Argentina torturou seus próprios soldados na guerra das Malvinas

Kenneth Ian Griffiths / Wikimedia

Prisioneiros de guerra argentinos nas ilhas Malvinas, 16 Junho 1982

Prisioneiros de guerra argentinos nas ilhas Malvinas, 16 Junho 1982

Soldados argentinos foram submetidos a abusos e torturas por seus próprios superiores durante a guerra das Malvinas contra a Grã-Bretanha em 1982, revelam documentos liberados pelas Forças Armadas da Argentina.

Esses são os primeiros documentos oficiais com essas revelações que vêm a público. Depoimentos de soldados relatam o uso de equipamentos precários mediante frio intenso.

Eles também dizem ter sido espancados por oficiais ao deixarem as trincheiras em busca de comida.

Em abril, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, determinou a liberação de todos os documentos militares secretos produzidos durante o conflito

Durante anos, veteranos de guerra argentinos denunciaram ter experimentado condições terríveis durante o conflito, incluindo a ausência de calçados e casacos apropriados, afirma o correspondente da BBC em Buenos Aires Ignacio de los Reyes.

Os documentos até então secretos descrevem ameaças de execução e soldados sendo amarrados dentro de covas vazias.

Um tenente relata como outro oficial amarrou suas mãos e pernas às costas e o deixou por oito horas com o rosto na areia molhada de uma praia gelada das Malvinas.

Um sargento disse que teve de ser operado após sofrer um chute nos testículos.

“Esses documentos levantam a cortina sobre fatos que foram escondidos por muitos anos pelas Forças Armadas”, diz Ernesto Alonso, de um grupo de veteranos da cidade de La Plata.

‘Exercício de colonialismo’

A guerra das Malvinas (ou Falklands, na nomeação oficial britânica) começou em abril de 1982, quando tropas da Argentina invadiram o território ultramarino britânico.

Uma força tarefa britânica foi enviada à área e retomou o controle das ilhas em junho.

O conflito em torno das ilhas deixou mais de 900 mortos. Três cidadãos das ilhas e 255 militares britânicos morreram no conflito.

O número de argentinos mortos é estimado em cerca de 650.

A derrota da Argentina precipitou o fim da brutal ditadura militar no país, que já enfrentava problemas econômicos graves e falta de apoio popular.

Apesar de a invasão ter sido alvo de críticas generalizadas na Argentina, muitos cidadãos continuam a reivindicar a posse das ilhas.

A presidente Cristina Kirchner já descreveu a presença britânica como um “flagrante exercício de colonialismo do século 19”.

O governo britânico diz que defenderá a autodeterminação dos habitantes das ilhas.

A maioria esmagadora dos moradores das Malvinas votou em março de 2013 pela manutenção do status de território britânico. Atualmente, cerca de 2,9 mil pessoas vivem nas ilhas.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …