Bolsonaro pode enfrentar um tribunal internacional por crimes contra a humanidade

Tânia Rêgo / Agência Brasil

Jair Bolsonaro pode enfrentar acusações no Tribunal Penal Internacional (TPI) depois de ser acusado de crimes contra a humanidade.

Líderes indígenas no Brasil e grupos de direitos humanos estão pedindo ao tribunal que investigue o presidente por seu desmantelamento de políticas ambientais e violações de direitos indígenas, que eles dizem ser ecocídio.

William Bourdon, advogado com base em Paris, apresentou um pedido de exame preliminar ao tribunal em Haia, Holanda, na sexta-feira. O promotor-chefe, Fatou Bensouda, determinará então se há motivos para uma investigação contra o Bolsonaro, reportou o The Guardian.

Não há prazo para uma decisão, mas “é uma questão de grande urgência”, disse Bourdon. “Estamos correndo contra o relógio, considerando a devastação da Amazônia.”

Desde que Bolsonaro assumiu o cargo em 2019, vastas extensões de floresta tropical foram destruídas e comunidades tradicionais ameaçadas. O desmatamento aumentou quase 50% em dois anos e atingiu seu nível mais alto desde 2008. Invasões de territórios indígenas aumentaram 135% em 2019, e pelo menos 18 pessoas foram assassinadas em conflitos de terra no ano passado.

Apesar disso, as multas por crimes ambientais caíram 42% na bacia do Amazonas em 2019, e o governo federal cortou o orçamento para fiscalização em 27,4% este ano, revelou um relatório.

“Enquanto o cenário está ficando cada vez pior, o governo está reduzindo a fiscalização”, disse Marcio Astrini, diretor executivo do Observatório do Clima, a ONGs por trás do relatório. “É assustador ver que há um ataque coordenado ao clima, à floresta e às suas pessoas.”

O tribunal apoiado pela ONU tem decidido principalmente sobre casos de genocídio e crimes de guerra desde que foi criado em 2002. No entanto, depois de enfrentar críticas, decidiu em 2016 avaliar os crimes em um contexto mais amplo, que poderia incluir grandes crimes ambientais e culturais.

Bourdon acredita que este caso pode levar Bolsonaro a ser julgado por ecocídio, um termo definido como causador de danos graves e duradouros ao meio ambiente e às pessoas. O advogado ajuizou a ação em nome dos chefes indígenas Almir Suruí e Raoni Metuktire.

Vários membros de ONGs e advogados dos Estados Unidos, Brasil e França também trabalharam no relatório de 68 páginas que descreve o que eles afirmam ser crimes contra a humanidade. Inclui casos de assassinato, transferência forçada e perseguição de indígenas no Brasil.

Raoni é conhecido por sua luta pela preservação da floresta amazônica e da cultura indígena. O chefe do povo Kayapó, de 91 anos, está isolado em sua aldeia na Terra Indígena do Xingu devido à pandemia do coronavírus.

Patxon Metuktire, seu neto de 35 anos, acompanhou-o em sua busca por ajuda na comunidade internacional no ano passado: “Meu avô achou que era importante fazer a reclamação porque o chefe da nação deveria proteger as comunidades, mas ele não está fazendo isso.

“As pessoas se sentem endossadas a cometer crimes, pois o presidente as apóia”, acrescentou Patxon. “Meu avô acredita que a população brasileira não pode fazer o presidente parar de agir contra os indígenas. Ele continua violando nossos direitos, então este é nosso último recurso. Meu avô está pronto para testemunhar e esclarecer qualquer coisa para os promotores, se necessário.”

Cientistas alertaram que as políticas destrutivas de Bolsonaro podem levar a floresta amazônica a um ponto de inflexão irreversível, transformando trechos da floresta tropical em savana. Isso tornaria impossível controlar as mudanças climáticas.

“O Bolsonaro não é um risco só para os povos indígenas, ele se transformou em um problema global, porque o que ele faz aqui tem impacto no planeta”, disse Sônia Guajajara, líder da Associação dos Povos Indígenas do Brasil. “Ele comete um crime após o outro contra os povos da floresta e contra o meio ambiente.”

Em novembro de 2019, ativistas entregaram uma “nota informativa” no TPI argumentando que Bolsonaro encorajou o genocídio contra os povos indígenas. Mais de um ano depois, a promotoria disse que estava analisando o caso para determinar se o examinariam.

A advogada Eloísa Machado, que trabalhou na ação judicial, acolheu o caso apresentado por Bourdon. “Bolsonaro tem suas ações sob análise agora, ainda que preliminarmente”, disse ela.

Embora o processo ainda esteja em um estágio inicial, Elosísa disse que foi um sinal importante de Haia: “É um indício de que os fatos denunciados são graves e que [o tribulal] é sensível ao assunto”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Oxford testa ivermectina como possível tratamento contra covid-19

Universidade quer verificar se medicamento antiparasitário pode trazer benefícios a infectados pelo coronavírus e evitar hospitalizações. Remédio é defendido por Bolsonaro como parte do chamado tratamento precoce. A Universidade de Oxford, no Reino Unido, afirmou nesta …

Aquecimento global fará milhões de vítimas, diz texto da ONU

Dezenas de milhões de pessoas deverão sofrer de fome, seca e doenças nas próximas décadas devido às mudanças climáticas, segundo rascunho de relatório de 4 mil páginas preparado por painel de especialistas. As mudanças climáticas irão …

Blocos flutuantes podem indicar que Vênus está geologicamente ativo

Uma equipe internacional de cientistas descobriu que a superfície de Vênus possui um manto gelatinoso, com pedaços sólidos de crosta flutuando e se movimentando como blocos de gelo. Para os especialistas, esta atividade fornece possíveis indicações …

Fábrica russa eliminará deficiências na produção da Sputnik V de acordo com recomendações da OMS

Em resultado de inspeções efetuadas na Rússia, o grupo de especialistas da Organização Mundial da Saúde fez várias observações sobre a fabricação da vacina Sputnik V. Estas são ligadas principalmente à proteção do meio ambiente …

Brasil ultrapassa Índia e volta a ser líder mundial em mortes diárias por coronavírus

Em meio ao avanço da terceira onda da pandemia, o Brasil ultrapassou a Índia e voltou à liderança do número de mortes diárias por covid-19 registradas, em média. São mais de 2.000 óbitos registrados por …

Rajadas rápidas de rádio ajudarão a mapear distribuição de matéria no universo

O novo levantamento dos dados coletados pelo radiotelescópio CHIME (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment) resultou em mais de 500 rajadas rápidas de rádio devidamente catalogadas, todas feitas durante o primeiro ano de atuação do telescópio. Agora, …

Lider da UE chama lei húngara anti-LGBT de vergonha

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, afirma que vai usar poderes de que dispõe para garantir direitos de todos os cidadãos do bloco. Países pediram à UE que agisse. A presidente da Comissão Europeia, …

Apesar de ter vacinado mais da metade da população, Israel teme 2ª onda de Covid

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, alertou nesta terça-feira que o país pode enfrentar uma nova onda de coronavírus. Segundo ele, o aumento do número de doentes, causado pela chegada da variante Delta, “importada” por …

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …