Ativistas preparam protesto global contra a Amazon

B!T

Um grupo internacional de ativistas climáticos, aliados a trabalhadores de armazéns da Amazon, lançou uma campanha online global, cujo objetivo é pressionar a gigante do e-commerce a oferecer melhores condições de trabalho para seus funcionários e, na sequência, reduzir também a pegada de carbono, que se encontra em expansão.

A ação leva o nome de Make Amazon Pay (“Faça a Amazon Pagar”, na tradução livre) e deve ganhar corpo a medida que a Amazon começa a expandir sua força de trabalho mundo afora, na esteira da pandemia e das datas varejistas de final de ano, como a Black Friday e Natal.

“Durante a pandemia Covid-19, a Amazon se tornou uma corporação de um US$ 1 trilhão, com o CEO Jeff Bezos se tornando a primeira pessoa na história a acumular US$ 200 bilhões em riqueza pessoal”, afirma a campanha em seu site oficial. “Enquanto isso, os funcionários dos armazéns da Amazon arriscavam suas vidas como trabalhadores essenciais e enfrentavam ameaças e intimidação se reivindicassem por seus direitos a um salário justo.”

A campanha foi lançada na Black Friday e traz uma lista de exigências para a Amazon. Isso inclui aumento de salários para os trabalhadores em seus centros de distribuição, extensão de licença médica remunerada e permissão para trabalhadores se organizarem em sindicatos. Além disso, a ação também incumbe a Amazon de “se comprometer com emissões zero de carbono até 2030” e retribuir a sociedade ao “acabar com as parcerias com forças policiais e autoridades de imigração que são institucionalmente racistas”, além de “pagar impostos integralmente nos países onde a atividade econômica real ocorre . ”

Presença de pesos-pesados do ativismo

A Make Amazon Pay traz uma série de entidades internacionais, bastante atuantes pelos direitos dos trabalhadores, bem como pela melhora nas condições climáticas. Entre elas, estão a Progressive International, Amazon Workers International, 350.org, Greenpeace, entre outras. Com a presença de tantas organizações de renome, os responsáveis pela campanha planejaram uma série de demonstrações em diversos países ao redor do mundo, onde, claro, a Amazon atua. “Hoje é um dia de ação global com greves, protestos e outras ações em cinco continentes”, disse James Schneider, diretor de comunicações da Progressive International, ao The Verge.

A primeira manifestação começou com uma greve em Sydney, na Austrália, afirmou Schneider. Outras ações – algumas pessoalmente e outras online – estão planejadas para acontecer nas Filipinas, Bangladesh, Índia, Alemanha, Polônia, Espanha, Luxemburgo, França, Grécia, Reino Unido, Estados Unidos e muito mais. Os organizadores projetaram o slogan “Make Amazon Pay” nos prédios da Amazon em Londres, Berlim e Hyderabad. Além disso, a hashtag “#MakeAmazonPay” está listada no site da campanha e aqueles que apoiam a iniciativa podem assinar uma petição no site para “falar diretamente a Jeff Bezos”.

“Estamos pedindo às pessoas que adicionem seus nomes a essas demandas e que possam contribuir financeiramente para os fundos de greve dos trabalhadores da Amazon”, diz Schneider. “Então, hoje é apenas o início da campanha. Nosso objetivo é construir o fundo de greve para permitir mais greves e protestos após este dia de ação. ”

Protestos em má hora

A Make Amazon Pay chega em um momento especialmente atribulado para a gigante do e-commerce. A pandemia criou um aumento na demanda pelos serviços de compras online da companhia, o que a obrigou a expandir exponencialmente sua força de trabalho em 2020. Atualmente, a empresa fundada por Jeff Bezos emprega mais de 1,2 milhão de funcionários globalmente. Entre janeiro e outubro deste ano, ela precisou contratar 427,3 mil trabalhadores, segundo informações do jornal The New York Times, um crescimento de 35,6%.

No início da pandemia, os trabalhadores da Amazon fizeram protestos na tentativa de fazer a empresa levar o COVID-19 a sério. Em outubro, a Amazon revelou que quase vinte mil de seus funcionários da linha de frente contraíram o coronavírus. No Dia de Ação de Graças, a Amazon disse que forneceria bônus de feriado para seus trabalhadores: aqueles que atuarem em tempo integral na data receberão US$ 300; já os colaboradores que trabalharem por meio período ganharão US$ 150.

O que a Amazon diz

Em e-mail enviado ao The Verge, a Amazon respondeu à campanha ativista, reiterando a efetividade de suas ações no combate a COVID-19 junto aos seus funcionários, sua promessa climática de 2040, além de afirmar que seu salário-base e benefícios para os trabalhadores estão acima da média. “Encorajamos qualquer pessoa interessada nos fatos a comparar nosso salário e benefícios gerais, bem como nossa velocidade em administrar esta crise, com outros varejistas e grandes empregadores em todo o país”, afirmou Lisa Levandowski, porta-voz da companhia.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

UE exportou mais de um bilhão de doses contra Covid-19, diz Comissão Europeia

A União Europeia exportou mais de um bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 para mais de 150 países. Essa quantidade representa a metade das doses produzidas na Europa, de acordo com dados …

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …