Política de tolerância zero nos EUA diminuiu crimes e lotou presídios

Não são apenas os países em desenvolvimento que enfrentam há décadas problemas graves de segurança urbana. Nos anos 1980 e 1990, a violência também atingiu índices alarmantes em metrópoles dos Estados Unidos.

Para superar o que foi caracterizado como “epidemia de crimes” na época, cidades como Nova York e Chicago adotaram a política de tolerância zero.

O sistema baseou-se no princípio da repressão inflexível a crimes menores para promover o respeito à legalidade e promover a redução de crimes. O modelo divide opiniões nos Estados Unidos sobre sua efetividade e consequências relacionadas ao aumento da população carcerária e a casos de abuso policial.

Em Nova York, os assassinatos diminuíram 61% e a prática de crimes em geral caiu 44%, depois da aplicação da política iniciada em 1994, durante o mandato do então prefeito Rudolph Giuliani.

A iniciativa aumentou o policiamento ostensivo nas ruas e as punições a contravenções e crimes menores, como não pagar transporte coletivo ou consumir bebidas alcoólicas nas ruas.

A tolerância zero também foi chamada de choque de polícia. Neste formato, autoridades policiais podem agir de maneira discricionária, para coibir a atividade criminal.

“Janelas Quebradas”

O conceito que deu origem ao modelo de segurança pública tolerância zero foi a teoria das Janelas Quebradas, um texto publicado em 1982 pelo cientista político James Q. Wilson e o psicólogo criminalista George L.Kelling, na revista Atlantic Monthly.

O argumento dos autores considera um prédio com algumas janelas quebradas. Eles defendem que, se elas não forem reparadas, a tendência é que os vândalos quebrem mais algumas janelas. Eventualmente, o prédio pode até mesmo ser invadido se estiver desocupado, como efeito do aspecto de depredação.

Os autores usaram essas imagens para explicar que a criminalidade pode aos poucos se infiltrar em uma comunidade, provocando sua decadência e destruição.

Para os dois autores, se uma janela quebrada não for imediatamente consertada, as pessoas que passam pela rua podem pensar que ninguém se importa com o local e, portanto, não há um responsável ou autoridade para manter a ordem.

A premissa das janelas quebradas é: “Pequenas desordens levariam a grandes desordens e, mais tarde, ao crime”.

Essa teoria sustentou políticas de segurança pública em diversas cidades. Além de Nova York, Chicago e Houston também tiveram modelos de “choque de segurança”.

Críticas

A maioria dessas cidades adotou o modelo após a década de 1980, quando a criminalidade alcançou altos índices em várias regiões dos Estados Unidos. Os defensores da tolerância zero apontam a efetiva redução dos crimes, enquanto os críticos afirmam que o problema desse modelo é tratar questões sociais pelo enfoque da segurança.

Ou seja, há redução de crimes e contravenções cometidos por segmentos sociais desfavorecidos, mas formato não é efetivo para o combate aos crimes de corrupção, por exemplo.

Os críticos também argumentam que a diminuição da violência em algumas cidades teve muito mais relação com o aumento da quantidade de jovens com acesso a empregos e melhoria de renda do que com a aplicação de um choque de segurança, por si só.

Outro aspecto condenado pelos críticos é o fato de que esse formato alimenta padrões rígidos e moralistas de comportamento em populações diversas.

O termo tolerância zero também foi usado na política de prevenção de drogas e para argumentar que a Justiça penal tem um papel importante no enfrentamento ao uso de substâncias ilícitas.

Alguns analistas afirmam ainda que há mais violações por parte da força policial quando uma política de tolerância zero é aplicada. Para esta corrente de pensamento, o policiamento com tolerância zero vai contra os preceitos da polícia comunitária e a lógica da prevenção.

Por último, alguns estudos relacionam o aumento da população carcerária americana à adoção do modelo. Os EUA têm a maior população de pessoas presas do mundo: são 2,3 milhões de detentos, segundo os números do Departamento de Justiça dos Estados Unidos de 2016.

O crescimento, de acordo com estudo divulgado pelo Sentencing Project (Projeto Condenação) em 2016, baseado em números oficiais, foi de 500% em 40 anos. O projeto defende mudanças no sistema penal e aponta que a superpopulação carcerária do país tem como uma das causas a adoção da tolerância zero pelas polícias nas últimas décadas.

Ciberia // Agência Brasil

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA:

Descoberta "oficina de múmias" próximo a pirâmides de Gizé

Arqueólogos alemães e egípcios anunciaram neste sábado (14) ter descoberto uma "oficina de mumificação" perto da necrópole de Saqqara, no Egito. Arqueólogos egípcios anunciaram a descoberta de um antigo sepultamento e de uma oficina de mumificação …

Os romanos podem ter sido os primeiros caçadores de baleias

Ossadas de baleias cinzentas e baleias-francas do Atlântico Norte foram encontradas no Estreito de Gibraltar. Esses ossos sugerem que, nos primeiros séculos depois de Cristo, as baleias não só circulavam por mares europeus como também …

Cabine de avião da Ryanair despressuriza e 33 passageiros vão parar no hospital

Trinta e três passageiros de um avião da companhia low-cost Ryanair tiveram que ser hospitalizados depois que a cabine do aparelhou sofreu uma despressurização. O piloto precisou fazer uma aterrissagem de emergência em Frankfurt, na …

Marun nega participação em supostas fraudes no Ministério do Trabalho

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, negou hoje (14) em nota que tenha participado de supostas fraudes no Ministério do Trabalho para beneficiar sindicatos em Mato Grosso do Sul, seu reduto eleitoral. A informação …

Mosaico que retrata "espiões bíblicos" de Moisés é descoberto em Israel

A descoberta de uma série de mosaicos que datam de 1.600 anos atrás, no interior de uma antiga sinagoga, em Israel, está “revolucionando” tudo o que sabíamos sobre o Judaísmo da época, apresentando “novas pistas” …

Poderíamos ter ido a Marte na década de 60, diz astronauta

O popular astronauta Chris Hadfield diz que a tecnologia que nos levou à lua e nos trouxe de volta na década de 60 poderia nos ter mandado também para Marte. O canadense Chris Hadfield foi astronauta …

Duas novas espécias de morcegos amarelos são descobertas na África

Duas novas espécies de morcegos amarelos foram recentemente descobertas no Quênia, na África. Mas os cientistas não estão interessados apenas nas cores apelativas desses animais. Na verdade, essas espécies também fornecem pistas importantes sobre alguns ramos …

Fragmento mais antigo da "Odisseia" de Homero é encontrado na Grécia

Arqueólogos encontraram uma placa de argila que contem a transcrição de 13 versos da Odisseia de Homero durante escavações na antiga cidade de Olímpia, na Grécia. Uma equipe de arqueólogos gregos e alemães encontrou uma placa …

Roupas com nanotubos de carbono podem ser utilizadas como baterias

Engenheiros da Universidade de Cincinnati, nos EUA, em parceria com a Base Aérea de Wright-Patterson, estão desenvolvendo uma roupa que pode ser utilizada como bateria, sendo assim capaz de recarregar dispositivos eletrônicos.   O tecido …

Finalmente, as mães puderam abraçar os filhos após resgate na Tailândia

Os familiares dos jovens resgatados de uma caverna na Tailândia puderam, finalmente, abraçar os filhos que continuam internados no hospital. Mas não sem  as máscaras de proteção. As autoridades hospitalares só agora permitiram que os familiares …