Vacina contra clamídia é testada na Dinamarca

Pesquisadores dinamarqueses testam pela primeira vez em humanos imunização contra a clamídia, a infecção sexualmente transmissível mais comum no mundo. Resultados preliminares são promissores.

A clamídia, infecção causada pela bactéria Chlamydia trachomitis, é a doença sexualmente transmissível mais comum no mundo. Sua contaminação ocorre especialmente em mulheres. Ela pode levar a doença inflamatória pélvica, infertilidade e gravidez tubária, que é quando a gestação ocorre fora do útero.

Agora há a esperança de uma vacina contra o agente patogênico. Médicos dinamarqueses conduziram um estudo com 35 participantes saudáveis, que está ainda em sua primeira fase.

Do total de participantes, 15 receberam a vacina, denominada CTH522, junto com hidróxido de alumínio (um adjuvante imunológico, ou intensificador de ação, comumente utilizado); outros 15 receberam a mesma vacina com um adjuvante chamado CAF01, e os demais cinco tomaram apenas um placebo.

Constatou-se que a vacina provocou uma resposta imunológica em todos os participantes. Essa reação foi mais forte entre as pessoas que receberam a vacina junto ao adjuvante CAF01.

Após experimentos com animais, os estudos da fase 1 são usados para descobrir se os medicamentos possuem potenciais efeitos colaterais. Esse não foi o caso entre as pessoas que participaram dos testes. Conclui-se assim que a substância parece ser de boa tolerância.

No entanto, somente estudos da fase 2 e 3 com um número significativamente maior de participantes poderão mostrar se a vacina pode atingir seu objetivo de prevenir efetivamente as infecções por clamídia e seus perigosos efeitos a longo prazo.

Atualmente, o Instituto Estatal do Soro (SSI, na sigla em dinamarquês) está preparando um estudo de fase 2 sob encomenda do Ministério da Saúde da Dinamarca.

“Os resultados deste estudo devem ser vistos como positivos, em particular a boa tolerabilidade da vacina e a indução confiável de uma resposta imune”, disse a médica Dagmar Heuer, diretora do departamento de agentes bacterianos sexualmente transmissíveis do Instituto Robert Koch (RKI), da Alemanha.

Segundo ela, que não esteve envolvida no estudo, “a disponibilidade de uma vacina contra a clamídia seria de grande importância para o controle da infecção”.

Preservativos não protegem apenas contra HIV

Com os recentes avanços na luta contra o HIV, cada vez menos pessoas usam preservativos nos últimos anos. No entanto, isso pode levar à proliferação de outras infecções sexualmente transmissíveis, como clamídia ou sífilis, que voltaram a se espalhar.

“O declínio no uso do preservativo, a crescente promiscuidade e a simplificação do contato sexual anônimo através da internet levou a um aumento das infecções sexualmente transmissíveis”, alerta o médico Stefan Esser, diretor do ambulatório de HIV, aids e doenças venéreas do Hospital Universitário de Essen, na Alemanha.

“Apesar da tomografia computadorizada já introduzida na Alemanha para mulheres jovens, as cadeias de infecção nas doenças sexualmente transmissíveis são difíceis de interromper devido à vergonha e ao medo do estigma“, enfatiza o médico.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Preso pai de família que vivia isolada na Holanda

Ex-membro de culto de 67 anos viveu quase uma década recluso, com os seis filhos, numa zona rural. Polícia suspeita privação de liberdade. Antes fora detido um austríaco, presumível locatário do sítio. Está detido o pai …

"É muito provável que haja verdadeiros análogos da Terra", afirma novo estudo

Um novo método de análise geoquímica de planetas distantes sugere que os muitos exoplanetas semelhantes à Terra podem existir fora do Sistema Solar, de acordo com pesquisa. Há um traço comum entre rochas de asteroides, ou …

Equipe 100% feminina vai para o espaço pela primeira vez na história da NASA

As astronautas norte-americanas Christina Koch e Jessica Meir deixaram juntas nesta sexta-feira (18) a Estação Espacial Internacional (ISS) para fazer um reparo de controladores de energia, marcando a primeira vez em seis décadas da história …

Tratamento para tuberculose é recorde, mas 3 milhões não têm acesso

Em 2018, o número de pessoas que receberam tratamento para a tuberculose bateu um recorde histórico em grande parte devido a uma melhor detecção e diagnóstico da doença. Em todo o mundo, sete milhões de pessoas …

"Blob": o que é a misteriosa criatura com 720 sexos e sem cérebro

Ele não tem boca, estômago, olhos, tampouco pode detectar ou digerir alimentos. Também não tem braços ou pernas, mas consegue se locomover — e, em um único dia, dobrar de tamanho. É capaz de aprender e …

Planalto suspende indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada nos EUA

Desgaste político e crise entre clã Bolsonaro e PSL minam nomeação do filho do presidente, que dificilmente seria aprovada pelo Senado. Caso ocorre após batalha pela liderança da legenda na Câmara. O Palácio do Planalto decidiu …

EUA aplicam tarifas punitivas sobre produtos da UE

Após aval da OMC, entram em vigor aumentos tarifários de 10% e 25%, afetando 7,5 bilhões de dólares em produtos do bloco europeu. Bruxelas poderá retaliar com sanções. As autoridades de comércio dos Estados Unidos confirmaram …

Polícia libera filho do chefe do narcotráfico El Chapo depois de emboscada

Alvos de uma violenta represália dos narcotraficantes, os policiais mexicanos foram obrigados a soltar Ovidio Guzmán López, um dos filhos do célebre El Chapo, do cartel de Sinaloa, pouco depois de prendê-lo, nesta quinta-feira (17) …

Pesquisa identifica quais as preferências musicais em cada região do Brasil

Ainda que a cultura brasileira tenha o hábito de importar, no bom e no mal sentido, tudo que pode de países estrangeiros – em especial dos EUA e alguns países da Europa – na hora …

Estudo descobre que humanos têm capacidade de regeneração como a salamandra

Infelizmente, seres humanos não podem se dar ao luxo de perder nenhum pedacinho do corpo, porque todos são insubstituíveis. Ou talvez não. Um estudo da Universidade Duke (EUA) descobriu que somos muito melhores em regenerar cartilagem …