Astronautas vão realizar cirurgias no espaço (e será nojento)

20th Century Fox

No futuro, os astronautas vão ter que realizar procedimentos cirúrgicos no espaço. Perdas de sangue, urina e matéria fecal serão apenas algumas das possíveis complicações que aguardam os futuros astronautas.

Uma equipe de cientistas da Universidade de Pittsburgh e do King’s College Hospital, em Londres, vasculhou seis décadas de literatura científica para reunir a mais abrangente (e fascinante) lista de compilações cirúrgicas no espaço. O resultado final foi publicado no dia 19 de junho em uma revisão de literatura intitulada Cirurgia no Espaço.

“Os futuros astronautas vão encontrar inevitavelmente uma série de patologias comuns durante as viagens espaciais de longa distância”, escreveram os autores, acrescentando que as doenças “podem surgir da falta de peso prolongada, da exposição à radiação cósmica e do trauma”.

E, pelo menos por agora, os humanos não estão preparados para enfrentar essas complicações no espaço.

Cirurgias no espaço

Os astronautas podem se deparar com diversos perigos nas viagens espaciais. No entanto, não há muitas formas de conseguir controlá-los. Atualmente, a melhor forma de tratar uma emergência médica a bordo da Estação Espacial Internacional (EEI) implica o retorno dos astronautas à Terra o mais rápido possível, de acordo com os autores.

Se um astronauta está em Marte – planeta que leva, em condições favoráveis, cerca de 9 meses para se alcançar – voltar para casa não é uma opção. Ter um médico em Terra realizando cirurgias remotamente com a ajuda de robôs é igualmente inviável.

“A distância entre a Terra e Marte é de 78,2 milhões de quilômetros, o que significa um atraso de comunicação entre 4 e 22 minutos para sinais de rádio”, explicaram.

Se necessário realizar uma cirurgia no espaço, ela deve ser realizada pessoalmente por humanos altamente treinados – o que também causa problemas. Para começar, o espaço existente para armazenamento na nave espacial é escasso, mesmo sem ter que acomodar um pequeno hospital.

“Seria impossível carregar todo o equipamento necessário para tratar cada sintoma”, argumentaram os pesquisadores.

De acordo com estudos anteriores, uma forma de contornar o problema da falta de espaço, seria recorrer à impressão 3D. Em vez de os astronautas carregarem cada ferramenta médica conhecida, levariam um banco de dados digital com modelos imprimíveis em 3D para cada ferramenta médica conhecida pela humanidade.

Assim, médicos astronautas poderiam imprimir as ferramentas que necessitarem, só no momento que precisarem delas.

Um intestino flutuante

A própria cirurgia por si só seria um desafio. Para combater a microgravidade sentida a bordo, os pacientes teriam que estar fisicamente contidos, de acordo com o estudo. Uma vez que o paciente se encontre seguro, o vazamento de fluídos corporais através das feridas abertas representará outro desafio ainda mais complexo.

“Devido à tensão superficial do sangue, ele tende a se agrupar e formar cúpulas que podem se fragmentar quando os tecidos são cortados por instrumentos médicos”, disseram os autores, explicando que “os fragmentos podem flutuar para fora da superfície, dispersando-se por toda a cabine, criando um potencial risco biológico“.

E há ainda um cenário pior: sem a gravidade para manter os órgãos do paciente no lugar, eles podem até mesmo flutuar e se encostar às paredes abdominais dos astronautas durante a cirurgia.

De acordo com os cientistas, a falta de gravidade aumenta ainda o risco dos intestinos de pacientes serem acidentalmente “eviscerados” durante o procedimento – vazando bactérias gastrointestinais para o todo o corpo do doente, bem como para a nave.

Uma forma de evitar a contaminação através do sangue e de outros fluídos seria cobrir o paciente em um “recinto hermeticamente fechado” e separado de toda a nave espacial. A solução seria uma espécie de Trauma Pod, um pequeno módulo médico selado, que teria que ser construído de forma embutida em futuras naves espaciais.

Ainda há muito caminho a percorrer antes de qualquer um desses problemas estar controlado, mas as agências espaciais de todo mundo já se debruçam na resolução deles. A NASA, por exemplo, tem realizado experiências de telemedicina em um laboratório subaquático, projetado especialmente para simular um ambiente espacial.

Além disso, vários laboratórios têm investigado medicamentos baseados em células-tronco, que poderiam ajudar os astronautas a regenerar automaticamente seus ossos e tecidos em um ambiente de microgravidade.

Em breve, e com ajuda da inovação, o espaço – a última barreira da medicina – poderá ser finalmente conquistado.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Nuvem monstruosa de poeira do Saara é observa da espaço vindo em direção a Amazônia

  Todo os anos o deserto do Saara, lá do lado oposto do Oceano Atlântico, sopra uma nuvem tão gigantesca de poeira em direção as Américas que foi apelidada de Godzilla. É a maior destas nuvens em …

Oi? Kanye West compara vacina para COVID-19 com "a marca da besta"

Em nova polêmica, o rapper norte-americano Kanye West fez uma série de revelações sobre como ele enxerga uma possível vacina contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Durante entrevista concedida para a revista Forbes, o cantor também comentou …

Comentarista da CNN Brasil insinua que gays são promíscuos e ‘têm chance muito maior de ter Aids’

A CNN Brasil convidou o comentarista Leandro Narloch para falar sobre ao vivo sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de liberar a doação de sangue por parte de homens homossexuais e mulheres transsexuais, …

China detecta rastros de coronavírus em pacotes de alimentos do Equador

A China anunciou nesta sexta-feira (10/07) a suspensão das importações de alimentos do Equador após encontrar rastros do novo coronavírus em embalagens de camarão. Os vestígios foram encontrados em contêineres com pacotes de camarão branco do …

Pesquisadores se deparam com '1º colar' humano de 160.000 anos

Fósseis de conchas de amêijoas de 160 mil anos encontradas em cavernas de Israel são os primeiros exemplares de conchas usadas como adorno no corpo humano, defendem pesquisadores. Há cerca de 160 mil a 120 mil …

A China diz ter identificado uma nova doença muito mais mortal do que o Covid-19

A embaixada da China no Cazaquistão alertou sobre uma nova pneumonia desconhecida que seria ainda mais mortífera do que o coronavírus (Sars-CoV-2) causador Covid-19, de acordo com o South China Morning Post (SCMP). “A taxa de …

The Sims ganhará reality show para premiar jogadores em US$ 100 mil

A longeva franquia The Sims, onde gamers gerenciam todos os aspectos da vida de avatares virtuais, vai ganhar um reality show. Veiculado pela emissora norte-americana CBS, a atração se chamará “Spark’d” e deve ir ao ar …

Nudes de 100 anos encontrados dentro de parede são avaliados em milhares de dólares

O senso comum sugere que as gerações passadas eram mais conservadoras que as atuais, especialmente no que diz respeito à sexualidade. Basta escavarmos um pouco a memória – ou as paredes de nossas casas – para …

Presidente interina da Bolívia testa positivo para covid-19

A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, revelou nesta quinta-feira (09/07) que foi infectada pelo novo coronavírus e que iniciará um período de quarentena. "Junto com toda a minha equipe, temos trabalhado pelas famílias bolivianas durante …

Após Bolsonaro tirar máscara em entrevista, ABI entra com ação contra presidente no STF

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) apresentou nesta quinta-feira (9) uma queixa criminal ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente Jair Bolsonaro, depois que ele tirou a máscara em uma entrevista em que anunciou …