Alemanha vai receber 1.550 refugiados que tiveram pedidos de asilo aceitos na Grécia

A Alemanha vai receber cerca de 1.550 migrantes que estão espalhados em várias ilhas gregas. A chanceler Angela Merkel costurou um acordo com seu ministro do Interior, Horst Seehofer, que era reticente à proposta, uma semana após o incêndio que destruiu o acampamento de refugiados de Moria, na ilha de Lesbos, deixando mais de 12 mil desabrigados. O vice-chanceler Olaf Scholz confirmou a decisão.

Ao todo, cerca de 30 mil migrantes vivem atualmente em ilhas da Grécia. A Alemanha decidiu acolher 1.553 refugiados que já tiveram seus pedidos de asilo examinados e aceitos pelas autoridades gregas, sem necessariamente virem do acampamento incendiado em Lesbos. A maioria são famílias, segundo o vice-chanceler Scholz.

Autoridades locais e regionais na Alemanha tinham demonstrado disposição para acolher migrantes que perderam tudo no incêndio, mas para isso necessitavam de permissão do governo federal. Porém, membros da ala mais conservadora do governo alemão, como o ministro do Interior, Horst Seehofer, relutavam em aceitar novos refugiados no país.

Berlim já havia anunciado que pretendia receber entre 100 e 150 menores isolados do acampamento de Moria, em uma iniciativa conjunta com a França. Após o incêndio ocorrido na madrugada de 8 para 9 setembro, a pressão aumentou sobre o governo de Merkel para receber também adultos que ficaram sem refúgio na ilha do Mar Egeu.

Ao mesmo tempo, as autoridades alemãs insistem na necessidade de uma solução europeia para a questão, que divide os 27 membros da União Europeia (UE) há cinco anos.

Desde o auge da crise migratória, em 2015, a Alemanha recebeu mais 1,2 milhão de refugiados, mas enfrentou nos anos seguintes incidentes de violência protagonizados por estrangeiros acolhidos no país. Esses casos, que incluíram ataques terroristas, deram novo fôlego à extrema direita e grupos neonazistas xenófobos.

O partido de extrema direita Alternativa para a Alemanha (AfD) fez uma entrada triunfal no Parlamento alemão, tornando-se uma força política de peso, o que acabou reduzindo a margem de manobra da chanceler Angela Merkel em política de imigração.

Grécia construirá novo campo em Lesbos com apoio europeu

O primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, insistiu nesta terça-feira (15) que a União Europeia deve demonstrar solidariedade com a Grécia por meio de ações concretas, depois de participar de uma reunião com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel. O acampamento de Moria “é coisa do passado”, frisou o grego.

Ele confirmou que um novo campo será construído em Lesbos, desta vez com maior apoio da União Europeia, mas ponderou que somente uma resposta conjunta do bloco e uma nova política de asilo poderão resolver o problema migratório.

Uma semana após o incêndio, milhares de migrantes, incluindo crianças, continuam dormindo nas ruas da ilha. Segundo Luciano Calestini, diretor do escritório grego do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), apenas mil vagas nas novas instalações temporárias foram ocupadas até o momento, em sua maioria por famílias. Existem milhares de outras disponíveis, além de novas que serão criadas.

Migrantes detidos

Os habitantes de Lesbos convocaram manifestações nesta terça-feira para para exigir a “saída dos migrantes”. O prefeito de Egeu do Norte, Kostas Mountzouris, um dos maiores opositores ao plano do governo de estabelecer um campo fechado para substituir Moria, pediu a empresários e trabalhadores que protestem para pedir “a retirada dos migrantes da ilha a bordo de barcos”.

No fim de semana, desesperados com a situação de precariedade em que se encontram, passando fome e dormindo ao relento, centenas de migrantes fizeram protestos e atiraram pedras em policiais.

A polícia de Lesbos anunciou a detenção de cinco suspeitos pelo incêndio de Moria. “Cinco jovens estrangeiros foram detidos e um sexto foi identificado e é procurado”, afirmou o ministro grego da Proteção Civil, Michalis Chrysohoidis.

Agentes gregos tentavam desde a manhã atrair mais migrantes para as instalações temporárias. Os desabrigados recebem um documento em cinco idiomas – inglês, francês, farsi, urdu e árabe – que tenta convencê-los a aderir ao dispositivo.

“A entrada dos solicitantes de asilo no novo campo não é negociável”, afirmou o ministro grego da Proteção Cidadã, Michalis Chryssohoidis. O texto distribuído afirma que a estadia nessa nova área é obrigatória, para garantir condições de vida decentes, por razões de saúde pública e pessoal, e para reiniciar o procedimento de asilo.

Os incidentes entre solicitantes de asilo e residentes, incluindo partidários da extrema direita, são frequentes desde o ano passado. Muitos moradores não aceitam a permanência dos migrantes. Na estrada próxima ao mar em Mitilene, a capital da ilha, postos de gasolina, supermercados e outras lojas permanecem fechados.

Vany Bikembo, um mecânico de 25 anos da República Democrática do Congo, afirma que o novo acampamento temporário “é um segundo inferno”. As barracas foram instaladas pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), em coordenação com o ministério grego da Migração.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Processo contra o Google nos EUA pode afetar o modo como você usa seu celular

Na última terça-feira (23), o Departamento de Justiça dos EUA entregou um "presente de Halloween" pouco agradável ao Google: um gigantesco processo antitruste, acusando a empresa de práticas que eliminam a competição nos mercados de …

Chilenos decidem a favor de nova Constituição por ampla maioria

Em plebiscito, quase 80% dos eleitores votam a favor de uma nova Carta Magna, em substituição à herdada da era Pinochet, e de que ela seja escrita por uma Assembleia Constituinte com igualdade entre mulheres …

'Vai comprar lá na Venezuela', rebate presidente a apoiador que reclamou de preço do arroz

O presidente Jair Bolsonaro rebateu neste domingo (25), durante passeio de moto por Brasília, crítica de apoiador sobre a alta do preço do arroz. No momento em que saia da Feira Permanente do Cruzeiro, região administrativa …

Espanha, Itália e França ampliam restrições em fim de semana com recorde de casos da Covid-19

Os líderes europeus intensificam as medidas de combate à pandemia do coronavírus, depois da alta de 42% de novos casos da Covid-19 em uma semana. A Itália reforçou neste domingo as medidas de restrição …

Pistachio, o cãozinho filhote que nasceu com pelo verde na Itália

O fazendeiro italiano Cristian Mallocci esperava uma ninhada normal de cachorros de sua cadelinha labradora. Entretanto, ao ver os filhotinhos que nasceram, ele percebeu que um era um pouquinho diferente. ‘Pistachio’, como foi nomeado posteriormente, …

Fóssil de pterossauro nunca antes visto de 100 milhões de anos é descoberto na China

Um novo gênero e uma nova espécie de pterossauro dsungaripterídeo, que viveu durante o Cretáceo Inferior, foram catalogados na China após análise de uma mandíbula inferior incompleta. Pterossauros eram répteis voadores que viveram simultaneamente com os …

A consciência é um campo energético: afirma estudo

Uma nova ideia incomum em neurociência sugere que nossa consciência é derivada de um campo de ondas eletromagnéticas emitidas pelos neurônios quando disparam suas cargas elétricas. A ideia é que essas ondas de atividade elétrica sejam …

Pais gays viram alvo de investigações na Rússia

Alguns anos atrás, o advogado Vladimir (nome modificado), morador de uma grande cidade russa, decidiu ter um filho com o auxílio de uma mãe de aluguel. Sua família inteira ficou contente quando uma menina nasceu. …

Líbano: Saad Hariri volta ao posto de primeiro-ministro para formar novo governo

Saad Hariri foi nomeado novamente primeiro-ministro do Líbano, com o desafio de chegar a um acordo com as várias forças políticas do país e formar um governo capaz de realizar as reformas necessárias para …

Alunos incentivam câmeras ligadas para que professores não ‘falem’ com telas em branco

Para amenizar a sensação de solidão de professores em aulas online, alunos norte-americanos começaram a usar o TikTok para incentivar mais estudantes a abrirem as câmeras durante encontros educacionais à distância. A usuária da rede social …