Termoelétricas consumem volume de água que abasteceria cidades de até 200 mil habitantes

Victor Carvalho / Flickr

Termelétrica de Santa Cruz - RJ

Termelétrica de Santa Cruz – RJ

Responsáveis por 23% da energia elétrica gerada no pais em 2015, as maiores usinas termoelétricas fósseis brasileiras causam grande impacto no abastecimento de água e na qualidade do ar nas regiões onde estão instaladas.

Durante o seu processo de resfriamento, elas demandam, sozinhas, volumes tão grandes de água que poderiam abastecer municípios inteiros. A térmica de Pecém I, no Ceará, por exemplo, consome tanto quanto cidades de até 200 mil habitantes, do tamanho de Rio Claro ou mesmo do bairro paulistano de Itaquera.

O problema é que 34% desses empreendimentos são resfriados por sistemas que consomem a maior quantidade de água e 62,9% deles estão localizadas em regiões em situação crítica ou preocupante quanto aos níveis de escassez de recursos hídricos.

Como em geral as térmicas estão instaladas próximas a cidades e zonas industriais, elas podem competir com o abastecimento da população ou mesmo com outras atividades, como a irrigação.

O cenário mais preocupante está na região Nordeste, onde 90,9% das usinas estão em regiões críticas em recursos hídricos, seguido pela região Sudeste (61,9%) e Sul (55,6%), como mostra a tabela abaixo.

Principal fonte de emissão de gases de efeito estufa (GEE) do setor elétrico brasileiro e de poluentes locais, as termoelétricas também podem comprometer a qualidade do ar e a saúde da população de seu entorno.

As conclusões são de dois novos estudos e de uma Plataforma de Energia inédita, lançados nesta terça (22) em São Paulo pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente (Iema), organização sem fins lucrativos dedicada a produzir e compartilhar informações para fortalecer políticas públicas com o objetivo de reduzir impactos ambientais em qualidade do ar, mobilidade urbana e geração de energia elétrica.

Motivado pelo crescente aumento da participação das termoelétricas na geração de eletricidade do país, o Iema vem se dedicando nos últimos dois anos a estudar os impactos dessas usinas no meio ambiente.

O resultado das análises é uma série de notas técnicas sobre termoeletricidade e uma Plataforma de Energia online acessível ao público.

A Plataforma é uma iniciativa inédita no país, que reúne informações sistematizadas e integradas sobre as 88 termoelétricas movidas a combustível fóssil com maior geração de energia elétrica (70 em operação e o restante em construção ou que estão registradas na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Elas representam 78% das usinas termoelétricas fósseis brasileiras em operação. A plataforma do Iema disponibiliza mapas interativos que permitem localizar cada uma das usinas e acessar detalhes técnicos de cada projeto, indicadores de uso da água, dados de licenciamento e de financiamento.

Agência Brasil

Usina Hidrelétrica de Três Marias, em Minas Gerais

Usina Hidrelétrica de Três Marias, em Minas Gerais

“Com a Plataforma, o Iema pretende oferecer dados e embasamento técnico que auxiliem órgãos públicos de meio ambiente e recursos hídricos na tomada de decisões sobre o setor termoelétrico”, afirma Kamyla Borges, coordenadora da área de energia do Iema.

“Também queremos disponibilizar ao cidadão informações relevantes para o monitoramento ambiental da geração elétrica no país”, diz.

O IEMA analisou o perfil de uso de água das térmicas a partir das informações apresentadas ao órgão ambiental durante o processo de licenciamento.

Para avaliar o impacto das usinas nos recursos hídricos de cada região, o Iema sobrepôs o mapa das termoelétricas às informações da Agência Nacional de Águas (ANA) sobre as bacias do país consideradas críticas de acordo com a quantidade disponível de água.

Diante da dificuldade de acesso aos estudos e aos documentos de impacto das usinas, o Iema desenvolveu uma metodologia para estimar o uso de água (captação e perdas) a partir de indicadores presentes na literatura.

Os entraves enfrentados pelo Iema para obter as análises de impacto das usinas na íntegra refletem a falta de transparência dos processos de licenciamento desses empreendimentos. Das 88 térmicas, foi possível acessar apenas 33 dos Estudos de Impacto Ambiental (EIA).

É preciso melhorar a transparência desses processos para permitir que organizações independentes também possam coletar, sistematizar e analisar os dados de novos projetos”, afirma Aline Fernandes, pesquisadora do Iema.

Impactos das térmicas podem ser mitigados

Atualmente já existem soluções tecnológicas para minimizar o consumo de água durante o processo de resfriamento das termoelétricas e reduzir as emissões de poluentes e gases de efeito estufa. Por isso, o Iema recomenda que os órgãos responsáveis considerem alternativas tecnológicas para o licenciamento de novos empreendimentos.

Por exemplo o resfriamento a ar diminui drasticamente o uso de água pela usina e, por conta do aumento da demanda mundial, atualmente já apresenta custo acessível. Apesar deste sistema ser adotado em vários países do mundo, atualmente apenas duas térmicas o utilizam no Brasil.

Existem tecnologias de controle de poluentes ainda não consideradas pelos empreendimentos que podem reduzir as emissões e que poderiam ser recomendadas pelos órgãos de licenciamento.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Malcolm X: carta indica plano do FBI e polícia de NY para assassinar líder negro

Morto em 1965, aos 39 anos, em Nova York, o ativista negro norte-americano Malcolm X não teve, até hoje, o assassinato totalmente esclarecido. Contudo, o surgimento recente de uma carta aponta para uma possível conspiração entre …

NVIDIA e Stefanini anunciam que desenvolverão Inteligência Artificial no Brasil

A Nvidia Enterprise e a Woopi, empresa do Grupo Stefanini focada em Inteligência Artificial (IA) anunciaram nesta quarta-feira (24) uma parceria para desenvolver soluções de IA e processamento de linguagem natural. E o primeiro projeto …

250 mil mortos por covid no Brasil: o que significa esse número

O Brasil acumula um quarto de milhão de mortes por covid-19, às vésperas de se completar um ano desde o primeiro caso de coronavírus ter sido identificado no país. Segundo as contas do consórcio de imprensa …

Na diplomacia das vacinas, Israel troca imunizante por reconhecimento de Jerusalém como capital

No combate à Covid-19, Israel é exemplo mundial. A metade da população do Estado hebreu já recebeu pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus e um terço está completamente imunizada, com as …

"Subestimar Rússia de Putin é sempre um erro", diz indicado de Biden para chefiar CIA

Nesta quarta-feira (24), William Burns, o indicado do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para o cargo de diretor da CIA, disse que subestimar a Rússia é sempre um erro e acusou a China de …

Chinês é condenado a pagar indemnização à ex-mulher por trabalho doméstico

Um tribunal na China ordenou um homem a pagar compensações a sua ex-esposa pelo trabalho doméstico realizados por ela durante os cinco anos em que estiveram casados, segundo divulgou a imprensa chinesa nesta quarta-feira (24/02). O …

Oceano Atlântico cresce e Pacífico encolhe. Ciência tem nova resposta para fenômeno

Durante a era paleozoica, entre 200 a 540 milhões de anos atrás, o planeta Terra possuía somente um único e imenso continente – a Pangeia, rodeada por um único oceano, intitulado Pantalassa. Depois de uma série …

Um acelerador de partículas cósmico, muito mais poderoso do que o LHC foi descoberto no espaço

Cientistas rastrearam uma partícula fantasma para uma estrela despedaçada e descobriram um gigantesco acelerador de partículas cósmico. A partícula subatômica, chamada de neutrino, foi lançada em direção à Terra depois que a estrela condenada chegou muito …

Mulher de 'El Chapo' Guzmán é presa nos EUA acusada por narcotráfico

Foi presa nesta segunda-feira (22/02) nos Estados Unidos Emma Coronel Aispuro, 31, mulher de Joaquín "El Chapo" Guzmán, ex-líder do cartel de drogas mexicano Sinaloa. Aispuro, que tem cidadania mexicana e americana, foi presa no aeroporto …

Gana é o primeiro país do mundo a receber vacinas do programa Covax, da OMS

Gana recebeu nesta quarta-feira o primeiro lote mundial de vacinas financiadas pelo programa Covax, que proporciona aos países de renda baixa e média as primeiras doses de fármacos antiCovid. Os imunizantes foram enviados de …