Planetas da TRAPPIST-1 são compostos 50% por água; e essa não é uma boa notícia

Um novo estudo sugere que alguns dos planetas ao redor da estrela TRAPPIST-1 poderiam ter tanta água, que isto pode não ser necessariamente uma boa notícia. Dois deles chegariam aos 50% da massa compostos por água; outros dois, 15%.

Liderado por Cayman Unterborn, da Universidade Estatal do Arizona, o estudo foi publicado nesta terça-feira (20), na revista Nature Astronomy. Na pesquisa, os cientistas examinaram as densidades de massa dos sete planetas do sistema TRAPPIST-1, a 40 anos-luz da Terra, para determinar a quantidade de água neles.

É importante citar que os astrônomos conseguem saber da existência de determinadas características de exoplanetas (fora do Sistema Solar) observando-os passar, em “trânsito”, na frente da estrela-mãe. Neste caso, a anã vermelha TRAPPIST-1.

Já se sabe que o tamanho de cada planeta é quase o mesmo que o da Terra, mas orbitam tão próximos da estrela quanto Mercúrio orbita o Sol.

Agora, os pesquisadores descobriram que dois dos planetas mais afastados, TRAPPIST-1f e g, provavelmente, são compostos por mais de 50% de água. Os planetas mais próximos, TRAPPIST-1b e c, são provavelmente mais áridos, mas ainda compostos por até 15% de água.

Para se ter uma ideia, a massa da Terra é apenas 0,02% água.

Os astrônomos explicam que os planetas f e g foram, possivelmente, formados além da linha de neve (região para lá da qual o gelo pode se formar num sistema planetário). Depois, “migraram” para a zona habitável da estrela, onde a água em estado líquido pode existir. Já os planetas b e c se formaram, provavelmente, dentro da linha de neve.

“Acreditamos que, em comparação com os planetas do Sistema Solar, também formados dentro da linha de neve, TRAPPIST-1b e c contém centenas de oceanos“, escreveu a equipe no estudo.

Embora toda essa água possa parecer promissor para o surgimento da vida, os planetas podem ter alguns “problemas de umidade”, observa o site especializado em astronomia Space.

Segundo o portal, algumas teorias sugerem que um planeta inteiramente coberto de água, desprovido de qualquer terreno exposto, pode ter dificuldades para desenvolver a vida.

Há também alguns pontos de interrogação sobre as estruturas dos próprios planetas. TRAPPIST-1f, por exemplo, poderia ter uma faixa de água líquida que teria 200 quilômetros de profundidade, 20 vezes a da fossa das Marianas (o ponto mais profundo de qualquer oceano na Terra, com cerca de 10 quilômetros até o solo marítimo, onde pode haver vida).

Abaixo destes 200 quilômetros molhados, haveria uma camada de gelo. Abaixo desta, existiria uma camada de silicato de magnésio. Então, finalmente, se chegaria a um núcleo de ferro líquido. Esta composição não seria eficaz na regulação da temperatura do planeta através de processos geológicos.

“Planetas rochosos, com frações de massa de água maiores do que a nossa, podem não se comportar de forma geoquímica e geofisicamente semelhante à Terra“, escreveu a equipe.

“Sem terrenos expostos, os principais ciclos geoquímicos seriam paralisados, incluindo a retirada de carbono e fósforo da atmosfera para serem depositados nos reservatórios oceânicos (processo possível por causa do clima continental), limitando assim o tamanho da biosfera”, acrescentou.

Os cientistas afirmam ainda que, apesar de parecer habitável, dificilmente encontraremos vida nos planetas do sistema TRAPPIST-1. E essa também pode ser a realidade para outras estrelas anãs vermelhas. Mais que isso: já descobrimos que esse tipo de estrela também é capaz de “matar” seus planetas.

Entretanto, segundo o IFLScience, ainda não sabemos o quanto os terrenos expostos em meio aos oceanos da Terra foi importante para o surgimento da vida por aqui. Mas o estudo sugere que não devemos ficar tão empolgados com TRAPPIST-1 — ainda.

EM, Ciberia // IFLScience

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …