As mulheres pré-históricas trabalhavam tanto que eram mais fortes que atletas olímpicas

Jean-Pierre Dalbéra from Paris / Wikimedia

A estrutura das mulheres de há 7 mil anos atrás apresentava ossos dos braços 11% a 16% mais fortes que as remadoras de Cambridge.

Um estudo da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, revela que as mulheres pré-históricas tinham braços mais fortes que até mesmo os das campeãs de remo dos dias de hoje.

A principal hipótese é que tamanha força nos ossos tenha sido resultado do trabalho de moer grãos durante muitas horas por dia, tarefas realizadas naquela época por elas.

A pesquisa analisa a história do trabalho manual extenuante realizado por mulheres ao longo de milênios. Segundo os cientistas, as exigências físicas para as pré-históricas podem ter sido subestimadas no passado. Tudo indica que o trabalho delas foi um fator crucial para as primeiras economias agrícolas.

“Esse é o primeiro estudo que realmente compara ossos de mulheres pré-históricas com as dos tempos atuais”, afirma Alison Macintosh, uma das responsáveis pela pesquisa.

Para a cientista, ao interpretar os ossos das mulheres em um contexto específico é possível observar como certos comportamentos eram intensivos e laboriosos, “o que sugere uma história escondida do trabalho feminino durante milhares de anos“, avalia.

Para ter uma base de comparação, os pesquisadores usaram scanners para analisar ossos dos braços (úmero) e pernas (tíbia) de diferentes tipos de mulheres, do período pré-histórico aos dias de hoje.

Foram avaliadas, por exemplo, amostras de atletas profissionais e semiprofissionais que correm, remam e jogam futebol e também de mulheres mais sedentárias. As remadoras são de um tradicional clube de Cambridge, e venceram no ano passado uma histórica disputa de barco do Reino Unido. Elas remam mais de 100 km por semana em rios.

Segundo a análise, a estrutura óssea das atletas é similar à de mulheres que viveram no período que vai do início da era neolítica, época em que surgiu a pedra polida, até comunidades agrícolas da Idade Média.

A estrutura das mulheres do período neolítico, que viveram cerca de 7 mil anos atrás, apresentava ossos das pernas similares aos das mulheres de hoje. Mas os ossos dos braços eram de 11% a 16% mais fortes se comparados aos das remadoras de Cambridge.

A análise mostra que até a Idade do Bronze, que começou no Oriente Médio em, aproximadamente, 3.300 a.C., os braços das mulheres do passado eram mais fortes que os das atletas de elite do remo do presente.

Pedras para moer grãos

Pesquisadores acreditam que as mulheres pré-históricas devem ter usado pedras para moer grãos. Essa atividade, que se resume a uma sequência repetitiva de movimentos circulares, se assemelha ao movimento que remadores fazem.

Segundo os cientistas, antes da invenção do arado a agricultura teria envolvido plantar, cultivar e colher todas as lavouras manualmente, e eram as mulheres que, provavelmente, realizavam muitas dessas tarefas.

“Provavelmente, também eram as mulheres que davam comida e água para o gado doméstico, tiravam o leite e preparavam a carne, além de converterem peles e lã em tecido”, observa Macintosh.

Os principais achados do estudo, que foi publicado na revista Science Advances, sugerem que o trabalho das mulheres foi essencial para o surgimento da agricultura.

Jay Stock, um dos autores do estudo e chefe do projeto ADaPt, que reconstitui em vídeo os métodos e processos de trabalho do passado, diz que a pesquisa indica que as primeiras economias agrícolas contaram com um rigoroso trabalho manual das mulheres.

“Ela mostra o que podemos aprender sobre o passado através de uma melhor compreensão das mudanças nos humanos de hoje.”

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Sinais de possível 1º exoplaneta fora da Via Láctea são detectados

Pela primeira vez na história, é possível que os cientistas tenham descoberto um planeta em outra galáxia. O possível exoplaneta recebeu o nome de M51-ULS-1 e se encontra a 28 milhões de anos-luz de distância na …

China vai vacinar crianças a partir de três anos contra a covid-19

Imunizantes aprovados são das farmacêuticas chinesas Sinopharm e Sinovac, fabricante da Coronavac. País será um dos primeiros a começar a vacinar essa faixa etária. No total, China já vacinou 76% da população. Ao menos cinco províncias …

"Bolsonaro ignora todas as necessidades culturais dos brasileiros", diz Gilberto Gil à revista Télérama

A imprensa francesa desta segunda-feira (25) destaca o show de Gilberto Gil nesta noite na Filarmônica de Paris. O músico brasileiro conversou com o jornal Le Monde e com a revista Télérama. "Gilberto Gil", embaixador …

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …

Pandemia causa a maior redução na expectativa de vida desde a Segunda Guerra

Desde a descoberta do coronavírus SARS-CoV-2, mais de 4,9 milhões de pessoas morreram oficialmente em consequência da infecção, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. Nesse cenário, a pandemia da covid-19 reduziu a expectativa de vida …

Forças Armadas da Noruega assinam contrato bilionário de mísseis para caças F-35

Noruega tem sido um parceiro ativo no programa de caças dos EUA F-35, tendo em conta que 18 empresas deste país nórdico são parceiros diretos. Subsequentemente, a Noruega decidiu adquirir 52 caças F-35 para substituir …

Brasil fez lobby para mudar relatório climático, diz Greenpeace

Vários países, entre eles o Brasil, tentaram fazer mudanças em um crucial relatório da ONU sobre como combater o aquecimento global, afirmou o Greenpeace nesta quinta-feira (21/10), citando um grande vazamento de documentos. Os documentos aos …

Site da Coreia do Sul é usado para hospedar vírus e distribuí-lo via torrents

Uma campanha de distribuição de malwares na Coreia do Sul está disfarçando cavalos de troia de acesso remoto como um jogo para o público adulto, compartilhado via serviço de hospedagem de arquivos, como o WebHard, …