Planetas da TRAPPIST-1 são compostos 50% por água; e essa não é uma boa notícia

Um novo estudo sugere que alguns dos planetas ao redor da estrela TRAPPIST-1 poderiam ter tanta água, que isto pode não ser necessariamente uma boa notícia. Dois deles chegariam aos 50% da massa compostos por água; outros dois, 15%.

Liderado por Cayman Unterborn, da Universidade Estatal do Arizona, o estudo foi publicado nesta terça-feira (20), na revista Nature Astronomy. Na pesquisa, os cientistas examinaram as densidades de massa dos sete planetas do sistema TRAPPIST-1, a 40 anos-luz da Terra, para determinar a quantidade de água neles.

É importante citar que os astrônomos conseguem saber da existência de determinadas características de exoplanetas (fora do Sistema Solar) observando-os passar, em “trânsito”, na frente da estrela-mãe. Neste caso, a anã vermelha TRAPPIST-1.

Já se sabe que o tamanho de cada planeta é quase o mesmo que o da Terra, mas orbitam tão próximos da estrela quanto Mercúrio orbita o Sol.

Agora, os pesquisadores descobriram que dois dos planetas mais afastados, TRAPPIST-1f e g, provavelmente, são compostos por mais de 50% de água. Os planetas mais próximos, TRAPPIST-1b e c, são provavelmente mais áridos, mas ainda compostos por até 15% de água.

Para se ter uma ideia, a massa da Terra é apenas 0,02% água.

Os astrônomos explicam que os planetas f e g foram, possivelmente, formados além da linha de neve (região para lá da qual o gelo pode se formar num sistema planetário). Depois, “migraram” para a zona habitável da estrela, onde a água em estado líquido pode existir. Já os planetas b e c se formaram, provavelmente, dentro da linha de neve.

“Acreditamos que, em comparação com os planetas do Sistema Solar, também formados dentro da linha de neve, TRAPPIST-1b e c contém centenas de oceanos“, escreveu a equipe no estudo.

Embora toda essa água possa parecer promissor para o surgimento da vida, os planetas podem ter alguns “problemas de umidade”, observa o site especializado em astronomia Space.

Segundo o portal, algumas teorias sugerem que um planeta inteiramente coberto de água, desprovido de qualquer terreno exposto, pode ter dificuldades para desenvolver a vida.

Há também alguns pontos de interrogação sobre as estruturas dos próprios planetas. TRAPPIST-1f, por exemplo, poderia ter uma faixa de água líquida que teria 200 quilômetros de profundidade, 20 vezes a da fossa das Marianas (o ponto mais profundo de qualquer oceano na Terra, com cerca de 10 quilômetros até o solo marítimo, onde pode haver vida).

Abaixo destes 200 quilômetros molhados, haveria uma camada de gelo. Abaixo desta, existiria uma camada de silicato de magnésio. Então, finalmente, se chegaria a um núcleo de ferro líquido. Esta composição não seria eficaz na regulação da temperatura do planeta através de processos geológicos.

“Planetas rochosos, com frações de massa de água maiores do que a nossa, podem não se comportar de forma geoquímica e geofisicamente semelhante à Terra“, escreveu a equipe.

“Sem terrenos expostos, os principais ciclos geoquímicos seriam paralisados, incluindo a retirada de carbono e fósforo da atmosfera para serem depositados nos reservatórios oceânicos (processo possível por causa do clima continental), limitando assim o tamanho da biosfera”, acrescentou.

Os cientistas afirmam ainda que, apesar de parecer habitável, dificilmente encontraremos vida nos planetas do sistema TRAPPIST-1. E essa também pode ser a realidade para outras estrelas anãs vermelhas. Mais que isso: já descobrimos que esse tipo de estrela também é capaz de “matar” seus planetas.

Entretanto, segundo o IFLScience, ainda não sabemos o quanto os terrenos expostos em meio aos oceanos da Terra foi importante para o surgimento da vida por aqui. Mas o estudo sugere que não devemos ficar tão empolgados com TRAPPIST-1 — ainda.

EM, Ciberia // IFLScience

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

MDZhB: a misteriosa rádio soviética que segue emitindo sinais e ruídos há quase 50 anos

Uma misteriosa estação de rádio segue ininterruptamente transmitindo somente ruídos estáticos interrompidos por sons robóticos há mais de quatro décadas. Conhecida como UVB-76 ou MDZhB, os sinais da rádio são transmitidos de dois diferentes pontos da …

Atmosfera da Terra primitiva pode ter sido tão tóxica quanto a de Vênus hoje

Pesquisadores tentaram reproduzir o equilíbrio delicado entre os gases que evaporaram do oceano de magma e a atmosfera que eles podem ter criado, e descobriram que esta seria fina e composta por dióxido de carbono …

Enorme monolito misterioso descoberto no deserto de Utah

Uma ocorrência totalmente comum. Você está em um helicóptero sobrevoando uma região remota do sul de Utah contanto cabras e bodes selvagens, quando de repente avista um monolito inexplicável saindo do solo. A KSL TV, relatou …

Funcionário de funerária é demitido após tirar selfie com corpo de Maradona

Foi demitido o funcionário da funerária responsável pelo velório do ex-jogador Diego Armando Maradona que tirou uma foto ao lado do caixão com o corpo do astro, enterrado nesta quinta-feira, dia 26, na Grande Buenos …

Museu de Londres reunirá relatos de sonhos de britânicos na pandemia

Projeto visa documentar mudanças no sono causadas pelo confinamento e pela crise gerada com a covid-19, além de coletar narrativas sobre o período para gerações futuras. Mudanças no sono aparentemente têm sido comuns durante a pandemia …

'O Gambito da Rainha': série da Netflix ignora sexismo no xadrez, diz ex-campeã

Existem várias cenas comoventes em O Gambito da Rainha, a série da Netflix que conta a história fictícia de Beth Harman, uma jovem prodígio do xadrez da década de 1960. Em uma delas, um jogador experiente …

Detectada "partícula fantasma" no Sol que confirma teoria da década de 1930

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu, pela primeira vez, detectar diretamente a presença do ciclo carbono-nitrogênio-oxigênio (CNO) na fusão nuclear do Sol. Este ciclo representa uma das reações de fusão pelas quais as estrelas convertem hidrogênio …

Musk acertou? Tesla se aproxima dos US$ 500 bilhões de valor de mercado

Nesta segunda-feira (23), a Tesla atingiu o valor de mercado de US$ 498 bilhões. E isso em um momento em que não se sabe se a empresa vai conseguir atingir a sua meta de entregar …

Papai Noel é considerado 'trabalhador essencial' na Irlanda

Na mesma semana em que novas restrições de viagem foram colocadas em prática no Reino Unido e na Irlanda diante dos estragos causados pela segunda onda da pandemia de covid-19 na Europa, a Irlanda fez …

Especialistas da ONU advertem sobre viés racista em algoritmos

Os países devem fazer mais para combater o racismo, principalmente nos algoritmos de inteligência artificial utilizados para reconhecimento facial e controles policiais. Essas ferramentas podem reforçar discriminações, alertam especialistas da ONU. Segundo a especialista jamaicana …