Aung San Suu Kyi vai defender Mianmar na ONU de acusações de genocídio

A prêmio Nobel da Paz defenderá seu país das acusações de genocídio da minoria muçulmana rohingya no tribunal internacional da ONU, em Haia.

A Corte Penal Internacional (CPI) autorizou em novembro que Mianmar, antiga Birmânia, seja investigada pela crise que levou aproximadamente 740 mil muçulmanos a se refugiarem em Bangladesh em 2017.

A líder birmanesa, vai liderar uma delegação oficial de seu país diante do tribunal de Haia. As primeiras audiências do processo de Aung San Suu Kyi começam nessa terça-feira (10) e continuam até quinta-feira (12), e constituem um exame preliminar aprofundado das acusações de limpeza étnica, mortes e violações realizado pelas forças de segurança civis e militares birmanesas.

A Gambia, um país de maioria muçulmana, fez uma queixa em nome de 57 países membros da Organização de cooperação islâmica em novembro desse ano, acusando Mianmar de violar a Convenção de 1948 sobre o genocídio. No mesmo mês, outra queixa foi depositada por organizações de defesa dos direitos humanos em um tribunal da Argentina. Dessa vez, visando não somente os responsáveis militares, mas também a prêmio Nobel.

Em 14 de novembro, os juízes da CPI deram permissão para que uma investigação fosse feita sobre as alegações de crimes contra a humanidade cometidos durante as operações do exército birmanês. Essa investigação poderia levar a ordens de prisão de generais. Mas o processo pode ser longo e necessitaria a cooperação de Bangladesh e da Birmânia para entregar os acusados.

Investigadores de uma missão da ONU para estabelecimento de fatos na Birmânia, criada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU em março de 2017, pediram em setembro de 2018 que seis responsáveis do exército do país fossem acusados de genocídio.

Reputação em baixa

Contra as acusações de violações de direitos humanos, a Birmânia se defendeu afirmando que eram operações antiterroristas, realizadas em represália a ataques de rebeldes rohingyas a postos de fronteira. Suu Kyi foi muito criticada na época por minimizar a situação denunciada por vítimas e testemunhas no país.

Partidos políticos e grupos armados rebeldes apoiam Suu Kyi. Em Mianmar, os rohingyas são considerados imigrantes ilegais.

Símbolo da democracia na Ásia, a líder birmanesa, antes colocada ao lado de figuras como Mahatma Gandhi e Nelson Mandela, agora é vista como responsável por uma ofensiva militar que deixou milhares de vítimas e refugiados, com o objetivo de eliminar uma minoria étnica.

Sua história de luta contra a ditadura militar em seu país comoveu o ocidente e a fez ganhar vários prêmios, entre eles o Nobel da Paz em 1991. Após a polêmica em torno da líder, a Anistia Internacional retirou o prêmio de “embaixadora de consciência” concedido em 2009. O Canadá também retirou a nacionalidade canadense da líder birmanesa.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …