Ativistas preparam protesto global contra a Amazon

B!T

Um grupo internacional de ativistas climáticos, aliados a trabalhadores de armazéns da Amazon, lançou uma campanha online global, cujo objetivo é pressionar a gigante do e-commerce a oferecer melhores condições de trabalho para seus funcionários e, na sequência, reduzir também a pegada de carbono, que se encontra em expansão.

A ação leva o nome de Make Amazon Pay (“Faça a Amazon Pagar”, na tradução livre) e deve ganhar corpo a medida que a Amazon começa a expandir sua força de trabalho mundo afora, na esteira da pandemia e das datas varejistas de final de ano, como a Black Friday e Natal.

“Durante a pandemia Covid-19, a Amazon se tornou uma corporação de um US$ 1 trilhão, com o CEO Jeff Bezos se tornando a primeira pessoa na história a acumular US$ 200 bilhões em riqueza pessoal”, afirma a campanha em seu site oficial. “Enquanto isso, os funcionários dos armazéns da Amazon arriscavam suas vidas como trabalhadores essenciais e enfrentavam ameaças e intimidação se reivindicassem por seus direitos a um salário justo.”

A campanha foi lançada na Black Friday e traz uma lista de exigências para a Amazon. Isso inclui aumento de salários para os trabalhadores em seus centros de distribuição, extensão de licença médica remunerada e permissão para trabalhadores se organizarem em sindicatos. Além disso, a ação também incumbe a Amazon de “se comprometer com emissões zero de carbono até 2030” e retribuir a sociedade ao “acabar com as parcerias com forças policiais e autoridades de imigração que são institucionalmente racistas”, além de “pagar impostos integralmente nos países onde a atividade econômica real ocorre . ”

Presença de pesos-pesados do ativismo

A Make Amazon Pay traz uma série de entidades internacionais, bastante atuantes pelos direitos dos trabalhadores, bem como pela melhora nas condições climáticas. Entre elas, estão a Progressive International, Amazon Workers International, 350.org, Greenpeace, entre outras. Com a presença de tantas organizações de renome, os responsáveis pela campanha planejaram uma série de demonstrações em diversos países ao redor do mundo, onde, claro, a Amazon atua. “Hoje é um dia de ação global com greves, protestos e outras ações em cinco continentes”, disse James Schneider, diretor de comunicações da Progressive International, ao The Verge.

A primeira manifestação começou com uma greve em Sydney, na Austrália, afirmou Schneider. Outras ações – algumas pessoalmente e outras online – estão planejadas para acontecer nas Filipinas, Bangladesh, Índia, Alemanha, Polônia, Espanha, Luxemburgo, França, Grécia, Reino Unido, Estados Unidos e muito mais. Os organizadores projetaram o slogan “Make Amazon Pay” nos prédios da Amazon em Londres, Berlim e Hyderabad. Além disso, a hashtag “#MakeAmazonPay” está listada no site da campanha e aqueles que apoiam a iniciativa podem assinar uma petição no site para “falar diretamente a Jeff Bezos”.

“Estamos pedindo às pessoas que adicionem seus nomes a essas demandas e que possam contribuir financeiramente para os fundos de greve dos trabalhadores da Amazon”, diz Schneider. “Então, hoje é apenas o início da campanha. Nosso objetivo é construir o fundo de greve para permitir mais greves e protestos após este dia de ação. ”

Protestos em má hora

A Make Amazon Pay chega em um momento especialmente atribulado para a gigante do e-commerce. A pandemia criou um aumento na demanda pelos serviços de compras online da companhia, o que a obrigou a expandir exponencialmente sua força de trabalho em 2020. Atualmente, a empresa fundada por Jeff Bezos emprega mais de 1,2 milhão de funcionários globalmente. Entre janeiro e outubro deste ano, ela precisou contratar 427,3 mil trabalhadores, segundo informações do jornal The New York Times, um crescimento de 35,6%.

No início da pandemia, os trabalhadores da Amazon fizeram protestos na tentativa de fazer a empresa levar o COVID-19 a sério. Em outubro, a Amazon revelou que quase vinte mil de seus funcionários da linha de frente contraíram o coronavírus. No Dia de Ação de Graças, a Amazon disse que forneceria bônus de feriado para seus trabalhadores: aqueles que atuarem em tempo integral na data receberão US$ 300; já os colaboradores que trabalharem por meio período ganharão US$ 150.

O que a Amazon diz

Em e-mail enviado ao The Verge, a Amazon respondeu à campanha ativista, reiterando a efetividade de suas ações no combate a COVID-19 junto aos seus funcionários, sua promessa climática de 2040, além de afirmar que seu salário-base e benefícios para os trabalhadores estão acima da média. “Encorajamos qualquer pessoa interessada nos fatos a comparar nosso salário e benefícios gerais, bem como nossa velocidade em administrar esta crise, com outros varejistas e grandes empregadores em todo o país”, afirmou Lisa Levandowski, porta-voz da companhia.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …