YouTube vai banir conteúdo antivacina

Após mirar desinformação sobre imunizantes contra a covid-19, plataforma anuncia que vai remover vídeos com informações falsas sobre todas as vacinas aprovadas por autoridades de saúde, assim como canais antivacina.

O Youtube anunciou nesta quarta-feira (29/09) que vai remover da plataforma vídeos que contiverem informações falsas sobre qualquer vacina aprovada por autoridades de saúde, indo além da proibição anterior de desinformação sobre os imunizantes contra a covid-19.

A proibição desses conteúdos ocorre num momento em que autoridades de saúde de vários países tentam convencer alguns setores mais céticos de suas populações a se vacinarem para conter a pandemia do coronavírus. O Youtube começou a remover já no ano passado conteúdos enganosos referente a vacinas contra a covid-19 comprovadamente seguras.

Agora, a plataforma afirmou que suas preocupações sobre a disseminação de teorias das conspiração médicas vão além da pandemia.

“Temos visto constantemente alegações falsas sobre as vacinas contra o coronavírus se transformarem em informações errôneas sobre as vacinas em geral”, disse o YouTube em comunicado. “Estamos agora num ponto em que é mais importante do que nunca expandir o trabalho que começamos com a covid-19 para outras vacinas.”

As novas regras proíbem informações incorretas sobre “vacinas atualmente em uso que são aprovadas e confirmadas como seguras e eficazes por autoridades sanitárias locais e pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”. A plataforma online também anunciou o encerramento de canais de “conhecidos disseminadores de desinformação sobre vacinas.”

Exemplos de conteúdos que serão vetados no YouTube são vídeos que afirmam que a vacina contra a gripe causa infertilidade e que a vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo, parotidite e rubéola, poderia causar autismo. Conteúdo que “diz falsamente que que substâncias nas vacinas podem rastrear quem as recebe” também será removido, disse a plataforma.

Pressão para agir

A medida foi anunciada num momento em que o YouTube e outras gigantes da tecnologia, como as redes sociais Facebook e Twitter, enfrentam fortes críticas por não fazerem o suficiente para impedir a disseminação de conteúdos falsos.

O YouTube disse ter removido mais de 130 mil vídeos desde o ano passado por violarem suas políticas relativas a vacinas contra a covid-19.

Também nesta quarta-feira, a plataforma apagou dois canais em alemão da emissora russa RT, financiada pelo governo da Rússia, afirmando que a difusora violou suas políticas contra desinformação sobre covid-19.

Em julho deste ano, vídeos do presidente Jair Bolsonaro também foram removidos do YouTube por disseminaram informações falsas sobre a covid-19.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …