Os planetas de Trappist-1 poderiam ter irmãos gigantes gasosos

O novo trabalho de uma equipe de cientistas de Carnegie tentou determinar se existem, potencialmente, planetas gigantes gasosos em órbita da Trappist-1 a distâncias superiores às dos sete planetas conhecidos.

A descoberta de gigantes gasosos nas fronteiras longínquas do sistema poderia ajudar os cientistas a compreender como os gigantes de gás do nosso Sistema, como Júpiter e Saturno, se formaram.

No início do ano, o Telescópio Espacial Spitzer da NASA deslumbrou o mundo quando revelou que Trappist-1, uma anã ultrafria na direção da constelação de Aquário, era o primeiro sistema conhecido com sete planetas do tamanho da Terra em órbita de uma única estrela. Três dos planetas estão na chamada zona habitável, a gama de distâncias que suportam, potencialmente, água na superfície de planetas rochosos.

Mas é possível que, tal como o nosso próprio Sistema Solar, Trappist-1 também abrigue planetas gigantes e gasosos a distâncias muito maiores do que os planetas do tamanho da Terra que já sabemos fazerem parte do sistema.

“Uma série de outros sistemas estelares que incluem planetas do tamanho da Terra e super-Terras também são o lar de pelo menos um gigante gasoso“, comenta Alan Boss, autor principal do artigo científico da equipe, publicado na revista The Astronomical Journal.

“De modo que é importante a determinação da existência de gigantes de gás com órbitas de período mais longo”, explica.

Boss se voltou para o levantamento de caça exoplanetária que lidera juntamente com os coautores Alycia Weinberger, Ian Thompson e outros. A equipe possui um instrumento especial no telescópio du Pont do Observatório Las Campanas chamado CAPSCam – Carnegie Astrometric Planet Search Camera.

Este telescópio procura exoplanetas usando o método astrométrico, através do qual a presença de um planeta pode ser detectada indiretamente através da oscilação da estrela-mãe em torno do centro de massa do sistema estelar.

Usando o CAPSCam, Boss e os colegas determinaram os limites superiores para a massa de quaisquer potenciais gigantes gasosos no sistema Trappist-1, descobrindo que não existem planetas maiores que 4,6 vezes a massa de Júpiter em órbita da estrela com um período de 1 ano, e que também não existem planetas maiores que 1,6 vezes a massa de Júpiter em órbita da estrela com um período de 5 anos.

Estes períodos podem não parecer muito longos em comparação com o período de quase 12 anos de Júpiter, mas os sete planetas conhecidos de Trappist-1 têm períodos que variam de 1,5 a 20 dias.

“Há muito mais espaço para pesquisas adicionais entre as órbitas de período mais longo que estudamos aqui e as órbitas mais curtas dos sete planetas conhecidos de Trappist-1,” acrescenta Boss.

Se forem descobertos planetas gigantes e gasosos de longo período ao redor da estrela Trappist-1, isso poderia ajudar a resolver um longo debate sobre a formação dos planetas gigantes do nosso próprio Sistema Solar.

Durante a juventude do nosso Sol, ele estava cercado por um disco de gás e poeira a partir do qual os planetas nasceram. A Terra e os outros planetas terrestres se formaram pela acreção lenta de material rochoso desse disco.

Uma teoria para a formação dos gigantes gasosos afirma que eles também começaram a acumular um núcleo sólido, que eventualmente conteria material suficiente para atrair gravitacionalmente um grande invólucro de gás circundante.

A teoria concorrente diz que nossos gigantes de gás foram formados quando o disco giratório de gás e poeira do Sol assumiu uma forma espiral. Os braços espirais ganharam massa e densidade até formarem grupos distintos que rapidamente coalesceram em gigantes gasosos “bebês”.

Uma desvantagem da primeira hipótese, chamada de acreção do núcleo, é que não pode explicar facilmente como é que os gigantes gasosos se formam em torno de uma estrela de massa tão baixa como Trappist-1, doze vezes menos massiva que o Sol.

No entanto, os modelos computacionais da segunda hipótese por Boss, chamada instabilidade do disco, indicaram que os planetas gigantes de gás podem se formar em torno de anãs vermelhas.

“Os planetas gigantes gasosos potencialmente encontrados em órbita de Trappist-1 podem desafiar a teoria da acreção do núcleo, mas não necessariamente a teoria da instabilidade do disco”, explicou Boss.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Novo navio insígnia da Rússia é considerado 'maior ameaça' pelo Ocidente

Com novos mísseis, modernos equipamentos a bordo e uma capacidade de combate única, o cruzador nuclear pesado do projeto 1144 Orlan, Admiral Nakhimov, deverá assumir o posto de navio insígnia da Marinha russa em 2022. O …

Biden anuncia pacote de estímulo de quase US$ 2 trilhões

Para revitalizar a maior economia do mundo em meio à pandemia, "Plano de resgate americano" apresentado pelo presidente eleito inclui auxílio a desempregados e escolas e investimento na vacinação. O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe …

Coronavírus: Reino Unido proíbe entrada de viajantes vindos da América do Sul e de Portugal por variante encontrada no Brasil

Chegadas ao Reino Unido da América do Sul e Portugal serão proibidas a partir de sexta-feira (15/01) devido a preocupações com a variante brasileira do coronavírus. O secretário de transportes, Grant Shapps, disse que a mudança …

Vacinação nacional contra a COVID-19 começa no dia 20, às 10h

Ao que tudo indica o Brasil já tem uma data oficial para o início da vacinação, em massa, contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Nesta quinta-feira (14), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou que a …

"Futuro assustador de extinção em massa" nos espera, elite dos cientistas alerta

O planeta enfrenta um “futuro assustador de extinção em massa, declínio da saúde e distúrbios climáticos” que ameaçam a sobrevivência humana por causa da ignorância e da inação, de acordo com um grupo internacional de …

Oferta de perfuração do Ártico tem fracasso histórico por falta de interessados

O recente leilão que oferecia arrendamentos de perfuração de petróleo no Ártico foi um fracasso. Esperava-se que a chamada atraísse muitos interessados em explorar a área no Alasca, mas a realidade foi outra. A notícia é …

Palácio mais antigo da China de 5.300 anos é descoberto perto de antiga capital

Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem cerca de 5.300 anos, sendo possivelmente a …

Variante da Covid-19 no Brasil faz Reino Unido banir viajantes da América Latina e Portugal

O governo britânico proibiu, nesta quinta-feira, as chegadas de todos os países da América do Sul e do Panamá, além de Portugal, em resposta à nova variante da Covid-19, descoberta no Brasil. A decisão …

CEO do Twitter defende banimento de Trump da rede social

Jack Dorsey diz que medida resulta do “fracasso” da plataforma em mediar diálogo saudável e admite que pode abrir “precedente perigoso”. Proibição veio após presidente dos EUA insuflar apoiadores que invadiram Capitólio. O CEO da rede …

O zumbido de fundo do universo pode ter sido ouvido pela primeira vez

Baseado no que sabemos sobre ondas gravitacionais, o Universo deve estar cheio delas. Cada par de buracos negros ou estrelas de nêutrons e colisão, cada supernova com núcleo em colapso — até mesmo o próprio …