas demandam, sozinhas, volumes tão grandes de água que poderiam abastecer municípios inteiros. A térmica de Pecém I, no Ceará, por exemplo, consome tanto quanto cidades de até 200 mil habitantes, do tamanho de Rio Claro ou mesmo do bairro paulistano de Itaquera.

O problema é que 34% desses empreendimentos são resfriados por sistemas que consomem a maior quantidade de água e 62,9% deles estão localizadas em regiões em situação crítica ou preocupante quanto aos níveis de escassez de recursos hídricos.

Como em geral as térmicas estão instaladas próximas a cidades e zonas industriais, elas podem competir com o abastecimento da população ou mesmo com outras atividades, como a irrigação.

O cenário mais preocupante está na região Nordeste, onde 90,9% das usinas estão em regiões críticas em recursos hídricos, seguido pela região Sudeste (61,9%) e Sul (55,6%), como mostra a tabela abaixo.

Principal fonte de emissão de gases de efeito estufa (GEE) do setor elétrico brasileiro e de poluentes locais, as termoelétricas também podem comprometer a qualidade do ar e a saúde da população de seu entorno.

As conclusões são de dois novos estudos e de uma Plataforma de Energia inédita, lançados nesta terça (22) em São Paulo pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente (Iema), organização sem fins lucrativos dedicada a produzir e compartilhar informações para fortalecer políticas públicas com o objetivo de reduzir impactos ambientais em qualidade do ar, mobilidade urbana e geração de energia elétrica.

Motivado pelo crescente aumento da participação das termoelétricas na geração de eletricidade do país, o Iema vem se dedicando nos últimos dois anos a estudar os impactos dessas usinas no meio ambiente.

O resultado das análises é uma série de notas técnicas sobre termoeletricidade e uma Plataforma de Energia online acessível ao público.

A Plataforma é uma iniciativa inédita no país, que reúne informações sistematizadas e integradas sobre as 88 termoelétricas movidas a combustível fóssil com maior geração de energia elétrica (70 em operação e o restante em construção ou que estão registradas na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Elas representam 78% das usinas termoelétricas fósseis brasileiras em operação. A plataforma do Iema disponibiliza mapas interativos que permitem localizar cada uma das usinas e acessar detalhes técnicos de cada projeto, indicadores de uso da água, dados de licenciamento e de financiamento.

Agência Brasil

Usina Hidrelétrica de Três Marias, em Minas Gerais

Usina Hidrelétrica de Três Marias, em Minas Gerais

“Com a Plataforma, o Iema pretende oferecer dados e embasamento técnico que auxiliem órgãos públicos de meio ambiente e recursos hídricos na tomada de decisões sobre o setor termoelétrico”, afirma Kamyla Borges, coordenadora da área de energia do Iema.

“Também queremos disponibilizar ao cidadão informações relevantes para o monitoramento ambiental da geração elétrica no país”, diz.

O IEMA analisou o perfil de uso de água das térmicas a partir das informações apresentadas ao órgão ambiental durante o processo de licenciamento.

Para avaliar o impacto das usinas nos recursos hídricos de cada região, o Iema sobrepôs o mapa das termoelétricas às informações da Agência Nacional de Águas (ANA) sobre as bacias do país consideradas críticas de acordo com a quantidade disponível de água.

Diante da dificuldade de acesso aos estudos e aos documentos de impacto das usinas, o Iema desenvolveu uma metodologia para estimar o uso de água (captação e perdas) a partir de indicadores presentes na literatura.

Os entraves enfrentados pelo Iema para obter as análises de impacto das usinas na íntegra refletem a falta de transparência dos processos de licenciamento desses empreendimentos. Das 88 térmicas, foi possível acessar apenas 33 dos Estudos de Impacto Ambiental (EIA).

É preciso melhorar a transparência desses processos para permitir que organizações independentes também possam coletar, sistematizar e analisar os dados de novos projetos”, afirma Aline Fernandes, pesquisadora do Iema.

Impactos das térmicas podem ser mitigados

Atualmente já existem soluções tecnológicas para minimizar o consumo de água durante o processo de resfriamento das termoelétricas e reduzir as emissões de poluentes e gases de efeito estufa. Por isso, o Iema recomenda que os órgãos responsáveis considerem alternativas tecnológicas para o licenciamento de novos empreendimentos.

Por exemplo o resfriamento a ar diminui drasticamente o uso de água pela usina e, por conta do aumento da demanda mundial, atualmente já apresenta custo acessível. Apesar deste sistema ser adotado em vários países do mundo, atualmente apenas duas térmicas o utilizam no Brasil.

Existem tecnologias de controle de poluentes ainda não consideradas pelos empreendimentos que podem reduzir as emissões e que poderiam ser recomendadas pelos órgãos de licenciamento.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Secularismo e tolerância a minorias predizem a prosperidade de um país

Pesquisadores da Universidade de Bristol e Universidade do Tennesse analisaram dados de quase 500 mil pessoas de 109 países e concluíram que mudanças na cultura geralmente vêm antes da melhora na riqueza, educação e democracia. Os …

Estudo: declínio de abelhas se aproxima da extinção em massa

De acordo com um novo estudo liderado por cientistas da Universidade de Ottawa (Canadá), a probabilidade de uma população de abelhas sobreviver em qualquer lugar diminuiu 30% no curso de uma geração humana. Os pesquisadores sugerem …

Pesquisador diz ter descoberto droga capaz de apagar memória ruim de separação amorosa

Um pesquisador de Montreal, no Canadá, diz ter encontrado uma maneira de acabar com o sofrimento causado por uma separação traumática — ele "edita" as memórias dolorosas usando um betabloqueador e sessões de terapia. Alain Brunet …

Documento revela que Facebook poderia ter virado uma "Wikipédia da vida privada"

Steven Levy, conhecido editor da Wired, conseguiu colocar as mãos em algo que ele talvez nunca imaginou encontrar: um diário de Mark Zuckerberg, CEO e fundador do Facebook, datado de 2006 e que mostra algumas …

Missão suicida: satélite queimará na atmosfera da Terra, mas por uma boa causa

Na próxima semana, a Agência Espacial Europeia (ESA) vai destruir um satélite, lançando-o em direção à atmosfera da Terra, só para vê-lo queimar durante a reentrada. Sim, tudo de propósito. Trata-se de um experimento muito …

Pé Grande vagueia pelo Reino Unido enquanto centenas de relatos são registrados

Apesar de a lenda do Pé Grande ser tipicamente americana, centenas de pessoas relataram ter visto a enigmática criatura em diversas localidades do Reino Unido. Se por um lado o Reino Unido é um país relativamente …

Um terço de todas as espécies de animais e plantas pode desaparecer em 50 anos

Um novo estudo da Universidade do Arizona (EUA) estimou que um terço de todas as espécies de plantas e animais do planeta pode ser extinta em até 50 anos devido aos efeitos da mudança climática. Para …

Huawei ataca governo dos EUA e lembra caso Snowden

Em comunicado publicado nesta quinta-feira (13), a Huawei voltou a se defender dos ataques feitos pelos Estados Unidos nesta semana, afirmando que, se tem alguém envolvido com espionagem internacional, esse alguém é justamente o governo …

Os efeitos políticos e religiosos do encontro entre Lula e o papa

Reunião no Vaticano vai além de troca de gentilezas entre dois líderes sul-americanos. Para especialistas, audiência tem repercussões para o ex-presidente, o PT e a própria Igreja Católica, que vive disputa de poder. A reunião entre …

Candidato de Macron à prefeitura de Paris renuncia devido a escândalo sexual

Reviravolta na campanha pelas eleições municipais em Paris a apenas um mês da votação. O candidato do partido presidencial, Benjamin Griveaux, renunciou nesta sexta-feira (14) à corrida pela prefeitura da capital. A decisão foi anunciada …