Trump fecha acordo e sinaliza fim da “guerra fiscal” com a China

Kevin Lamarque / Reuters

Donald Trump

Na última quarta-feira, os Estados Unidos e a China firmaram um acordo que pode ser o primeiro passo para o fim da chamada “guerra comercial” entre as potências.

O pacto, que foi anunciado em dezembro do ano passado, prevê mudanças nas áreas de propriedade intelectual, transferência tecnológica, agricultura, serviços financeiros, câmbio e moeda estrangeira.

De acordo com documento divulgado pela Representação de Comércio dos Estados Unidos (USTR), o acordo exige que a China se comprometa a seguir uma série de medidas. E uma das mais importantes é não exigir que as empresas americanas forneçam o uso de suas tecnologias proprietárias para o país – algo que há muito tempo é usado como “moeda de troca” pelo governo chinês para permitir que qualquer empresa dos EUA possa vender seus produtos no país asiático.

O acordo ainda prevê que os chineses se comprometam a importar um adicional de US$ 200 bilhões em bens e serviços nos próximos dois anos (valor que foi baseado no fluxo de exportação deste tipo de produto aos chineses em 2017, antes do início da guerra comercial) e aumentar as importações de produtos agrícolas do país para algo entre US$ 40 e US$ 50 bilhões – pelo menos o dobro dos US$ 20 bilhões em produtos deste setor que a China atualmente importa.

Segundo projeções da Bloomberg, este aumento das importações chinesas no setor agrícola deverá ser responsável por aumentar o PIB norte-americano em algo entre 0,2% e 0,3%.

No entanto, essa medida pode também afetar diretamente o Brasil, já que um levantamento feito pelo Insper apontou que, se a China cumprir a risca a recomendação de dobrar suas importações de produtos agrícolas dos EUA, o Brasil deverá perder cerca de US$ 10 bilhões em exportações de produtos do mesmo nicho para o país asiático.

Apesar de ambos os países estarem assinando nesta quarta a primeira fase do acordo, o governo Trump já avisou que irá manter as tarifas de 25% na importação dos produtos vindos da China.

De acordo com os representantes do governo, a medida é uma forma dos Estados Unidos se proteger caso os chineses não cumpram a parte deles, e essas tarifas serão retiradas assim que os dois países fecharem a segunda fase do acordo.

Por enquanto, ainda não foi divulgado quando a próxima etapa será concluída, mas pode demorar ainda algum tempo, já que, além das questões comerciais, nesta segunda fase também serão discutidas tópicos adicionais de cibersegurança.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

A crise dos combustíveis no Reino Unido

Governo atribui escassez em todo o país ao pânico dos consumidores, enquanto faltam caminhoneiros em razão de políticas pós-Brexit. Premiê Johnson deixa militares de prontidão para garantir distribuição aos postos. Mais de dois terços dos postos …

Cientistas brasileiros desenvolvem algoritmo capaz de detectar covid pela tosse

Para o diagnóstico de infecção do coronavírus SARS-CoV-2, diferentes pesquisas buscaram soluções para identificar sinais da doença. Agora, cientistas brasileiros do Grupo CyberLabs desenvolveram um algoritmo capaz de detectar a covid-19 através de um simples áudio …

CIA teria considerado assassinar Assange durante presidência de Trump, aponta relatório

Jornalistas, analistas políticos e organizações de imprensa ficaram chocados neste domingo (26) após lançamento de uma reportagem que acusa membros da administração do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, de haver planejado assassinato do fundador do …

Cresce a desconfiança nas instituições no Brasil, segundo Datafolha

A confiança dos brasileiro nas instituições públicas sofreu uma queda generalizada desde julho de 2019, com a maior piora ocorrendo na avaliação da Presidência da República, segundo pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (25/09). Também houve aumento …

Alemanha: social-democratas saem à frente nas eleições, mas disputa é acirrada

Os social-democratas alemães saíram na frente neste domingo (26) nas eleições parlamentares que marcam o fim da era Merkel, de acordo com as estimativas iniciais, mas os conservadores da chanceler alemã ainda pretendem disputar …

Revelada consequência grave da COVID-19 mais frequente do que se acreditava

Novo estudo revelou que os pacientes com COVID-19 que foram internados em unidades de terapia intensiva (UTI) têm mais possibilidade de desenvolver deficiências cognitivas contínuas. O estudo de quase 150 pacientes internados no início da pandemia …

Fundo de Bill Gates investe US$ 50 milhões em robôs agricultores que poupam água

A startup norte-americana Iron Ox recebeu um aporte de US$ 53 milhões (R$ 280,5 milhões) para melhorar sua tecnologia de robôs usados na agricultura e que consomem 90% menos água que plantações tradicionais. O dinheiro veio …

Bolsonaro pede à população que tome banho frio e evite elevador

O presidente Jair Bolsonaro pediu nesta quinta-feira (23/09) à população que tome banho frio e evite usar o elevador para economizar energia elétrica. "Aqui são três andares. Quando tem que descer, mesmo que o elevador esteja …

A incrível descoberta que indica presença humana nas Américas muito antes do que se pensava

Novas descobertas científicas apontam que humanos chegaram às Américas pelo menos 7 mil anos antes do que se estimava anteriormente. As pesquisas em torno do momento em que o continente americano passou a ser povoado a …

Mianmar: Justiça americana ordena quebra de sigilo do Facebook para investigar ameaças contra rohingyas

Um juiz americano ordenou ao Facebook que divulgue os arquivos de contas ligadas de membros do exército birmanês e de milícias budistas que perseguiram a minoria Rohingya em Mianmar. A decisão, que encontra resistência …