Aprender um instrumento pode melhorar notas em matemática, ciência e línguas

Um estudo publicado pela Associação Americana de Psicologia descobriu que estudantes do ensino médio que fazem aulas de música se saem melhor em outras disciplinas, tendo notas maiores em matemática, ciência e inglês do que os colegas que não estudam música.

Os resultados são tão consistentes que os pesquisadores fizeram um apelo para que governantes, pais e professores invistam mais em artes, justamente para aprimorar o desempenho acadêmico dos alunos.

“Nos sistemas de educação pública na América do Norte, cursos de artes, incluindo cursos de música, são comumente mal financiados em comparação com o que são frequentemente chamados de cursos acadêmicos, incluindo matemática, ciências e inglês”, esclareceu um dos autores do estudo, Peter Gouzouasis, da Universidade da Colúmbia Britânica.

A ideia era de que o tempo escolar seria melhor gasto em aulas de matemática, ciências e línguas do que em aulas de música, o que poderia levar a um desempenho inferior nas demais disciplinas. A recente pesquisa, no entanto, sugere exatamente o contrário.

“Frequentemente, os recursos para educação musical – incluindo a contratação de professores especializados e treinados e compra de instrumentos de banda e orquestra – são cortados ou não estão disponíveis nas escolas de ensino fundamental e médio. O argumento é de que todo o dinheiro é preciso para nos concentrarmos em matemática, ciência e inglês. A ironia é que a educação musical – vários anos de aprendizado instrumental de alta qualidade e tocando em uma banda ou orquestra ou cantando em um coral em um nível avançado – pode ser justamente aquilo que melhora o desempenho acadêmico geral e uma maneira ideal dos alunos aprenderem mais holisticamente nas escolas”, resumiu Gouzouasis ao portal The Medical Xpress.

Metodologia

Mais de 112.000 estudantes canadenses foram incluídos no estudo. Os cientistas compararam o histórico dos alunos entre 2000 e 2003, tendo todos completado o ensino médio. Para participar da pesquisa, era preciso que o estudante tivesse realizado pelo menos um teste padrão de inglês, ciência ou matemática.

Além disso, foram coletadas informações sobre gênero, etnia e status socioeconômico de todos os estudantes.

Do total, 13% dos estudantes tinham feito pelo menos um curso de música durante o ensino médio. Só foram incluídos alunos que fizeram aulas muito qualificadas, por exemplo, de instrumentos de orquestra ou banda de jazz, piano, ou vocal para consertos de coral e jazz. Aulas de violão que não requeriam nenhum conhecimento prévio não foram abrangidas, por exemplo.

Os estudantes de música tiveram melhor desempenho em todas as disciplinas em comparação com os estudantes que não faziam aulas rigorosas de música. As associações foram mais destacadas nos estudantes instrumentais em relação aos vocais.

“Em média, as crianças que aprenderam a tocar um instrumento musical por muitos anos, e agora tocavam em banda e orquestra de ensino médio, estavam o equivalente a cerca de um ano acadêmico à frente de seus colegas em suas habilidades de inglês, matemática e ciências, conforme medido por suas notas nos exames”, afirmou Gouzouasis.

Os resultados se mantiveram verdadeiros mesmo quando os pesquisadores levaram em conta os fatores demográficos de controle, como gênero, etnia e status socioeconômico.

E por que será que alunos que estudam música se saem melhor em outras disciplinas? Os cientistas têm algumas ideias. Gouzouasis, por exemplo, crê que certas habilidades necessárias nas aulas de música podem ser aproveitadas de maneira mais geral na aprendizagem dos adolescentes na escola.

“Aprender a tocar um instrumento musical e tocar em um conjunto é algo muito exigente. O aluno tem que aprender a ler notação musical, desenvolver coordenação olho-mão-mente, desenvolver habilidades de escuta, desenvolver habilidades de equipe e desenvolver disciplina. Praticar todas essas experiências de aprendizagem desempenha um papel na melhoria das capacidades cognitivas das crianças e na sua autoeficácia”, disse.

“Achamos que os efeitos que vemos são em parte resultado do fato de que as crianças que participam de música escolar durante muitos anos recebem instrução musical de qualidade e precisam dominar as altas expectativas de se apresentar em nível de banda ou de orquestra. Vimos os efeitos mais fortes em altos níveis de engajamento musical”, concluiu.

Um artigo com as descobertas da pesquisa foi publicado na revista científica Journal of Educational Psychology.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Arqueólogos encontram o que seria o túmulo de Rômulo, fundador de Roma

A descoberta é considerada "excepcional" pelos arqueólogos. O que poderia ser o túmulo de Rômulo (Romulus), o rei fundador de Roma, foi apresentado ao público pela primeira vez nesta sexta-feira (21), trazendo à tona uma …

Venezuela pede investigação do aeroporto de Lisboa em caso de tráfico de drogas

Polícia prendeu duas pessoas em Caracas, envolvidas em envio quinzenal de drogas para Portugal. Segundo autoridades venezuelanas, o transporte era feito em voos da TAP e o aeroporto de Lisboa foi acusado de cumplicidade. O Ministério …

Alemanha reforça medidas de segurança contra extrema direita após atentado

Após o choque do ataque racista em Hanau e pressionado por todos os lados a reagir, o governo alemão anunciou nesta sexta-feira (21) um fortalecimento da vigilância policial, especialmente em torno das mesquitas, diante de …

Tribunal autoriza Tesla a derrubar floresta nos arredores de Berlim

O Tribunal Administrativo Superior de Berlim-Brandemburgo, na Alemanha, autorizou nesta quinta-feira (20/02) a fabricante americana de carros elétricos Tesla a continuar derrubando uma floresta nos arredores de Berlim para a construção de sua primeira fábrica …

McDonald’s lança vela perfumada com ingredientes de hambúrguer

Quando você pensa que o McDonald’s já esgotou a sua cota de criatividade, eis que o marketing da franquia de restaurantes surge com as velas perfumadas com ingredientes de hambúrguer. Criadas para comemorar os 50 anos …

Câmara oculta no túmulo de Tutancâmon poderia abrigar rainha Nefertiti, revelam cientistas

Uma equipe de arqueólogos afirma ter encontrado evidências da existência de uma câmara oculta por atrás das paredes da famosa tumba de Tutancâmon, no Vale dos Reis, Egito. Essa câmara, segundo cientistas, poderia ser a …

Donald Trump critica Oscar por ter escolhido Parasita como Melhor Filme

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não ficou nada satisfeito com a escolha de Parasita, longa sul-coreano, como vencedor do Oscar de Melhor Filme. O político disparou contra a Academia, que escolheu a produção de …

Vídeo viral de menino que sofre bullying gera onda de comoção e apoio global

Pessoas de todo o mundo se uniram em apoio a um menino australiano de nove anos depois que um vídeo mostrando sua profunda angústia por ter sofrido bullying viralizou nas redes sociais. Yarraka Bayle postou o …

Inteligência dos EUA diz que Rússia atua por reeleição de Trump

Oficiais alertam parlamentares de que Moscou vem interferindo para ajudar campanha eleitoral do presidente americano. Mídia afirma que Trump substituiu diretor de Inteligência Nacional após se irritar com a revelação. Oficiais de inteligência dos EUA alertaram …

Levantamento aponta que Brasil tem 300 mil bruxos e bruxas

De acordo com a União Wicca do Brasil (UWB), há cerca de 300 mil bruxos e bruxas no país. O Rio de Janeiro é o estado campeão em número de praticantes, somando 40 mil adeptos …