Rússia é acusada de usar bombas primitivas para mascarar crimes de guerra na Síria

(dr) Sergey Viggen

Um avião bombardeiro Tupolev Tu-95 ‘Bear’ da Força Aérea da Rússia

Fontes das Nações Unidas dizem que o uso de armas semelhantes às utilizadas pelo regime sírio, por parte de Moscou, pode ser uma tentativa de mascarar o envolvimento do país em bombardeios aéreos.

De acordo com o jornal The Guardian, que cita fontes das Nações Unidas, a Rússia tem recorrido à utilização de bombas menos desenvolvidas para bombardear a Síria. O regime de Putin tentaria evitar responsabilidades por crimes de guerra e mortes de civis, atribuindo-os ao regime sírio, seu aliado no conflito.

Fonte da ONU denotou um esforço russo “para utilizar armamento muito semelhante ao do regime sírio”, o que torna as investigações de crimes de guerra mais difíceis: “Suspeito que a Rússia queira utilizar o armamento menos sofisticado para tornar a atribuição de culpas mais complicada”.

A intervenção russa nos bombardeios na Síria iniciou-se em 2015, de forma a apoiar o governo de Bashar al-Assad.

A Rússia já tinha sido acusada por especialistas em armamento de utilizar munições imprecisas, mas estas acusações focavam no fato de tais armas serem mais baratas do que mísseis de grande precisão.

As acusações levantam também dúvidas sobre o custo civil dos ataques aéreos russos, que desempenhou um papel fundamental na vitória do regime de al-Assad em 2016 em Aleppo.

Uma outra fonte das Nações unidas acredita, por sua vez, que esta pode ser uma tática para aterrorizar os civis para que os grupos rebeldes sejam pressionados a se renderem. “A minha opinião pessoal é de que essas armas são usadas na Síria para criar pânico, aterrorizar a população, com o objetivo de torná-los contra os grupos rebeldes”, esclareceu a fonte.

Crimes de guerra

As acusações surgem no mesmo dia em que é publicado um relatório da Comissão de Inquérito da ONU sobre a guerra na Síria. A Comissão acusa, tanto a Rússia, como o governo sírio, de ter utilizado munições imprecisas no passado, particularmente durante o cerco de Aleppo, feito quase exclusivamente com essas munições.

O relatório acusa um avião russo que atingiu um mercado em Atareb no dia 13 de novembro de 2017. Os bombardeios destruíram uma área de 5 mil metros quadrados e mataram pelo menos 84 pessoas.

Na época do ataque, a Rússia negou ter lançado bombas nesse espaço, mas interseções feitas via rádio identificaram pilotos daquele país decolando da base aérea de Khmeimim – a principal das forças russas que atacam a Síria – uma hora e meia antes do ataque.

Os investigadores da ONU não têm provas indicando que o ataque tenha sido deliberado e com o objetivo de matar civis, mas afirmam que a ação pode ser considerada um crime de guerra por fazerem ataques indiscriminados que resultaram na morte de civis.

O relatório indica que não encontrou provas sobre a presença de soldados do EI nessa zona na época dos bombardeios e que a coligação internacional violou a lei internacional ao não ter protegido a população civil.

O relatório, focado no período de tempo entre julho do ano passado e janeiro deste ano, indica que uma das soluções para os civis terem justiça passa por denunciarem possíveis crimes de guerra em jurisdições nacionais e internacionais no futuro.

Desta forma, os autores do relatório dizem que não têm condições para ir mais longe na investigação e apelam a que a Rússia e os EUA conduzam suas próprias investigações sobre as situações relatadas.

Paulo Pinheiro, presidente da Comissão que redigiu o documento, disse que as conclusões chegam em um momento escuro para o conflito que assola a Síria desde 2011.

Em um anexo ao documento, os investigadores dão também algumas informações sobre a ofensiva governamental em curso contra o enclave rebelde de Guta Oriental, lançada no dia 18 de fevereiro. Lá, os pesquisadores referem que o ataque à região tem sido marcado por prováveis crimes de guerra, que incluem “o uso de armas proibidas, o ataque contra civis, a fome como estratégia de guerra e a habitual recusa de retirada de doentes”.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …