Aprender um instrumento pode melhorar notas em matemática, ciência e línguas

Um estudo publicado pela Associação Americana de Psicologia descobriu que estudantes do ensino médio que fazem aulas de música se saem melhor em outras disciplinas, tendo notas maiores em matemática, ciência e inglês do que os colegas que não estudam música.

Os resultados são tão consistentes que os pesquisadores fizeram um apelo para que governantes, pais e professores invistam mais em artes, justamente para aprimorar o desempenho acadêmico dos alunos.

“Nos sistemas de educação pública na América do Norte, cursos de artes, incluindo cursos de música, são comumente mal financiados em comparação com o que são frequentemente chamados de cursos acadêmicos, incluindo matemática, ciências e inglês”, esclareceu um dos autores do estudo, Peter Gouzouasis, da Universidade da Colúmbia Britânica.

A ideia era de que o tempo escolar seria melhor gasto em aulas de matemática, ciências e línguas do que em aulas de música, o que poderia levar a um desempenho inferior nas demais disciplinas. A recente pesquisa, no entanto, sugere exatamente o contrário.

“Frequentemente, os recursos para educação musical – incluindo a contratação de professores especializados e treinados e compra de instrumentos de banda e orquestra – são cortados ou não estão disponíveis nas escolas de ensino fundamental e médio. O argumento é de que todo o dinheiro é preciso para nos concentrarmos em matemática, ciência e inglês. A ironia é que a educação musical – vários anos de aprendizado instrumental de alta qualidade e tocando em uma banda ou orquestra ou cantando em um coral em um nível avançado – pode ser justamente aquilo que melhora o desempenho acadêmico geral e uma maneira ideal dos alunos aprenderem mais holisticamente nas escolas”, resumiu Gouzouasis ao portal The Medical Xpress.

Metodologia

Mais de 112.000 estudantes canadenses foram incluídos no estudo. Os cientistas compararam o histórico dos alunos entre 2000 e 2003, tendo todos completado o ensino médio. Para participar da pesquisa, era preciso que o estudante tivesse realizado pelo menos um teste padrão de inglês, ciência ou matemática.

Além disso, foram coletadas informações sobre gênero, etnia e status socioeconômico de todos os estudantes.

Do total, 13% dos estudantes tinham feito pelo menos um curso de música durante o ensino médio. Só foram incluídos alunos que fizeram aulas muito qualificadas, por exemplo, de instrumentos de orquestra ou banda de jazz, piano, ou vocal para consertos de coral e jazz. Aulas de violão que não requeriam nenhum conhecimento prévio não foram abrangidas, por exemplo.

Os estudantes de música tiveram melhor desempenho em todas as disciplinas em comparação com os estudantes que não faziam aulas rigorosas de música. As associações foram mais destacadas nos estudantes instrumentais em relação aos vocais.

“Em média, as crianças que aprenderam a tocar um instrumento musical por muitos anos, e agora tocavam em banda e orquestra de ensino médio, estavam o equivalente a cerca de um ano acadêmico à frente de seus colegas em suas habilidades de inglês, matemática e ciências, conforme medido por suas notas nos exames”, afirmou Gouzouasis.

Os resultados se mantiveram verdadeiros mesmo quando os pesquisadores levaram em conta os fatores demográficos de controle, como gênero, etnia e status socioeconômico.

E por que será que alunos que estudam música se saem melhor em outras disciplinas? Os cientistas têm algumas ideias. Gouzouasis, por exemplo, crê que certas habilidades necessárias nas aulas de música podem ser aproveitadas de maneira mais geral na aprendizagem dos adolescentes na escola.

“Aprender a tocar um instrumento musical e tocar em um conjunto é algo muito exigente. O aluno tem que aprender a ler notação musical, desenvolver coordenação olho-mão-mente, desenvolver habilidades de escuta, desenvolver habilidades de equipe e desenvolver disciplina. Praticar todas essas experiências de aprendizagem desempenha um papel na melhoria das capacidades cognitivas das crianças e na sua autoeficácia”, disse.

“Achamos que os efeitos que vemos são em parte resultado do fato de que as crianças que participam de música escolar durante muitos anos recebem instrução musical de qualidade e precisam dominar as altas expectativas de se apresentar em nível de banda ou de orquestra. Vimos os efeitos mais fortes em altos níveis de engajamento musical”, concluiu.

Um artigo com as descobertas da pesquisa foi publicado na revista científica Journal of Educational Psychology.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …